Shimon Peres é Shimon Peres. Ahmadinejad é Ahmadinejad

por Daniel Lopes – Shimon Peres, presidente de Israel, está no Brasil para uma visita de cinco dias. Na montanha de referências a seu nome que saiu nos sites de jornais nas últimas horas, não notei nenhum tom crítico. Peres já discursou no Senado, já ganhou título de Cidadão Honorário de Brasília, já criticou o Irã e logo vai com seu teatro para Rio e São Paulo. Onde estão os jornalistas e comentaristas brasileiros amigos da paz mundial, que ainda há pouco babavam contra o presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad, o Demônio, e sua adiada visita ao Brasil? Algo me diz que nos próximos dias o presidente israelense será tratado com tapete vermelho nas páginas de jornais, revistas e nos noticiários da tevê. Prevejo que será como se o príncipe de Mônaco circulasse pelo território nacional. Me permito listar alguns fatos que, suspeito, não serão destaque na mídia pacifista brasileira.

Em um livro de memórias, Shimon Peres admitiu sem muito peso na consciência que Israel desviou dinheiro doado por judeus de todo o mundo, com propósitos humanitários, para o programa nuclear clandestino do país, nos anos 1950-60. Aliás, Peres é conhecido como o homem que intrduziu o armamento nuclear no Oriente Médio, ainda que não tenha sido por isso que levou pra casa o Nobel da paz.

-- Ahmadinejad e Peres em seus devidos lugares --

-- Ahmadinejad e Peres segundo o roteiro --

Em maio de 2002, Peres, então ministro do exterior, foi aos EUA fazer lobby pela invasão do Iraque. Em entrevista à CNN, disse que “Saddam Hussein é tão perigoso quanto bin Laden”, e que os Estados Unidos não deveriam esperar sentados até que ele pusesse seu arsenal nuclear para trabalhar. Era mais do que chegada a hora de derrubar o ditador barbudo.* Em setembro do mesmo ano, impaciente com os despreparados inspetores da ONU que não descobriam logo os mais que evidentes planos de Saddam para conquistar o mundo, Peres disse que, de qualquer forma, “A campanha contra Saddam Hussein é necessária. Inspeções e inspetores são bons para pessoas decentes, mas pessoas desonestas facilmente enganam as inspeções e os inspetores.” Em Fevereiro de 2003, irritou-se com a oposição francesa à guerra, e questionou a conveniência do país europeu fazer parte do Conselho de Segurança da ONU como membro permanente.**

No discurso ao senado brasileiro, Shimon Peres criticou a futura visita do presidente iraniano Ahmadinejad. Disse que não tem nada contra o povo iraniano, que suas desavenças são com o atual líder. Será? Em 1993, tão logo Clinton subiu ao poder nos EUA, Peres, então primeiro-ministro, e outros líderes de Israel começaram uma campanha para denegrir o Irã. Temiam que uma aproximação entre Washington e Teerã acabasse por deixar Israel como um parceiro não tão preferencial dos EUA, agora que a Guerra Fria acabara. Então, o que propagar? Que o Irã não passa de um Estado que gesta, exporta e patrocina terroristas, claro. Que o Irã, em suma, “é um perigo mundial”, para usar a frase original que o excelentíssimo presidente soltou no Senado.

Em 1993, o presidente iraniano era Ali Rafsanjani, um moderado, inimigo do radicalismo da “República Islmâmica” e oponente do atual presidente Ahmadinejad, para quem perdeu as eleições em 2005. Não fez diferença para Israel que Rafsanjani fosse presidente em 1993, assim como não fez quando outro moderado, Mohammad Khatami, ocupou o cargo de 1997 a 2005.

Aliás, em 2003, mal Saddam fora defenestrado do poder, Shimon Peres começou a advogar outro ataque, agora contra o Irã – sim, o Irã de Khatami, não o de Ahmadinejad. Enquanto o embaixador israelense em Washington espalhava que a queda de Saddam “não era o bastante”, Peres publicou artigo no Wall Street Journal, em junho, intitulado “We must unite to prevent an Ayatollah Nuke“. Dada a precisão da análise anterior de Peres, sobre o perigo representado por Saddam, esse artigo no WSJ só pode ser mais uma prova de que se trata realmente de um homem determinado a lutar pela paz, sempre e com todas as armas ao alcance.

Por último, tendo que encarar as duras e conhecidas verdades do recente Relatório Goldstone da ONU (sobre o mais recente show de massacre de civis palestinos por Israel, conhecido como Guerra de Gaza), Shimon Peres o classificou de “uma paródia da história” — isto é, da “história” adequada a Peres/Israel.

