PESQUISA

Por que votarei em José Serra

por Amálgama

12/08/2010

por Daniel Bushatsky * Poderia dizer por que não vou votar na Dilma com um argumento singelo e sem defesa para uma candidata a presidente: sou contra quem assina documento sem ler; poderia argumentar pelo voto contrário a ela pautado em um argumento geopolítico (chique isso, não?): sou contra todos que Chávez apóia; ou mesmo […]

por Daniel Bushatsky *

-- José Serra --

Poderia dizer por que não vou votar na Dilma com um argumento singelo e sem defesa para uma candidata a presidente: sou contra quem assina documento sem ler; poderia argumentar pelo voto contrário a ela pautado em um argumento geopolítico (chique isso, não?): sou contra todos que Chávez apóia; ou mesmo poderia afirmar e o Lula desmentir: sou contra eleger para a presidência quem não possui experiência alguma em cargos eletivos.

Também poderia dizer que não vou votar na Dilma porque ela não é carismática. Mas se esta for a razão, estou ferrado. Não poderei votar em seus outros dois concorrentes diretos, também.

Mas qualquer um desses argumentos seria meia verdade!

Uma das razões por que não vou votar em Dilma é a mesma pela qual não vou votar em Marina: gosto de alternância de poder. Acho saudável diferentes pontos de vista governarem. Para mim, este é ponto fundamental da democracia.

Marina nunca terá poder. Quem tem poder é quem tem na mão a câmara dos vereadores e deputados. Ela não tem. É só ver a quantidade de minutos que ela terá no horário eleitoral da TV. Míseros 2 minutos e 21 segundos. Ela seria um fantoche no governo e somente conseguiria algum resultado abrindo enormes concessões.

Serra não! Ele tem partido e se quiser governar não adianta só ser turrão. Terá que se submeter ao PSDB e seus caciques e índios, que, por sua vez, parecem ter limites mais éticos do que os do PT. Nada de pautar a mídia, por exemplo.

Fora isso, o PSDB está fora do primeiro cargo da hierarquia executiva brasileira há 8 anos, e se tivesse sido tão ruim o governo do FHC, imagino que o Lula não teria seguido suas políticas econômicas — adotadas ainda antes das eleições de 2002, com a “Carta ao Povo Brasileiro”.

Mas não é só o gosto pela alternância de poder que me fará votar em Serra. É também sua coerência. Quase engenheiro pela USP, se não fosse o golpe militar e o exílio. Ou seja, lutou contra a ditadura. Mestre em economia pela Universidade do Chile e doutor na mesma matéria pela Cornell University, nos EUA.

Primeira coerência: sempre estudou (muito)!

Serra começou na militância estudantil, chegando a ser presidente da União Nacional dos Estudantes, em 1963. Elegeu-se duas vezes deputado federal, foi prefeito da cidade de São Paulo (tentou 3 vezes), governador do estado e ministro da saúde.

Segunda coerência: persistência política; não desiste fácil do que quer e sempre quer o topo.

Mas ainda não acabaram as coerências. Falta uma que poucos políticos podem afirmar que sabem o que é ou se realmente existe. A fidelidade partidária. Serra está no PSDB desde 1988. São 22 anos no mesmo partido!

Agora questiono: como posso não votar nele? Sei o que me espera. Pode ter suas falhas, mas jogue a primeira pedra quem não tiver.

Serra é o único candidato com chance de ganhar as eleições que tem sua história avalizada pela credibilidade. A credibilidade, por sua vez, é avalizada pela coerência.

Eu, então, posso avalizar este voto.

* Daniel Bushatsky, São Paulo-SP, é advogado e colunista do Digestivo Cultural.

—– Outros artigos da série: – Por que votarei em Plínio SampaioPor que votarei em Dilma RousseffPor que votarei em Marina Silva

Amálgama

Site de atualidade e cultura, com dezenas de colaboradores e foco em política e literatura.