PESQUISA

A esquerda não deve aprender nada com os evangélicos

por Raphael Tsavkko Garcia (07/03/2012)

Não faltam religiosos que seriam aliados de primeira ordem contras os Edirs e Valdomiros

Li um texto do @senshosp que me parece de um derrotismo terrível. O texto em questão chama-se “O que a esquerda deveria aprender com os evangélicos“. Os “evangélicos” (em geral os neopentecostais da estirpe de Edir Macedo e cia.) ganharam, é a conclusão. A esquerda não conseguiu conquistar corações e mentes mais do que conseguiu chegar ao poder e migrar para a direita. Como se o Brasil tivesse o dever de ser sempre subdesenvolvido e atrasado, em que religião dita costumes e leis, e o país não pode evoluir. Em que não podemos lutar por uma esquerda de verdade, comprometida, sem recuos, com suas bandeiras históricas e populares.

Diversos países da Europa são a prova de que é possível combater a ignorância do fanatismo religioso e dos marginais da fé – forma “carinhosa” pela qual descrevo Malafaias, Valdomiros e cia., mantendo de fora aquelas igrejas tradicionais, onde não faltam progressistas, como entre os anglicanos, betestda e afins que sabem, em geral, os limites da fé e onde começa o Estado e a vida civil.

E não se trata de uma disputa entre Marxistas e “Religiosos”, pois tenho absoluta certeza que nem entre o PSDB ou mesmo o DEM há tanta simpatia assim pelos marginais da fé e seu poder. Ser de direita, liberal e até mesmo ter algum grau de conservadorismo não é defender a mistura perigosa entre religião e Estado.

A esquerda não prega “salvação”, e nem diz ser caminho fácil. E uma ampla parte da direita pode ser nociva, mas não é a TFP ou a Opus Dei. É preciso ainda lembrar da quase neutralização da Teologia da Libertação que, pese críticas, era um movimento mais aberto e que, mesmo com preconceitos, buscava dialogar e não impor sua vontade.Ainda que religioso, ligado à Igreja, era um respiro que possibilitava o diálogo. O marginal da fé diz que basta rezar e… pronto. Paraíso terreno e além.

Ao invés de combater isso, cobrando impostos e legislando, o governo preferiu se aliar/perpetuar a farra dessa corja. O crescimento dela não se deve só a seus feitos, mas à inação de governo após governo e, agora, à aliança do governo com esses tipos. É óbvio que o crescimento vertiginoso dessas igrejas caça-níquel não se deve ao PT, mas tem sido ajudado, agora, pela clara aliança e troca de favores que existe.

Estamos falando de, talvez, 20% da população – não há ainda dados conclusivos divulgados pelo IBGE que sustente esse número. E estes 20% têm pautado os demais 80%. Temos tido retrocessos gigantescos em áreas onde 20% dita as regras contra o resto da população e contra outras minorias igualmente significativas. Dilma mente ao dizer que governa para todos, quando na verdade vemos claramente que governa para e comandada por uma minoria em detrimento do resto da população. E dizer que “o brasileiro médio é conservador” não justifica recuos que contrariam as noções mais básicas de direitos humanos, marco sob o qual devem ser fundadas todas as relações humanas e entre o Estado e seus cidadãos.

As ações do governo para privilegiar uma casta religiosa conservadora, rica e que chegou lá por meios extremamente obscuros, como os vetos a toda e qualquer campanha para o público LGBT, ou pelo tratamento da questão do aborto como problema de saúde pública, dentre outras, denunciam a escolha feita pelo governo e não o fim das disputas e dos combates em busca de um Estado Laico.

Aliás, não faço uma crítica ao @senshosp em si, seu texto possui algumas análises que acho bastante válidas, mas discordo de suas conclusões e, acima de tudo, do parâmetro “Marxistas/Esquerda versus Evangélicos” utilizado. A luta contra a teocratização do país não é apenas uma luta das esquerdas. Ao mesmo tempo, discordo do título e tomo-o como referência de minha análise.

Não devemos aprender nada com estes criminosos (e lembro que falo de líderes e não dos coitados enganados com promessas de riquezas materiais caso abram mão de tudo que é material para seus líderes. E, sim, a contradição é proposital e pregada por eles) que se aproveitam das brechas – ou mesmo da total ilegalidade – na legislação para usar concessões públicas para pregação, da inação dos órgãos públicos para efetuarem a clara lavagem de dinheiro que praticam, para não falar na lavagem cerebral e no flagrante desrespeito às leis – mesmo que de convivência e sociais.

Temos de combater este estado de coisas, e, acreditem em mim, não faltam religiosos, mesmo do campo evangélico, que seriam aliados de primeira ordem, que são laicos e se opõem de forma veemente a estes que prometem os céus mediante pagamento no cartão em suaves prestações e que, no meio tempo, pregam o ódio e usam o povo como instrumento de sua vingança contra a humanidade.

Reforçando, o crescimento destes “evangélicos” não se deve ao PT, mas sem dúvida a chegada da esquerda ao poder poderia e deveria ter combatido este crescimento oferecendo opções, como lazer, cultura, educação e ensinado para que serve o Estado/Poder Público e como não ser enganado facilmente. Sejamos honestos: qual era a importância e o poder destes – Macedo, Valdomiro, Malafaia – durante o governo FHC? Foi um governo nefasto, sem dúvida, mas em momento algum usou de religião para justificar ou promover retrocessos. Era ideológico e não religioso, por pior que fosse a ideologia. É possível dizer que os marginais da fé não eram ainda tão poderosos, talvez, mas não importou seu poder, não tiveram vez.