-- Estudantes de Oxford recepcionam Shimon Peres em novembro de 2008 --

-- Estudantes de Oxford recepcionam Shimon Peres em novembro de 2008 --

Mas não espere ler muito sobre isso nas reportagens, editoriais e colunas da imprensa brasileira. Se você quiser ver sangue de verdade, terá que esperar o próximo dia 23, quando Ahmadinejad, a besta em pessoa, pisa em solo brasileiro. Isto é, se as forças da paz não o alcançarem antes.

—–
* Essa e outras informações do post estão no imperdível The Israel lobby and US foreign policy.
** “Peres questions France permanent status on security council” – Ha’aretz, 20 de fevereiro de 2003.

  • Reinaldo

    Parabens!!
    O texto mostra parte da verdadeira face de Israel, não tenho nada contra os judeus, entretanto é importante mostrar que estes tem mais sangue nas mãos que qualquer outro povo e se acham as vitimas.

  • Herik Mourão

    Quando Peres ou qualquer israelense fica alerta contra Saddam Hussein é porque existe um grande motivo. Existe um motivo histórico de ataques de misséis Scuds em Tel-Aviv.
    Você se lembra desses ataques que Saddam realizou contra Israel nos anos 90?

    Se eu ameaçar tirar você da sua casa e esbravejar que vou te matar, você não ficaria preparado para me atacar? Você ficaraia quieto? deixaria eu atirar Scuds e katyushas no quarto de seus pais ou filhos?

    Depois de ser covardemente atacado hoje Israel é chamado de assassino, mas o pobre e xulo pensamento de esquerda sempre encontra argumentos contra os mais fortes. Acho que esse senso de justiça torta deve ser intrínseco para algumas pessoas que se alimentam em sempre ir contra Israel ou EUA.
    Isso cega a razão, os defensores dos pobres e oprimidos podem encontrar muitos defeitos na história de Israel, mas desafio a manterem suas opiniões depois de conhecerem o que é Israel e se não for pedir muito, calçar os sapatos israelenses por alguns instantes.

    Acho que você escreve pelo lado mais fácil, você argumenta de maneira pobre e não conhece o assunto, apenas se coloca como um sabichão que conhece além do Jornal Nacional. Não é preciso ser PHD em história para emitir opiniões, É preciso discernimento e se não for pedir muito, respeito ao próximo e ciência do que é certo e do que é errado..

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Concordo contigo, amigo. Israel foi um país que desocupou Gaza em 2005, e o que ganhou? Mísseis. Aturou por dois anos tudo aquilo, até que, quando enfim resolveu defender-se, acusaram-no de estar a promover uma guerra injusta.
      Será que o nosso país, o Brasil, aguentaria, por exemplo, digamos do Uruguai, um país fronteiriço, ataques com katyushas durante dois anos sem se defender?
      Acho que não!

  • Daniel

    Como assim, Herik? Saddam ainda ameaça Israel, mesmo além-túmulo? Os israelenses ainda ficam alerta contra ele? O homem era pior do que imaginávamos… Mas depois acho que você passa a falar do Ahmadinejad, ou é ainda do Saddam, não sei.

    De qualquer forma, se no meu bairro tivesse um valentão metido a pacifista e vítima, mesmo sendo o mais armado e com o maior histórico de agressões na redondeza (pouco “respeito ao próximo”, se vc preferir), explodindo quartos com filhos e pais dentro não apenas metaforicamente, eu daria duro para, pelo menos, ficar tão bem armado quanto ele. Não me surpreendo com as bravatas eleitoreiras do Ahmadinejad, o que me espanta é o Irã não ter ainda um vasto arsenal atômico, para servir de contenção. Com uma vítima como Israel por perto, ele tá brincando com fogo.

    Passar bem.

  • Michel Zveibil

    Desculpe Daniel Lopes,
    Mas o Herik tem razão.
    Se você realmente acredita que não há tanto problema no Irã do Ahma como não havia no Iraque do Saddam, sugiro que se mude para lá.
    Mas segue uma dica: evite escrever a torto e a direito em seu blog. É fácil falar qualquer coisa quando existe liberdade – como aqui e no país onde o Peres é presidente. Já por lá é um pouquinho mais complicado.
    FAIL
    abs

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Falou e disse! Se ele está assim tão simpático ao povo iraniano, “potencial vítima” dos israelenses, poderia começar mesmo por demonstrar sua solidariedade fazendo a vida em Teheran. Certamente que lá ele ia aprender a falar mais baixinho…

  • Herik Mourão

    Daniel, é assim:

    Se Peres foi pedir a cabeça de Saddam é porque já havia um histórico de ataques. Saddam já morreu e quando Peres pediu sua cabeça, como você mesmo disse, o Saddam ainda estava vivo.
    Não sei que parte lhe causou tanta confusão.

