Qual é a sua história?

Não sei se a sua história é a história da sua vida. Você sabe?

Isso mesmo: a sua história. Você tem a sua história para contar? Quem se interessa pela sua história, além do seu analista? Seus filhos? Seu marido? Namorido? Seu novo namorado? Quem se interessa pela história que fala de você e que você deseja contar? A sua própria história, contada por você? Com pausas. Cortes. Silêncios. Entrecortada por reticências. Medo. Falhas da memória – armadilha do tempo. Assaltada pelo estranhamento da falta de sentido em quase tudo. Pontuada de acasos que podem fazer algum sentido. Para quem?

Isso: você vai narrar. Não vou narrar sua história pra você. Não, sinto muito. Não posso. Pode começar contando sua história na primeira pessoa. Posso te ajudar. Começa pelo teu nome. É sim, nome é muito importante. O meu é importante. O seu também é. Alguém lhe deu o seu nome – houve uma escolha… Deve ter alguma razão pra você se chamar Aparecida. Deve haver algum motivo. Alguma pista? Tente lembrar…

Bom começo: Aparecida, porque sua mãe era devota da santa e seu pai, que não ligava a mínima para religião, gostou do nome Aparecida, projetando um futuro de muito brilho pra você, com direito a já nascer com nome artístico: Cidinha Pop Star, a diva das coxas grossas… (Com uma bela voz, muito gostosa e com algum talento, ela será uma Aparecida mais aparecida do que as outras aparecidas…) Assim, foi escolhido o seu nome. “Desse jeito”, você me diz.

Daí, você não nasceu com coxas grossas nem com uma bela voz nem se tornou cantora, mas se arranjou na vida, sem brilhar nos palcos, sem virar beata, e você confessa que suas pernas são mais pra finas que pra grossas, porém, você é esguia e está na moda – pouca carne, como teu pai te chamava, carinhosamente – eu sei.

Pois bem. E o que mais? Ah você diz que tem mais para contar, mas não sabe se importa, ou se vale como história, porque você se virou como deu e a vida seguiu normal. E você me pergunta se o que me conta vale como história? Eu digo: vale. E você pensa que estou zombando de você porque sua história não tem graça alguma e nada tem de anormal – é o que você pensa. Aliás, sua história é “bem normalzinha”, você insiste. Repito: sua história vale. Isso. Vale o que vale. Para quem ela vale. Você não entende? Mais ou menos?

Então, sua vida seguiu normal… – esta é a história que você tem para contar? “Acho que sim”, você responde desconfiada. “Vale?” Digo: vale para quem ela vale. Não entende? Entende mas não gosta. Ah… Não sabe mais se quer contar a sua história… Mas se você não contar, quem vai contar?

E aí? Isso: respire. Profundamente. Ou nem tanto. Talvez baste uma respiração mais curta, aquela do cachorrinho, do yoga… Ohmmm… Respire. Como quiser ou der. O tempo muda. Sempre muda. Às vezes até troca as coisas de lugar. Depende da tempestade, sabe. Do vento que ela traz. Ou da pasmaceira, se for demais. Neste caso, o vento nem precisa ser forte. Mas acho que a vida é feita também de pasmaceiras. Algumas. Muitas. Depende. Não sei. O que você acha? Não sabe também. Difícil saber… Mas a sua vida não é sempre um mar de pasmaceira, é? Sabia que não. Nunca é feita de uma coisa só, a vida.

E a história? A sua história? Não sei se a sua história é a história da sua vida. Você sabe? Você acha que é a mesma coisa? A sua história é a história da sua vida? É isso? Você vai contar a sua história como a história da sua vida? Pode ser… Mas você ainda não sabe como contá-la? Não, não me peça isso. Não posso narrá-la. Disse isso no início, lembra? Eu disse. E você topou.

De todo modo, não sei se a história da gente é a história da vida da gente. Talvez não seja. Há o que fica pelo caminho. O que se perde ou o que se ganha nos sonhos. O que fica só na vontade… E um tanto que não fica em parte alguma. Puf! Há o que sobra e não era para sobrar. E o que não sobra, embora fosse apenas sobra. Há a parcela do que não fomos e do que poderíamos ter sido… Há um bocado de não-ser na narrativa… Isso: a narrativa que não se escreve sozinha, ainda que terceirizada. Acho que há um pouco ou bastante disso. Não sei. Eu acho sim. E você?