Uma democratização das comunicações, com o fim de concessões a igrejas e pastores, a proibição de programas de tele-evangelização (a venda de horário de concessões públicas em si é contra a lei, logo, vender horário para igrejas não deveria ser tolerado) e a ampliação da internet (e não a piada do PNBL entregue para as teles lucrarem com serviço pior que o que já oferecem), seria de grande ajuda, mas nada foi feito. Ampliar o alcance e a qualidade da educação pública, melhorando salários de professores e os preparando melhor para a profissão seria outro passo importante, assim como dar dignidade à população que, muitas vezes, recorre a esses marginais da fé por puro desespero de suas condições sociais e econômicas.

É óbvio – e nisso vejo méritos no texto que analiso – que precisamos realizar uma autocrítica profunda. A esquerda, em sua imensa fragmentação, tem falhas visíveis e invisíveis. Se por um lado é fato que o governo e o PT caminharam a passos largos para a direita por gosto e prazer, por outro a fragmentação da esquerda ainda durante as disputas do Lula-Operário ajudaram a facilitar que o PT se transformasse nessa máquina eleitoral descolada totalmente das bandeiras históricas da esquerda. Hoje mesmo, temos uma infinidade de formações de esquerda ou que se dizem de esquerda e que não dialogam – ou, se o fazem, o diálogo não caminha muito. Desde partidos que pregam a surrealpolitik, se aliando a ruralistas e espancadores, como o PCdoB, passando pelo PSB, PDT (do Paulinho que defende prostituição como apaziguador de ânimos) e mesmo o PSOL, com inúmeros rachas internos, além dos minúsculos PSTU, PPL e PCO, até grupúsculos insignificantes em um quadro amplo como LER-QI, LBI, POR, MEPR, PCML e tantos outros que costumam se odiar e pregar uma pureza inalcançável – e até desnecessária.

O que vejo é uma soma de fatores, que vão desde problemas estruturais da esquerda, passando pela inação e covardia do governo – passando também pela Ditadura que, se de um lado viu um crescimento da Teologia da Libertação, acabou por massacrar organismos evangélicos tradicionais legítimos e até progressistas, facilitando a proliferação de igrejas totalmente desligadas de qualquer tipo de regra mínima de convivência com a diversidade -, até a falta de legislação ou mesmo aplicação delas contra um câncer que cresce, se espalha e periga chegar até a metástase: os marginais da fé.

Raphael Tsavkko Garcia

Formado em Relações Internacionais (PUC-SP), mestre em Comunicação (Cásper Líbero) e doutorando em Direitos Humanos (Universidad de Deusto).

avatar
Carlos
Se me permite um aparte: não existe “direita” religiosa ou “esquerda” religiosa, o que existe é uma agenda religiosa que busca se impor, seja pela via da esquerda ou da direita, o que for mais fácil. Dois exemplos: Durval Orlato, deputado federal de base católica eleito pelo PT na legislatura passada, apresentou projeto de lei que buscava proibir pesquisas com células-tronco; Hélio Bicudo, também quando ainda ligado ao PT, apoiou emenda constitucional que previda estender os direitos e garantias fundamentais do ser humano até o “momento da concepção”. Na Inglaterra, a Igreja Angicana, citada no artigo como possível aliada esclarecida… Leia mais »
Raphael Tsavkko

Não te tiro a razão, Carlos, mas é fato que no Brasil a configuração da Bancada Evangélica e das forças mais conservadoras religiosas são claramente de direita. Aliás, discordo em parte de se dizer que um conservador religioso seja, necessariamente, de esquerda.

Mas como mostro no texto, acredito que não seja do interesse nem do PSDB e nem do DEM, por exemplo, uma guinada geral ao conservadorismo religioso.

Rodrigo
Rodrigo

Além dos tradicionais partidos, você citou alguns como o PSTU e o PCO que sempre irão apresentar ao público propostas totalmente sem nenhuma ligação com a realidade atual mundial que está mudando a cada dia e essa crítica também vale a bancada religiosa e lhe pergunto:Não seria o fato de que ambos os pólos politicos ( direita e esquerda) terem propostas inviáveis, ou seja, resumindo, ambos os lados tem ideias reacionárias.

Rodrigo
Rodrigo

Concordo com o seu ponto de vista sobre o Lobby religioso, tanto que tem a PEC 99/11 que dará direito as religiões de declarar constitucional ou não qualquer decisão do STF, tanto que tem um video chamado: ” João Campos o evangélico”, mas na questão das comunicações não seria melhor incentivar que houvesse mais competição ao invés de criar uma maneira de restringir as liberdades de expressão e de empresa e outra pergunta que lhe faço:Por que você acha que a situação do Brasil não é sustentável?

Raphael Tsavkko

Porque daqui pra frente veremos campanhas não apenas contra direitos, mas para perseguir e matar. Aliás, a perseguição e as mortes acontecem, só falta um político ou uma Bancada passarem a apoiar abertamente.

Rodrigo
Rodrigo

É fato que eles exageram nas suas declarações, mas a mídia não precisa ser regulamentada e sim que seja mais competitiva para fornecer ao público mais opções e isso quando foi feito em outros países, deu uma série de problemas gigantescos.

Raphael Tsavkko

Errado. Há regulação da mídia me todos os países desenvolvidos.

Conrado

Senti falta de comentar a questão das isenções fiscais pras empresas da fé. Só não sei se entra na covardia e inação ou na aliança explícita…

De resto, irreprochável. Quem curte aprender alguma coisa com os teocratas já está aprendendo. Estão indo bem.