    Agora acho interessante o Daniel julgar o Nobel da Paz que soube que haviam tempos de guerra e lutou para que houvessem tempos de paz. Mas essa parte da história você parece não conhecer e eu só queria saber por que?

    E na sua visão Israel é má e maltrata palestinos por prazer, como playboys que queimam indios? O mundo é injusto porque Israel tem um exército forte e os palestinos vivem presos com pedras?
    E o Ahmadinejad é um cara do bem e super legal para o mundo. Ele é um pacifista nato. Ele merecia reverências por ai até porque ele está alertando o mundo de um engano cometido na história em que os judeus tirarem proveito.
    E você está fazendo a sua parte e alertando todos contra Israel, mesmo porque vc é o sabichão das questões do oriente médio.

    Desculpas se em algum momento te deixei chateado ou deixei um comentário que não gostaria de receber, mas não é bom ver uma questão tão complexa ser polarizada e simplificada dessa maneira.

  • Daniel

    Herik,

    Peres pediu a cabeça de Saddam em 2003 dizendo que ele tinha ligações com a al-Qaeda e que tinha armas de destruição em massa — você sabe, aquela conversa pra ninar bovino. Não havia uma coisa nem outra, como constatou o Congresso daquele país de antissemitas, os EUA. Agora, você pode reescrever a história do jeito que achar mais conveniente, dizer que Peres pediu a cabeça de Saddam porque ele atacava Israel, etc.

    Me causou confusão apenas o tempo de seus verbos — quando “qualquer israelense FICA alerta contra Saddam” é “porque EXISTE um grande motivo” etc. Por isso achei que você pudesse estar se referindo ao Ahmadinejad, mas não me leve a mal, entendo que é uma confusão que mtos fazem.

    Sim, há guerras para a paz (não há?), que são, claro, aquelas que “nós” vencemos.

    Sim, o mundo é injusto porque Israel tem um exército forte e os palestinos vivem presos com pedras (entre muros, na verdade). Obrigado pela compreensão. Assim como você, inúmeros e corajosos judeus israelenses já reconheceram esse fato (“self-hating jews”, evidentemente). Mas o mundo não é injusto só por isso, se serve de consolo.

    Não, o Ahmadinejad não é um pacifista nato, apenas não teve ainda chance de seu aproximar dos êxitos de qualquer líder atual de Israel. Interessante, não? Quando se arrola os crimes de guerra de Israel, se está “polarizando” a questão. Quando se sonha com os ataques de outros países contra Israel, e se defende e faz guerra antes que isso aconteça, se está sendo “sensato”, hã? Sei.

    Chateado? Você não quer que eu responda teus comentários? Se você circular por este blog, verá que está repleto de comentários e respostas. Mas, se quiser ter a última palavra, vá lá, pode ser.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Crimes de guerra de Israel? Pode até ser, contanto que se recoheça que, para defender-se dos katyushas, teve que atacar o Hamas. Onde o Hamas estava? Escondido atrás de escolas, de creches, de hospitais, de mesquitas, em áreas residenciais. Como atacá-lo, no intuito de autodefender-se, sem correr também o risco de acabar por cometer eventuais ataques à população de Gaza? Esta população foi usada pelo Hamas como escudo, para que depois europeus e pessoas do continente americano, sentadas em seus sofás almofadados, vissem tudo pela televisão e dissessem: “Tadinha daquela gente!” Como se Israel, caso não resolvesse atacar, não fosse se tornar uma vítima ainda pior, caso o Hamas conseguisse mais mísseis.
      Esse é apenas um exemplo possível. Desde a Independência de Israel, em 1948, o país declara seu desejo de “estender a mão a todos os povos do Médio Oriente”, porém até hoje, apenas uma minoria das nações daquela região aceitou um aperto de mão, começando pelo Egipto, seguido da Jordânia, depois da Mauritânia também. No mais das vezes, houve foi agressão. É natural que um país se defenda, não importa se guerreando ou se iniciando as guerras, caso sinta-se ameaçado.