  • GOIA

    Legal o seu texto!!!! Mesmo que seja a história de uma vida considerada comum, nas entrelinhas ela tem detalhes/acontecimentos/percepçoes que nos individualizam e que, às vezes, nós mesmos nao valorizamos.

  • http://balaiodavivi.blogspot.com Viviane

    Muito legal o que vc disse, Goia!
    Obrigada pelo seu comentário.
    Um abraço.

  • http://mdfbf.blogspot.com Ma Ferreira

    Vivi!! saudades..

    Amei a tua crônica…muito!!
    Todos temos a nossa história…
    Eu me orgulho muito da minha… fui eu quem a escrevi.
    Não deleguei a terceiros e nem os responsabilhei pelas minhas escolhas certas ou erradas.
    Sou a melhor história que posso contar.
    E ela é perfeita, com acertos, erros, tentativas, indas e vindas recomeço…
    E tenho a certeza muito da minha história ainda esta por vir…..

    um beijinho carinhoso…

  • http://balaiodavivi.blogspot.com Viviane

    Ma Ferreira, como adoro seus comentários!
    Simplesmente adorei sua bela frase: “sou a melhor história que posso contar”.
    Obrigada por enriquecer o texto assim!
    Obrigada pelo carinho.
    Bjos.

  • Vânia Borel

    Viviane, adorei o texto! De quantas pequenas histórias (ou ciclos) é feita a nossa vida (cada um de nós), e que vai nos moldando e nos tornando o que somos (gostando ou não da história).
    É impossível ler o seu texto e não refletir sobre esse processo de colagem no grande mural – a vida já foi percorrida.
    Grande beijo.

    • http://balaiodavivi.blogspot.com Viviane

      Oi, Van!

      Que lindo o que vc disse, querida!
      Obrigada.

      Beijo.

  • http://www.cidacorreia.blogspot.com Cida Correia

    Nossa historia muitas vezes fica pelo caminho…
    E a minha tbm nao saberia conta-la com tantos detalhes/
    Em muitos momentos gostaria de conta-la,
    mas contento em saber o que eu sei. …
    Esse é um pedaço da minha historia…

    da sua…
    da nossa…

    • http://balaiodavivi.blogspot.com Viviane

      Oi, Cida!

      É um belo pedaço esse, diga-se.
      Tbm não saberia contar a minha com tantos detalhes.
      Gostei muito de ver o texto sendo reescrito por vc…

      Um abraço.

  • Mônica Maia

    Lindo texto!!!!
    Todos temos histórias de vida tão lindas…
    Deveríamos compartilhar mais…
    Amei!!!!
    Beijos

  • http://balaiodavivi.blogspot.com Viviane

    Oi, Mônica!

    Seria interessante sim, compartilhar mais as histórias…
    Obrigada pelo carinho!

    Bjo.

  • Gisele

    Cada qual é um universo, somos singulares….essa é a beleza! :)

  • http://balaiodavivi.blogspot.com Viviane

    Legal, Gisele!

    Vamos torcer pela singularidade, não é?

    Obrigada pelo comentário.

    Um abraço.

  • Eduardo

    Ao ler seu texto, automaticamente imaginei-me tendo que escrever um livro para explicar o eu do presente através da vida do eu do passado. Os acontecimentos mais marcantes, as reações, como nos moldamos com nossas atitudes (e com as nossas mudanças de atitudes). Como o eu de hoje foi construído, como explicar se “há o que se perde pelo caminho”?
    Seu texto traz muita reflexão, não por imperativos “reflita”, “avalie”, mas por um diálogo que flui. Escrito, um monólogo. Enquanto o lemos, um diálogo. Um diálogo que põe em xeque o quanto sabemos da história que nos envolve.
    Parabéns! Gostei muito e voltarei a lê-lo.

  • http://balaiodavivi.blogspot.com Viviane

    Oi, Eduardo!
    Muito legal como vc leu o texto.
    Obrigada pela gentileza de seu comentário.
    Um abraço.

----- Consulte os arquivos do Amálgama ||| Publique ||| Contato ||| Para reproduzir nossos textos -----