Raphael Tsavkko

Ficaria longo demais, mas podia ter enfiado em algum lugar mesmo1=) Não faz NENHUM sentido isenção fiscal a igreja, templo e etc…

Dandi Marques
Raphael, Excelente análise, cara! Eu li o texto e imaginei das duas uma: deve ser ou de um religioso que se vê alheio na esquerda política ou de um esquerdopata que vê nas igrejas mais um espaço de cooptação da esquerda brasileira. Mas sem querer acusar o autor do bom artigo, ele era muito parcial e deixava de tocar em vários pontos importantes desde boom neopentencostal no Brasil, sendo assim de uma inocência. E o pior é que esse crescimento tido como natural faz aparecer essas alianças para uma agenda de retrocessos no BRasil, tudo para que o governo consiga… Leia mais »
Raphael Tsavkko

Somos o país do retrocesso, a questão é: Até onde vamos?

Rodrigo
Rodrigo

Nessa área sim, mas no resto estamos avançando tanto que a desigualdade no Brasil caiu pelo 11º ano consecutivo e do jeito que o nosso IDH está avançando, em algumas decadas nós teremos um padrão de vida semelhante ao do europeu.

Raphael Tsavkko

Haha, aí você acorda! Teremos o padrão da Grécia, né? Só se for!

Rodrigo
Rodrigo

Ou não, pois a situação financeira do Brasil é sustentável e talvez em algumas decádas teremos um padrão de vida semelhante ao da Espanha por exemplo.

Rodrigo
Rodrigo

Por que você acha que teremos o padrão da Grécia, hein?

Rafael
Rafael

Excelente texto!
Eu só acho que essa coisa de “direita e esquerda” é marketing. Fico cada vez mais convencido que esse negócio de direta e esquerda não existe. Provas disso não faltam. Mas atualmente, a maior prova é o que o próprio PT vem fazendo e permitindo que aconteça. É desesperador. Não há para onde correr

Raphael Tsavkko

Recomendo “direita e Esquerda” do Bobbio. Só a direita fala que não existe mais adicotomia. E é diferente se dizer de esuqerda e SER de esquerda, veja o PT.

Ralf Rickli
Hmmmm… nananinanão! Fui ler o texto é não há NADA de derrotismo, e NEM DE LONGE nada que justifique a frase “Os ‘evangélicos’ (em geral os neopentecostais da estirpe de Edir Macedo e cia.) ganharam, é a conclusão.” Ao contrário, é um texto extremamente lúcido, de uma inteligência a uma vez sutil e brilhante, e – para quem conhece – absolutamente fiel na sua descrição das realidades cotidianas de que fala. Lamentável que já se parta para a contestação sem nem ao menos ter lido com calma para identificar o que @ autor(a) realmente diz. Que se parta para lançar… Leia mais »
Gustavo Castañon
Gustavo Castañon

É isso aí Ralf Rickli, estou totalmente de acordo contigo.

Raphael Tsavkko
Meu caor, eu li o texto do Senshosp ao menos 7 vezes antes de escrever o meu, logo, não posso ser acusado de superficialidade ou falta de cuidado na leitura. Claro que podemos interpretar de forma diferente, e pelo visto assim o fizemos. Se você leu o meu texto verá que concordo com a necessidade de alguma autocrítica por parte da Esquerda, lógico, é fato que estamos perdendo espaço mesmo dentro do governo (que nunca foi de esquerda, diga-se) e a esuqerda perderu totalmente o controle ou a presença no PT (se é que já teve algum controle). O que… Leia mais »
NPTO
Raphael, é provável que concordemos em muitas questões substantivas sobre casamento gay, legalização do aborto, etc. Mas discordo de boa parte dos argumentos do seu texto. Em primeiro lugar, achei perigosa a ideia de que o governo do PT deveria ter feito alguma coisa para impedir o crescimento das igrejas evangélicas. O Estado laico é justamente o que não se mete nessas coisas: se todo mundo quiser virar evangélico, católico, seguidor do Yoda (presente!), de Odin, de Tutatis, ou do grande monstro de spaghetti, o governo não tem nada a ver com isso. A ideia de que oportunidades de lazer… Leia mais »
Raphael Tsavkko
Vamos por partes: “impedir o crescimento das igrejas evangélicas”: Não acredito que o governo devesse ter tomado medidas para “impedir”, no sentido de proibir e etc, e sim de proibir o uso de concessões públicas para tanto. além disso, não é aceitável que o governo não tenha sequer dsicutido uma proposta para taxar e cobrar impostos de igrejas e templos, assim como um conjunto de iniciativas que garantissem a presença do Estado nas mais diversas comunidades para evitar o crescimento de igrejas caça-niquel que exploram o povo. não se trata de medidas anti-democráticas ou anti-religião, mas de ampliar a presença… Leia mais »
Rodrigo
Rodrigo

Não seria melhor ter um debate mais sério antes de legalizar, por exemplo, o aborto?, pois o Brasil não tem nenhuma condição de fazê-lo agora e a questão LGBT foi em boa parte politica, ou seja, foram forçados a fazer aquilo.

NPTO
Raphael, antes de mais nada, a declaração homofóbica da Dilma foi o “não farei propaganda de opção sexual”? Se for esta, enfim, não é uma declaração homofóbica. O governo não tem que se meter no que o sujeito reza, nem a favor nem contra, e nem com quem o sujeito trepa, nem a favor nem contra. Se tiver alguma outra declaração que seja propriamente homofóbica, aí sim é grave. Eu acho que sua definição de retrocesso não é exatamente a que normalmente se usa. Não é um retrocesso, é uma derrota. O partido tem uma posição, não conseguiu conquistar a… Leia mais »
Daniel Rodrigues
Daniel Rodrigues
“Raphael, antes de mais nada, a declaração homofóbica da Dilma foi o “não farei propaganda de opção sexual”? Se for esta, enfim, não é uma declaração homofóbica. O governo não tem que se meter no que o sujeito reza, nem a favor nem contra, e nem com quem o sujeito trepa, nem a favor nem contra. Se tiver alguma outra declaração que seja propriamente homofóbica, aí sim é grave.” Desculpe, NPTO, mas você está errado. Esta declaração de Dilma foi homofóbica e, pior, emprestada diretamente dos homofóbicos reacionários de plantão. É preciso saber o contexto da fala. Dilma proferiu a… Leia mais »
aiaiai
aiaiai

Te amo, NPTO!