  • Herik Mourão

    Daniel,

    Não é bem assim. Mas já que você deu a oportunidade para eu finalizar essa discussão, eu aproveito o espaço para colocar minhas crenças.

    – Peres é Nobel da Paz merecidamente, estude o que ele e Rabin fizeram e perceba que pessoas com razão não o reverenciam à toa. Ahmadinejad seria um bobo da corte se não fossem seus desejos armamentistas e sua vontade pública de eliminar Israel do mapa.
    Para conhecer o humor iraniano: http://www.youtube.com/watch?v=U-sC26wpUGQ

    Uma referência ao conceito de moderado no Irã. Os moderados que você se referiu são moderados em relação ao Corão, mas todos partilham da mesmo ódio contra Israel.

    Agradeço a possibilidade de ter opiniões divergentes, mas o que Ahmadinejad pensa sobre blogs?

    Acho que todo blogueiro deveria ser contra quem é a favor da censura.

    E para finalizar, vamos concordar e fumar um cachimbo da paz:

    – A história de Peres é muito diferente da história de Ahmadinejad
    – Shimon Peres é Shimon Peres e Ahmadinejad é Ahmadinejad

    E acredito que vc também prefira o o humor judaico

  • Michel Zveibil

    Daniel, sou eu de novo
    Não precisa ser um ”self-hating jews” para reconhecer que o exército de Israel é mais forte do que qualquer grupo terrorista (Não me refiro aos palestinos em geral, pois generalizar como você fez no seu texto, além de pobre como figura de linguagem, é o pior preconceito). Não há nenhum problema nisso, afinal Israel é um país soberano, e todo país soberano não pode abrir mão de ter um exército forte. Mais forte que de seus inimigos.
    Mas, entendo a raiz do seu pensamento: talvez você não enxergue Israel como uma nação. Quem mais pensa assim? O próprio Ahma, como você bem sabe.
    Só gostaria de voltar em um ponto:
    Nunca lí expressão mais isota do que ”self-hating jews”. Acho que esse auto-ódio cabe melhor para pessoas que se explodem.
    Abs

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Verdade. Há uma senhora de origem cristã-síria, ela é americana, e não tem religião, autodeclara-se “um ser humano laico”. Agora, não me lembro seu nome, mas trata-se de uma grande mulher psicóloga. Ela disse uma vez: “os judeus foram massacrados, mas mesmo assim conseguiram se reerguer. Grande parte do progresso da ciência nos séculos XIX e XX deve-se ao trabalho de cientistas judeus, que apostaram no estudo e na educação para se afirmar no mundo. Nunca se viu um único judeu explodir-se num restaurante alemão, nunca se viu um budista explodir uma igreja… o único povo que usa desses métodos, hoje, são os muçulmanos. Acho que os muçulmanos devem repensar o seu papel, e não perguntar o que o mundo pode fazer por eles, e sim o que eles podem fazer pelo mundo, como fizeram, e grandemente, durante a Idade Média, quando o resto da humanidade afundava-se na ignorância e nas trevas”.

  • Daniel

    Concordo, Michel. Acho “arab-hating jew” uma expressão muito mais utilizável, dadas as circunstâncias. Apenas é importante deixar claro que a alcunha “self-hating jew”, para colar nos judeus conscientes e opositores do terrorismo israelense, é empregada por defensores do mesmo. Idiotismo, claro. Coisa de gente fã de bombas e outras pirotecnias dos departamentos de defesa.

    Abs.

  • Taisir Fattash

    este besta chamado shimon peres,e um assasino sanguinario,cometeu matança na palestina,e um monstro ,as mãos dele manchadas de sangue de innoscentes em kana no libano e sangue de crianças palestinas em gaza e na cis-jordania..e um velho mattador,que se existisse justiça,este velho maluco assasino deveria ta agora preso na sede da ploicia federal em brasilia junto com os monstros assasinos e nao recebendo o titulo de cidadão brasiliense,,este titulo vai ficar uma mancha de vergonha na testa do povo brasileiro..

  • Michel Zveibil

    Daniel,
    Dou meu braço a torcer: não conhecia a expressão “self-hating jew”. Fui verificar. Ela surgiu na Europa, no século XIX e era pejorativamente usada para descrever os judeus ultra-hortodóxos, que eram contra o Sionismo, por acreditar que o retorno à terra santa só poderia acontecer após a construçnao do 3º templo (2º foi destruído pelos romanos há quase 2 mil anos). Não tem nada a ver com apoiar ou não as posições de Israel.
    Só para constar, mais da metade da população de Israel é árabe. Muitos judeus, muitos não. Todos pagam seus impostos e tem direito a voto, cadeiras no parlamento e todos os benefícios civís. Os árabes judeus, inclusive, servem o exército.
    Por isso, acredito que você precipitou na generalização do “arab-hating jew”. Mas estou começando a me acostumar com esse seu jeito de generalizar, Daniel. Afinal, quando você olha bem de longe, tudo parece uma grande massa única.
    Não perca a calma ainda. Estou gostando da discussão.
    Abs

  • Daniel

    Pff! Essa crença sua de que faz alguém perder a calma é engraçada, hihi.

    Er… Sim, Wikipedia: “Self-hating Jew is a pejorative term used to allege that a Jewish person holds antisemitic beliefs”.

    Não precisa circular muito pela imprensa pró ou crítica a Israel para saber com que intenções o termo anda sendo usado, digamos, nas últimas décadas.

    Rahm Emanuel, assessor de Obama, não concorda inteiramente com o terrorismo israelense, portanto… é um sef-hating jew (http://www.haaretz.com/hasen/spages/1104187.html)

    Jeffrey Goldberg não rouba terras palestinas (vc sabe, essas inutilidades demarcadas pela ONU), e critica os assentamentos ilegais (vc sabe, essa lei internacional atissemita), portanto só pode ser um self-hating jew (http://jeffreygoldberg.theatlantic.com/archives/2009/07/self-hating_jews_and_other_sad.php)

    Eric Alterman disse que o nascimento do Estado de Israel foi uma catástrofe para os palestinos? Self-hating jew, claro (http://www.thenation.com/doc/20050328/alterman)

    Bruce Jackson diz que praticamente qualquer judeu à esquerda de Ariel Sharon, o assassino de luxo, é logo classificado de self-hating jew (http://www.counterpunch.org/jackson04182003.html)

    No mais, vale a pena uma lida nos textos do semanário judaico Forward que tratam de uma forma ou de outra do “self-hating jew”: http://www.forward.com/search/?query=%2522self-hating+jew%2522&x=0&y=0

    Não vou encerrar esse breve comentário dizendo “não fique com raiva” ou qualquer gracinha do tipo. Você é um sujeito adulto, tenho certeza, e não tem mto tempo a perder. Apenas, se me permite, gostaria de finalizar com meu espanto diante de alguém que se pretende tão conhecedor das coisas do Oriente Médio (alguém que está “tão próximo”) e nunca tinha ouvido falar no termo “self-hating jew” — para o qual o Google retorna 10 milhões e 200 mil links. Então, eu tenho muita coisa pra aprender, e você também, então segue meu último link: http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&source=hp&q=self-hating+jew&btnG=Pesquisa+Google&meta=&aq=0&oq=

    Abs.

  • Michel Zveibil

    Daniel,
    Desculpe perguntar, mas tem certeza que você leu direito as matérias que me linkou? Em todas os autores se sentiram ofendidos ao serem chamados “self-hating jew” – Assim como eu.
    Não disse que apoio todas as ações militares de Israel. Se você pesquisar no mesmo google vai descobrir que muitos soldados israelenses também não (e lá eles podem falar – que ótimo) concordam. Ninguém em pleno gozo de suas faculdades mentais gosta de atirar outra pessoa. Espero que você concorde comigo ou para minha própria segurança encerrarei meus comentários.
    Sugiro que pare de usar a expressão “self-hating jew” da mesma maneira preconceituosa que tem sido usada nas últimas décadas. Primeiro, porque discordar das decisões de seu estado é sinônimo de democracia e não de auto-flagelo.
    Segundo porque o preconceito é o primeiro refugio dos que fogem da discussão franca.
    Sobre o tempo que tenho a perder, realmente ele é curto (mais do que você imagina). Mas para essa discussão, eu me desdobro. Espero que você se sinta honrado que eu o passe com você.
    Abs

  • Pingback: michelkz()

  • diego

    nada como ter uma bandeira com estrela e algumas listras!

    Já basta!

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Ah, se pudesse ter sido a minha bandeira também… amo a Magen David, pena que não me aceitaram para a conversão, lá no Bom Retiro… Como dizia Jorge Luis Borges: “Siempre lamentaré no ser judío”…

      • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

        “pena que não me aceitaram para a conversão, lá no Bom Retiro”
        ROTFLOLMAO

        Cara essa thread degringolou de vez!