Bernardo Santos

Te amo NPTO! [2]

E o blogue, quando volta? =D

Raphael Neves
Celso, vou meter o bedelho (pedindo licença ao autor do post) porque me mandaram o link lá no twitter. Eu acho que houve retrocesso sim. Houve retrocesso na campanha e houve retrocesso no discurso da ministra. E, se levarmos em conta que isso deveria passar pelo Congresso, então a coisa fica ainda mais séria. A gente sabe o quanto a posição do Executivo é importante para aprovar uma lei. Acho que tanto a união (ou casamento) homoafetiva e o aborto são sim temas de direitos fundamentais e que poderiam ser resolvidos pelo STF, diante da inércia do Congresso. Se o… Leia mais »
aiaiai
aiaiai
Você, Rapha, continua fugindo da questão central: cadê o retrocesso? Qd o Brasil foi mais avançado nessas questões? Aqui do meu canto, acho que antes, simplesmente os governantes e partidos no poder ignoravam, fingiam ñ ver, mesmo aqueles, como FHC, que provavelmente também gostariam de ver esses avanços. O problema é que antes do PT no poder, ninguém tratava disso. Nem a imprensa, nem os evangélicos, nem os católicos. Havia um “acordo” p ñ se falar de coisas “desagradáveis”. Com o PT no poder, os assuntos vieram a tona, pois nós petistas sabemos que queremos mudar e avançar nos DH.… Leia mais »
Fred
Fred
Uma parte essencial da política é discurso. Falar algo compromete mais do que se omitir, do que o silêncio. A coisa curiosa, portanto, é que ao mesmo tempo em que o governo acolhe uma secretária que tem posição favorável ao aborto, o governo toma uma posição contra o aborto. Veja, ele não se omite. Ele TOMA uma posição. Eu realmente não me lembro se houve posição contrária em outros governos ou apenas omissão. Mas o fato é que o governo ter que se pronunciar contrário é sim um retrocesso, ainda mais quando sabemos que a posição anterior não era nem… Leia mais »
Raphael Tsavkko
Como “cadê o retrocesso”? O retrocesso está na própria base do PT, partido que historicamente defende o aborto e SEQUER colocou em discussão, mas se aliou com evangélicos e periga até dar apoio ao Estatuto do Nascituro. Aí está o retrocesso. Aliás, através daquela MP linda sorbe cadastro forçado de grávidas estava presente elementos do Estatuto do NAscituro, equiparando direitos (sic) de fetos com os direitos da mães. Dilma disse que ia revogar a MP, mas cadê? Isso não é retrocesso? E esse papo de “acordo” e de que todo mundo odeia o Pt, por favor, né? Empresariado ama o… Leia mais »
Rodrigo
Rodrigo

Isso é o mais interessante, pois ao mesmo tempo que estamos tirando mais gente da pobreza do que antes, eles estão alienando mais gente do que antes, ou seja, é possível avançar economicamente e moralmente, mas essas forças politicas não querem isso.

NPTO

Tsvakko (entrou outro Raphael na discussão, vou ter que te chamar de outra coisa), acho que a questão do aborto ganhou destaque porque é mais espinhosa, e porque foi crucial na eleição passada. Acho as perspectivas da luta LGBT bem mais promissoras no momento, como mostra a decisão do STF.

Se entendi direito, o que você chama de retrocesso é o PT não defender uma bandeira histórica. Isso não é um retrocesso, eu acho. É uma derrota. Às vezes se ganha, às vezes se perde.

Raphael Tsavkko

Nas políticas LGBT existiram retrocessos claros, como suspensão da campanha antiAIDS e as declarações de membros de governo de caráter homofóbico. Na questão do aborto foi um retrocesso, ou derrota, dentro do PT, mas vejo tambémretrocesso no próprio debate público pelo espaço que o govenro dá aos discursos de seus aliados evangélicos e retrógrados na questão. Estamos retrocedendo na opinião pública ao sequer combater o discurso retrógrado. Estmaos falando, em alguns casos, do cmpo das percepções mais que do efetivo. Ao invés de avançar, mesmo que no dsicurso, o governo retrocedeu e deu pano pra manga pro conservadorismo se exacerbar.

Daniel Rodrigues
Daniel Rodrigues

Em relação a LGBTs, deve-se ressaltar também que a conquista da União Civil não teve NENHUM mérito do governo.

Sem Efeitos Colaterais
Concordo plenamente com o Raphael quanto ao retrocesso. O argumento de que a Dilma apenas recuou para o ponto onde estávamos antes acho sem critério. Não se passa pelo mesmo rio duas vezes. Não existe mais o lugar onde estávamos antes. Caminhamos na discussão do tema e, portanto tentar retornar a postura anterior é sim um retrocesso. E em minha opinião grave porque se quisesse voltar a onde estava antes não votaria em quem parecia caminhar pra frente. Se quisesse manter o aborto um crime votaria num Eymael da vida e não na Dilma. Ainda mais entendo que no cargo… Leia mais »
NPTO
Grande Mestre! Eu ainda acho que o casamento gay é uma questão bem mais fácil do que o aborto. Ele só afeta os que nele entram voluntariamente. O aborto é uma questão infernal, porque nós não sabemos com certeza se afeta outra pessoa ou não (porque não sabemos se o feto é outra pessoa). Eu acho que da CF se deduz que os gays podem se casar. Mas não tem nada lá de onde se possa deduzir em que ponto você deixa de ser um espermatozóide e um óvulo tentando chegar a um acordo razoável e vira um ser humano.… Leia mais »
leonardo
leonardo

Caro Rapha

O Judiciário não deve se meter nessas discussões, não ha ai uma discussão jurídica, o que ha é a falta de legislação especifica, no máximo ele deverá decidir caso concreto entre partes, e não sair sumulando, pois, quando sumula legisla, e legislar é função atípica da corte.