  • http://tsavkko.blogspot.com Raphael Tsavkko

    Shimon Peres é genocida. Ponto pacífico. Ahmadinejad adoraria sê-lo, nenhuma dúvida qt a isso, mas cada um é cada um, isso é óbvio.

    Ir contra Ahmadinejad não significa defender os Nazi-Sionistas Israelenses.

    Israel é um câncer. Se alimentou da morte de milhões de judeus, causadas pelos acordos entre os Sionistas – notadamente Ben Gurion – e Hitler.

    Os Nazistas eram os melhores amigos dos Sionistas e, hoje, estes últimos usam as táticas dos primeiros para eliminara população Palestina.

    tsavkko.blogspot.com

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Isso é claro, é muito fácil de dizer. Minha avós saiu da Polònia em 1946, pois, depois de toda a família ter sido levada pela Gestapo não se sabe para onde, os próprios polacos começaram a atacar os judeus que sobraram… Sarah Podlaska Lowinger.
      Eles, os judeus, têm direito a um país. Não massacraram ninguém – a população palestina mais que quadruplicou nos últimos 70 anos. Na época, dos 9 milhões de judeus que tinha, a Europa perdeu 6 milhões. Não sei muito defender com palavras o povo de Israel, mas senito que é injusto atacá-lo, mesmo que seja com essas idéias malucas bem elaboradas do nosso colega aí de cima… É facil mistificar o sionismo como uma forma de sociedade secreta, de confraria diabólica, se nazi… Mas, a verdade é que o sionismo é apenas a resposta judaica ao nacionalismo europeu do seculo XIX, ou seja, o desejo dos judeus de terem um país soberano, uma pátria que os defendesse caso precisasse, e que era um desejo antigo, se materializou, virou um movimento político. Será que é tão errado assim um povo buscar preservar-se?

      • http://tsavkko.blogspot.com Raphael Garcia

        Deixa eu ver se entendi. O fato de milhões de judeus terem sido mortos por Hitler – com apoio dos Sionistas, que fique claro – significa que eles tem automático direito a expulsar e matar por mais de 60 anos o povo Palestino?

        Os Judeus sofreram e por isso tem total legitimidade para praticar, eles mesmos, um genocídio contra outro povo?

        Não tem nada de errado em um povo buscar preservar-se, assim o faz os Palestinos contra os sionistas assassinos.

  • worm

    Invasão de outro país [Palestina], manutenção de campo de concentração [Gaza] e práticas sistemáticas de pogrons contra população civil. Quem é que merece a braçadeira de nazista?

  • Herik Mourão

    Essa é uma das primeiras vezes que entro numa discussão na Internet e estava achando interessante o desafio de idéias e as argumentações com o Daniel.
    Mesmo em alguns momentos provocando um pouco o lado pessoal, sem perder a elegância, eu, Daniel e Michel(meu amigo pessoal) estavamos tendo uma bela discussão.
    Fiquei feliz com meu ultimo post e dou meu braço a torcer ao Daniel, que não apagou nenhuma vírgula do que fora escrito.

    Eu fico preocupado com opiniões de quem realmente acredita numa aliança sionista / nazista. Eu concordo que nem pretendo responder ou prolongar uma discussão desse tipo, pois é absurdo. Pode fazer sentido na cabeça de uma ameba, mas de um ser pensante isso é improssível.

    Sobre self hating jew ou qualquer nome. Pode me chamar do que for, mas eu prego uma coisa e espero o mesmo de todos, que é discernimento.
    Quando falo em polarização ou analisar a história de uma maneira etnocentrica, eu falo de um flagelo do mundo, que cega e nos distancia da razão.

    Eu não acho certo tudo o que Israel fez ou faz e não estou aqui para julgar. Também acredito na dor do povo palestino e eu um estado digno para os palestinos é questão fundamental para a paz.
    Não ter discernimento é uma armadilha que faz pessoas de bem aceitarem a existência de Ahmadinejad.

    Infelizmente, eu não sinto a paz próxima, principalmente quando vejo esse tipo de visões de mundo que estão nesses comentários.

    Enquanto isso, nós debatemos e lá os palestinos ficam cercados e os israelenses com medo de um ataque suicida.

    Como eu desejo um mundo melhor, com mais paz e menos ignorância, vou finalizar minha participação aqui com os melhores votos de Shalom e Salam.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Shalom amigo. Sei que nem ouvirás minha voz, e que nunca chegaremos a nos conhecer, nem eu chegarei a saber a tua história de vida e nem tu jamais conhecerás a minha. Não tenho mais fé naquele sonho que eu tinha quando saí de casa, em 15 de julho de 2005, de que um dia estaria em Tel Aviv, a Colina da Primavera… é só sonhos, chalomot. Mas gostei dos teus comentários aqui, só isso que eu queria dizer. Os seres humanos não são animais, é triste que haja quem se comporte como tal, que não use bem o discernimento de que é provido.
      Shalom.

      • Vinicius

        PS: Somos animais… isso é ponto pacífico.

  • CLOVIS COSTA FARIAS

    ISRAEL E UMA NAÇAO DEMOCRATICA E ORDEIRA, PRECISAMOS APRENDER COM ESSA NAÇAO . ISRAEL E O RELOGIO DE DEUS ESCATOLOGICAMENTE FALANDO DOS ULTIMOS DIAS.

  • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

    Leitura essencial para qualquer discussão séria sobre o Oriente Médio: The ethnic cleansing of Palestine de Ilan Pape, que com certeza deve ser mais um self-hating jew.
    Quanto ao Irã, eu apenas gostaria que alguém me citasse 1 (UM) ato de agressão ou terrorismo praticado pelo Irã, ou por xiitas.
    Ah sim, ataques em território Iraquiano contra as forças de ocupação, bem como ações do Hezbollah contra a ocupação israelense não contam como terrorismo, mais do que as da Resistência Francesa na II Guerra contra a ocupação alemã de então.
    No mais, ao que se saiba a matriz do radicalismo islâmico contemporâneo, não vem do Irã e não é xiita. Ela é sunita wahabista da Arábia Saudita. Essa é a matriz da Al Qaeda, e dos caras do 11/09, todos sunitas, e a maioria saudita. Também são sunitas os pashtun paquistaneses e afegãos, os Talibans. Esse fundamentalismo sunita wahabista foi incentivado, alimentado, e treinado por Washington e aliados quando da Guerra Fria. Não consta que ninguém esteja propondo bombardear a Casa de Saud.
    A ameaça nuclear real que o radicalismo islâmico pode vir a representar não vem do Irã, mas do Paquistão, que já tem armas nucleares, e está à beira de uma guerra civil, e onde os talibans contam com apoio de dentro do estado paquistanês. Também não consta que ninguém esteja propondo passar o rodo no Paquistão.
    Aliás, se tem uma coisa que já ficou clara é que os EUA não atacam países que tem WMDs, os EUA atacam países que fingem ter WMDs. Se eu fosse iraniano estaria rezando a Alá pros técnicos completarem logo as ogivas.
    Por sinal, ainda mais depois do pré-sal, se eu fosse o da Silva já teria perguntado a uns poucos sabios “quanto tempo precisamos para ter algumas warheads, entre a quebra dos tratados necessários e a chegada dos marines?”

  • Ana

    Libertar a Palestina é fundamental prá quem esta querendo respeito….Ahmadinejad wellcome to Brazil!

  • Pingback: Shimon Peres: a cara de Israel | ESTADO ANARQUISTA()

  • fred.k

    Ah, o velho fla-flu que tomou a política nacional também invade as discussões sobre relações internacionais….
    Sim, Shimon Peres tem sangue nas mãos. Sim, Ahmadinejad também tem sangue nas mãos.
    Não, não há liberdade de imprensa no Irã, assim como não há toda essa liberdade de imprensa que se apregoa em Israel, ainda que haja espaço para oposição e eventuais denúncias de abusos em relação aos palestinos. Há árabes morando em Jerusalém, mas vá lá ver qual a representação política e de imprensa que eles tem. Isso para não falar nas leis de terra israelenses que claramente beneficiam a aquisição de terras por parte de judeus, até como uma forma de aumentar a população judia em relação à população árabe.
    Por outro lado, esse papo de “nazistas judeus” é outras bobagens e são apenas isso, bobagens. Cometem e cometeram abusos, ocuparam uma terra que não era um Estado, mas que era sim anteriormente ocupada, mas não dá pra comparar em nenhuma medida uma coisa com a outra.
    Assim como também não dá pra eximir os judeus pelo Estado um tanto policialesco que criaram apenas usando como argumento que foram durante uns bons 2 milênios o que havia de mais podre a achincalhado na face da terra. Essa coisa de ficar voltando até os primórdios da história pra justificar o presente não cola, e serve pra qualquer um dos lados.
    Bom, o debate aqui vai bem, espero que não descambe para a habitual pancadaria dos Fla-Flus…

  • Bosco

    Clovis Costa Farias;

    Não vai ser gritando da porta da tua igreja que ouviremos suas tolices. Rs.