Devemos cobrar o legislativo, se não qual a função do congresso? Afinal, se não é necessário dele para se legislar.

Sou contrário ao bicameralismo, se seguir sua linha de raciocínio logo serei contra o congresso.

Se o um poder não faz seu papel, não cabe ao outro supri-lo, e sim ao próprio efetivar mudanças.

Vinícius de Melo Justo
Celso, o retrocesso está presente não no fato de algo ter mudado ou não na legislação. Está em 3 pontos principais: janela de Overton, comportamento do governo frente ao partido, obliteração do espaço político. Pode parecer que todos são a mesma coisa, mas em 3 parágrafos fica definida a diferença: A janela de Overton, como leitores do finado Hermenauta sem dúvida sabem, é a faixa de ideias políticas consideradas razoáveis dentro de um espectro político. Desde a campanha de 2010 pelo menos houve um movimento inegável – o que se especula é se a direção do PSDB participou da gestação… Leia mais »
NPTO
Grande Vinícius! Eu não acho que a discussão LGBT esteja perdendo espaço, muito pelo contrário, acho que o movimento tem conseguido vitórias importantíssimas. No caso do movimento pro-choice, seu argumento é mais forte: declarações como a do Haddad são mesmo infelizes. Mas volto a dizer, não é a mesma coisa do “não faço propaganda” da Dilma, que é correto. E, sinceramente, a discussão sobre legalização do aborto está mais atrasada do que quando? Eu duvido que o Cabral – e, aliás, se não me falha a memória, o Bispo Macedo – tivessem se pronunciado a favor da legalização em qualquer… Leia mais »
Vinícius de Melo Justo
Celso, permita-me discordar com veemência: “não é a mesma coisa do “não faço propaganda” da Dilma, que é correto.” Não é a mesma coisa mesmo. Mas correto não é, ao menos não do ponto de vista dos direitos civis dos gays. Primeiro porque as campanhas que foram vetadas após a gritaria conservadora em nada constituem “propaganda” pró-qualquer sexualidade que se queira. Se o Reinaldo Azevedo et caterva tivessem honestidade intelectual, aplaudiriam essa frase da Dilma, pois ela aceita que uma campanha que incentiva a tolerância tem o objetivo de converter este ou aquele à homossexualidade. É um descalabro, ainda mais… Leia mais »
Raphael Tsavkko
Celso, o mov. LGBT tem conseuido vitórias? Onde? Na Jsutiça, fato, mas junto ao governo são só retrocessos. Não à toa o Grupo Gay da Bahia acabou de “eleger” Dilma como a maior inimiga dos Gays neste ano. E estão certos. Suas declarações e atitudes são claramente homofóbicas. Os gays estão tendo holofotes porque estão morrendo. E isso não me parece uma vitória. O número de assassinatos de gays tem batido récordes, assim como o numero de violência homofóbica. São dados concretos. E como assim a declaração de Dilma foi correta? Fazer políticas públicas de inclusão e de aceitação da… Leia mais »
Pablo Vilarnovo
Celso, engraçado que como liberal tenho uma leitura muito parecida com a sua nos dois quesitos: casamento gay e aborto. Sobre o casamento gay para mim não deveria haver nem discussão: o Estado não pode, de maneira nenhuma, definir com quem um ser humano pode ou não se relacionar. A questão de direitos garantidos na constiuição como pensões, herança e etc não devem enxergar sexo. Porém defendo que no caso de igrejas, cada uma tem o direito de definir seus preceitos. Já no caso do aborto, também compactuo com suas dúvidas. Ainda é extremamente difícil para mim chegar uma conclusão… Leia mais »
Raphael Tsavkko
Pablo, hoje, o Estado define com que você pdoe se relacionar, pois proibe o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Justo seria se permitisse. E ninguém aqui fala em forçar igrejas a casar, não se trata disso, na verdade essa é parte d propaganda que os homofóbios fazem. Mentirosa e grotesca, pois ninguém JAMAIS iria querer forçar um padre ou pastor a casar alguém. Fala-se de casameno civil que, na verdad,e é o único que importa. cAsamento religioso faz quem quer e não altera em NADA as garantias legais e civis. Sobre o aborto, somos homens, já começamos na discussão… Leia mais »
Pablo Vilarnovo
Pablo Vilarnovo
Rapahael, para deixar bem claro em momento nenhum eu quis dizer que vc falou em forçar igrejas a nada. Se dei esse entender peço desculpas. Sobre o aborto, também não discordo de você, só acho que há argumentos válidos dos dois lados. Concordo sobre os direitos das mulheres. Como liberal concordo 100% com o seu argumento do direito das mulheres decidirem o que farão com o seu corpo. Isso vale para uma cirurgia plásitca, para colocar um piercing. Mas também há de se considerar que quando há uma gravidez não é só a vida dela que deve ser considerada. Há… Leia mais »
Raphael Tsavkko
Vcê não rpecisa equacionar a questão do aborto. Só é preciso compreender uma coisa: As mulehres FARÃO aborto, seja ele legal ou ilegal. Ilegal as ricas sobrevivem e as pobres morrem. Legal, todas sobrevivem. A realidade é do aborto e isso não mudará. Quanto aos números, os dados são internacionais e também reconhecidos internacionalmente. E basta conversar com mulheres mais pobres para verificar como o aborto é comum, ou mesmo em rodinhas de elite. Só que na elite não morrem. Não conheço Mov. Social usado como forma de corrupção, mas a mera existência dos Movimentos pressupõe luta política. Uma coisa,… Leia mais »
Pablo Vilarnovo
Pablo Vilarnovo

Apesar de não ser muito simpático à tese que devemos tornar algo legal apenas porque as pessoas fazem, neste assunto em particular o que você falou faz sentido.

Sobre os movimentos sociais você está certo. A questão é realmente o aparelhamento.

Raphael Tsavkko

Também não sou o maior defensor dessa tese, em geral, mas aqui temos um caso absolutamente válido e de saúde pública.

Rodrigo
Rodrigo

Não seria melhor haver mais investimentos em saúde e educação e acabar com o voto obrigatório pra poder discutir essa questão de uma mais ampla?

Rodrigo
Rodrigo

A verdade é que a maior parte da população é contra a legalização do aborto, tanto que uma pesquisa realizada pela Folha aponta que 82% dos brasileiros são contra, tem a questão do Lobby religioso no congresso e o Brasil não tem condições para fazer isso, não seria melhor tratar como caso de saúde pública, sem ser legalizando e melhorando a saúde e a educação do país, para depois ver se legaliza ou não?

Raphael Tsavkko

Pouco importa se são contra ou não. A maior parte defende pena de morte, a maior parte, se você for pesquisar, defende linchamento de bandidos. Pra isso temos a Carta de Direitos Humanos, para basear nossas ações e buscar sempre garantir a vida e a saúde do povo. Aliás, coisa mais comum -e eu memso já ouvi – é mulheres conversando sobre a questão e dizendo que já fizeram, ou recomendaram que alguém fizesse e… pasme, serem CONTRA!

A questão é MUITO mais complexa do que se declarar contra ou a favor.

Rodrigo
Rodrigo
Algumas verdades precisam ser ditas aqui.Primeiro: Deve haver um novo código penal atualizado e menos burocrático, Segundo: O sistema eleitoral também ser revisto, pois ele é antiquado, Terceiro:O brasileiro está aos poucos percebendo a corrupção no governo, tanto que as marchas contra a corrupção vão continuar e deveriam ser feitas com mais frequência, Quarto:Quando os especialistas falaram que o Brasil terá um padrão de vida semelhante ao do europeu, eles usaram como exemplo mais próximo a Espanha, Quinto:A situação financeira do Brasil é mais sustentável que você imagina, Sexto:A comunidade internacional é favorável aos dois estados (Israel e Palestina) e… Leia mais »
Priscila
Priscila
Faz tempo que eu acho que há um movimento lento e eficiente em direção ao fundamentalismo neopentecostal no país. Para quem ainda não sabe, a bancada evangélica agora visa (no contexto da “PEC Teocrática”) INTERVIR no Conselho Federal do Psicologia e MODIFICAR nosso código de ética profissional através da transposição de crenças religiosas para a prática cotidiana do psicólogo. E o mais preocupante é: a sociedade não está informada sobre isso. Em compensação, o movimento evangélico para mudar nosso código segue firme, forte e coeso. Nosso código proíbe, no exercício da profissão, a indução de convicções políticas, religiosas (e também)… Leia mais »
Raphael Tsavkko

Eu não tenho nenhuma dúvida de que os neopentecostais avançam com conivência e oapoio governamental. Quando for tarde demais pra frear estes bandidos eu quero ver a “esquerda” chiando.

NPTO

Tsvakko, mas é pra fazer o que? Proibir os caras?

Raphael Tsavkko

Aplicar a lei. Taxar templos e igrejas, proibir incitação ao ódio, proibir que comprem espaço em TV’s (concessões públicas, logo, laicas), investigar as transações milionárias, proibir o curndeirismo que atenta contra a dignidade humana (tipo Valdomiros curando (sic) cegos, deficientes e etc)… são só algumas medidas iniciais totalmente legais e justas.

Vinícius
Desde quando isso tudo é “aplicação de lei”? Pense um pouco mais no que está falando, essa sua vibe raivosa está cegando você. A lei prescreve que igrejas são isentas de impostos, ou muda-se a lei ou a aplicação está sendo feita no momento. Investigar eu também apoio, mas não só nesse caso. “Proibir o curandeirismo” – assim, quem vai definir o que é charlatanismo e o que não é? Para mim, há tanto charlatanismo no Valdomiro quanto há em um terreiro de umbanda ou na consagração da hóstia. Essas medidas que você aponta não são todas “legais” não. Aliás,… Leia mais »
Bernardo Santos
Peraí. Independente das outras questões, acho sim que o “curandeirismo”tem que ser coibido/proibido. Veja bem: a consagração da hóstia, por exemplo. Nenhum católico clama que a “transubstanciação” é um processo físico – i.e., que a hóstia fisicamente se transforma em sangue e carne. Isso é óbvio e patente que não acontece. A coisa é interpretada num sentido metafísico (não simbólico; real, mas metafísico – pois é, vai entender, mas é assim). Ou seja, se fizermos um exame químico na hóstia pós-consagração e constatarmos que não tem uma gota de sangue ou uma fibra de carne ali, nenhum católico vai se… Leia mais »
Raphael Tsavkko
Aplicara lei (ponto) e depois retomo o raciocínio ampliando o debate. Não disse que taxar era a lei. são duas afirmações diferentes. Me diga qual o sentido em se isentar igrejas, tmeplos e afins? Qual o propósito prático de efetivamente privilegiar religião sorbe todas as demais coisas? Taxar igrejas é o mínimo. só isso já acabaria com a farra de 90% das igrejas evangélicas caça-niquel. Curandeirismo? Basta procurar vez ou outra em jornais igrejas procurando atores (há um caso concreto na do Valdomiro) para interpretar “gente curada” nos templos. Adeais, qualquer pastor que afirme curar cegueira, ressuscitar mortos, fazer deficiente… Leia mais »
Vinícius de Melo Justo
Meu caro, a raiva está no seu modo de expressão. Não é você o “angry brazilian”? 😀 É visível que há diferenças entre a consubstanciação e o curandeirismo xexelento de algumas igrejas. Mas mexer nisso é muuuito mais complexo do que parece. É o tipo de coisa que, para mim, só se combate externamente à esfera governamental (por meio de antipropaganda, mídia, etc.) ou por proxy (incentivo à educação crítica, fiscalização da renda da tchurminha – como foi feito com os dois da Renascer). Note que em meu comentário não inclui como “ilegais” eventuais ações no sentido de impedir a… Leia mais »
Raphael Tsavkko

Comprendo seu ponto de vista, mas acredito que é hora de sermos incisivos contra os teocratas ou eles tomarão conta. Do governo já tomam conta…

Daniel Rodrigues
Daniel Rodrigues

Quem define o que é charlatanismo ou não é a ciência que possibilita uma fácil verificação daquilo que o curandeiro diz ser verdade.

Curandeirismo não é apenas um ritual religioso sem maiores consequencias e resvala em questões de saúde pública. E saúde pública não se resolve com propaganda. Se resolve com a estipulação normativa do que é licito e do que não é. “Curar” cegos? Fazer paraplégico andar? “Curar” a homossexualidade? Desculpe, isso é caso de polícia sim.

wagner
wagner

Fico também perplexo com o espetáculo apresentado pelos Valdomiros curando pessoas. E mais perplexo em ver que isso não é questionado por nenhum órgão competente, nem explorado pela imprensa, nada, pensei que fosse o único a me indignar com isso, pelo menos vejo que há outros que também veem isso.
E ter governos (que esperávamos ser progressistas) de olhos fechados para isso tudo, fazerem parcerias espúrias com os representantes dessa turma, inclusive com ministérios e outros cargos públicos é óbvio que é retrocesso e me admira os malabarismos que os petistas fazem para negar esse óbvio.

Diogo
Diogo
To contigo também Ralf. Tb acho que o artigo acima é fruto de uma leitura apressadíssima do texto referido. Não é possível entender a crítica a não ser que seja apenas uma desculpa para falar de outras coisas extrapolando assim o argumento do belíssimo texto do @senshop. Se houve recuos ou avanços nos Gov. Lula e Dilma me parece que nem pela tangente entram no debate mais amplo das razões da esquerda ter se perdido no diálogo e formação recíproca com o povo brasileiro. O Tsvakko entendeu que isso é um pessimismo (não ter entrado na luta de partidos e… Leia mais »
Raphael Tsavkko
Acho que você também não entendeu meu texto. Não acho que os evangélicos crescem “só” pela TV< mas TAMBÉM pela TV (e rádios), mas especialemtne de um vazio do Estado e, claro, de um vazio da Esquerda – e também de retrocessos na organização protestante similar à CNBB durante a Ditadura e também à quase eliminação da Teologia da Libertação. Se por um aldo o texto do Senshosp coloca no colo da esquerda boa parte da culpa, eu vejo que essa "culpa" é compartilhada e muito mais profunda. Há um "gap" entre a atuação efetivado Estado e suas reais funções… Leia mais »
Rodrigo
Rodrigo

Tsavkko, lhe pergunto duas coisas.Primeiro: Qual é o problema de grupos religiosos terem direito a canais de rádio e de tv, sendo que isso tem relação com as liberdades de imprensa e de empresa? e Por Último: Por quê você critica a mídia na questão da corrupção, pois sem ela o povo não teria saído às ruas nas marchas contra a corrupção e 7 ministros não teriam caído por denuncias de corrupção?

Raphael Tsavkko

Estado é Laico e trata-se de concessões pública,s logo, laicas, onde não se pode pregar. É o mesmo raciocínio para crucifixos em tribunais. Religião não é imprensa e TV ñ deveria ser empresa e só.

Porque a mídia ñ corre atrás da corrupção própria e de seus alidos.

Rodrigo
Rodrigo

Como assim corrupção própria e aliados?, se não fosse por ela, aqueles ministros corruptos não teriam saído do governo!

Raphael Tsavkko

E graças a ela os corruptos amigos da mídia – seus donos e sua bancada – não estão presos. A mídia só denuncia quem não gosta. Aliás, a jmaior parte dos jornais tem como donos políticos corruptos.

Rodrigo
Rodrigo

Primeiro:Como assim denuncia quem não gosta?, Segundo:O povo brasileiro aos poucos está acordando para a realidade, tanto que a vai ter marcha contra corrupção este ano, Quarto:Quando você falou dos donos de jornais, o mesmo valeria para as revistas e canais de TVs? e Por último gostaria de lhe dizer que a sua posição sobre a forma como a mídia denuncia a corrupção política é a mesma em relação ao Oriente Médio, ou seja, sem fundamento pois é possível ter os dois estados (Israel e Palestina) e o Irã é uma ameaça a estabilidade local e mundial.

Rodrigo
Rodrigo
Primeiro:Desde Quando a mídia só denuncia quem é contra ela?, Segundo:Devido ao trabalo dela, os brasileiros estão acordando para a realidade e não é a toa que as marchas contra a corrupção vão continuar este ano, Terceiro: O mesmo argumento que você usou sobre os donos de jornais vale para as revistas e canais de tv? e Por Último:A forma como você vê o trabalho da mídia é o mesmo como vê o crescimento econômico do Brasil e sobre o Oriente Médio, ou seja, sem fundamento, pois o Brasil em algumas décadas será a 3ª maior economia do mundo e… Leia mais »
pedro borges
“Apesar de ser religioso” é um termo que inviabiliza qualquer diálogo. Não tenho a minha fé como um defeito, mas como algo positivo, que me alimenta e que molda a minha visão de mundo (assim como a “fé laica” molda muita gente boa e muita gente que vê a si mesma como sabida). A questão que empurra malafaias e valdomiros não é de fé, mas de ganância, de sede de poder. isso tem dentro e fora da igreja e cada bandido escolhe as suas armas. ou vai dizer que na esquerda não há pessoas sedentas de poder também? de netinho… Leia mais »
Raphael Tsavkko
Laicismo não é fé, você já começou errado. E se vocêacha sua fé positiva, bom pra você, mas não tens o direito de me impor sua fé. Nem seu modo de vida, nem seus costumes. E o que vemos é a IMPOSIÇÃO da fé cristã, dos costumes e modos. não quer ser gay? Não seja. Não quer casar? não case. Não quer abortar? Não aborte. Mas não IMPONHA sua visão aos demais e impeça-os de viver. Netinho, Stálin e cia devem ser combatidos. A diferença é que o debate com eles é político, não tem um “deus” ou uma “verdade… Leia mais »
Conrado

Devemos convidar as igrejas pra debater leis contra a homofobia tanto quanto devemos convidar criminosos pra debater reforma do código penal.
Devemos dar espaço pra igrejas nas rádios e TVs (concessões públicas) tanto quanto e em igual proporção devemos dar aos clubes de futebol.
Devemos deixar a discussão das mudanças profundas pro Congresso tanto quanto devemos cobrar que o primeiro-minist…OPS.

Conrado

Sobre o texto atacado, penso que parte da esquerda (a que está no governo) já aprendeu muito com os empresários da fé.

Aprendeu até demais.

Paulo Roberto Stockler
Paulo Roberto Stockler

Me admirei de te encontrar nesse novo espaço neocon da blogosfera, Tsavkko!!

Ah.. Vc não entendeu o texto do senshosp…

Raphael Tsavkko

O Amalgama sempre foi bastante plural e tem mais de um ano que escrevo aqui.

Sim, entendi. discordar é diferente de não entender.

Rômulo Leite Amorim
Rômulo Leite Amorim

Bom, concordo que o Estado é Laico, mas o que é o Estado, se não for as pessoas, que em sua grande parte são religiosas e levam sua religião aos locais em que estão inseridas. Concordo que as instituições e o dinheiro público não podem subsidiar interesses privados, como está sendo feito. Bom, agora dizer que a política assassina do aborto é algo positivo, é dizer que qualquer pessoa pode eliminar outra de forma legal. Se aborto contra indefesos deve ser legal, então temos que mudar o código penal e legalizar o assassinato. Aborto, aborte essa idéia.

Raphael Tsavkko

Tem razão, bom mesmo0 é deixar as mulheres morrerem, isso sim é se preocupar com o ser humano! Ciência? Pra que, né? Tem quem acredite em alma. Taí a diferença entre Estado Laico e o Estado-piada-cristão que temos. O Estado é contra o aborto porque alguns toscos acreditam (sem qualquer prova científica, que é a única coisa que deveria embasar um Estado Laico) em alma.

Daniel Rodrigues
Daniel Rodrigues
Concordo integralmente com o texto quando aponta os impropérios do governo e suas falhas bem como quando aponta a bandidagem dos religiosos e demanda que elas sejam eliminadas. Mas fracamente, não vi nada nesse texto que refutasse a tese central do texto analisado do sensoshop. Pelo o contrário: o afirma. Está bem óbvio que os evangélicos possuem um poder de adesão muito maior do que os políticos e, além disso, em que se pese toda a bandidagem inclusa no meio, são bem mais “fieis”, dedicados e incisivos à sua agenda essencial de implantar um regime teocrático do que o são… Leia mais »
Rafael
Rafael

Sempre digo isso, mas ainda vamos virar uma Arábia Saudita neopentecostal.

Manoel Andrade
Manoel Andrade

CRITICAR EVANGÉLICOS É FÁCIL, VAI CRITICAR O VATICANO, FALA AÍ DA VERBA QUE A IGREJA CATÓLICA RECEBE PELOS TEMPLOS QUE SÃO TOMBADOS PATRIMÔNIO HISTÓRICO.
CRÍTICA O CATOLICISMO PELO DINHEIRO QUE ELES PEGARAM DE TODO MUNDO ATÉ HOJE. CRÍTICA O CATOLICISMO PELOS SEUS CRIMES RELIGIOSOS, POR ESSA PRAGA CHAMADA PEDOFILIA QUE CADA VEZ MAIS PADRE PRÁTICA. O VATICANO NUNCA TEVE PENA DE NINGUÉM E AINDA AGE, HOJE DE MANEIRA MAIS SORRATEIRA MAS CONTINUA SENDO A MESMA PRAGA DE SEMPRE. E VOCÊS NÃO VÊEM ISTO NÉ ?

henrique CANINDÉ.
henrique CANINDÉ.
OH MANOEL ANDRADE, DEIXA DE DOR DE COTOVELO! ENQUANTO MANTEMOS ESSA PÔSE DE VITIMADOS por essa ou aquela “igreja”, as teorias marxistas só se confirmam: HJ algumas religiões estão se tornando o q fora dito lá atras_ A RELIGIÃO É O ÓPIO DO POVO_ O q conseguimos vislumbrar no cenário político-religioso mundial é um repeteco, a igreja católica já teve a sua junção com o estado e a história nos mostra o resultado. Agora é a vez dos protestantes repetirem o enredo e alguns acreditam q esta nova fusão desta vez vai dar certo, REZO para q a História não… Leia mais »
Tacito
Tacito

EU ACHO QUE OAS IGREJAS TEM QUE PAGAR IMPOSTO DE RENDA TAMBÉM. O MALAFAIA ESTÁ COM A MALA CHEIA PORQUE NÃO RECOLHE NADA PARA O FISCO. RECOLHE SO PARA O SEU BOLSO.

wpDiscuz