  • Bosco

    Um belo e corajoso texto Daniel.

  • Michel Zveibil

    Desculpe Daniel e demais pessoas sérias,
    Essa discussnao descambou para a anarquia e o preconceito gratuito. Não comentarei mais.
    Abs

  • http://tsavkko.blogspot.com Raphael Tsavkko

    Realmente, Michel, melhor a organização Israelense! Lá eles organizam os Palestinos em fila e fuzilam! Estado GENOCIDA!

  • Gaius Baltar

    Gato Pré-cambriano,

    Realmente, você abordou um ponto realmente interessante. O Irã não tem qualquer histórico de agressão aos seus vizinhos. Pelo contrário, tem um histórico de agressões estrangeiras bem extenso.
    Além disso, o Irã é uma grande nação cercada por vários países detentores de armas nucluares.
    Basta olhar o mapa e constatar os vizinhos iranianos que as possuem: Rússia, Índia, Paquistão, China e o próprio Estado de Israel. Nenhum desses países é propriamente simpático à pátria dos xiitas. Nesse quadro, qualquer analista de segurança iraniano ficaria com os cabelos em pé com esta situação. Qualquer estrategistas minimamente inteligente, que trabalhasse no Irã, proporia aos seus seus superiores um programa nuclear.
    Outro fato relevante que você ressalta muito bem é que o terrorismo islâmico é quase todo ele de corte sunita wahabista, cujo grande patrocinador é a Arábia Saudita. Realmente, os EUA treinaram e armaram os guerrilheiros mujahedin, com a colaboração de um conhecido milionário saudita fanático: Osama bin Laden e de um médico (mais para louco) extremista egípcio: Aiman Al Zawahiri. Quem tiver interesse, que leia o ótimo O Vulto das Torres, de Lawrence Wright, ou assista ao filme mais light “O Jogo do Poder”, de Mike Nichols.
    Por outro lado, como bem lembrou o fred.k, não se trata aqui de um fla-flu ou uma luta do bem contra o mal.
    Se vale lembrar que Peres não é nenhum santo e que a política de Israel para com os palestinos é, no mínimo, opressora, não é possível cair no outro extremo e esquecer que Ahmadinejad é um protoditador fanfarrão, que patrocinou a fraude eleitoral recente em país. Negar o holocausto é algo hediondo e que não pode ser tolerado entre pessoas civilizadas.

    Abs

  • Daniel

    Aproveitar o comentário do Gaius para desfazer um mal-entendido que pode ter surgido com os comentários: não defendo o Ahmadinejad. O post foi apenas para lembrar o histórico ainda pior de Shimon Peres, que poderia estar sendo lembrado na mídia, como foi e ainda será o do presidente iraniano, com razão em alguns casos e exagero em outros; e para mostrar que, para Israel, não faz muita diferença quem esteja no poder no Irã (ou na Palestina, ou no Líbano).

    Um comentarista lembrou acima que moderados como o ex-presidente iraniano Mohammad Khatami não são lá tão moderados assim. Bem, eu poderia comparar o seu histórico com o dos “moderados” israelenses, como o próprio Peres. Mas o Google e os sites de jornais, revistas e notícias (pra não falar em extensa biblioteca) estão aí pra quem quiser pesquisar.

    Abs.

  • http://escrevinhamentos.blogspot.com/ Victor Barone

    Excelente reflexão Daniel. Escrevi sobre o tema recentemente nos artigos “Quem vaia Ahmadinejad aplaudiria Lieberman?” (7 de Maio de 2009) – http://tinyurl.com/yaq83fl – e “Liberman vem aí… em que ele se difere de Ahmadinejad?” (15 de Maio de 2009) – http://tinyurl.com/ya3dyyn

  • http://palestinapt.blogspot.com/ Pedro de Azevedo Peres

    Caro Daniel,

    O seu artigo é muito interessante e instrutivo, por isso vou republicá-lo no meu blog – apenas porque temo que o link passe ao lado e o seu trabalho merece ser lido – informando da autoria e com link para quem queira saber mais.

    Não comento os “comentários” dos ilustres defensores do Eratz Yisrael, porque são apenas drones da propaganda nacional-sionista. Os argumentos são velhos e gastos e nalguns casos falaciosos.

    Mas chamo à atenção dos seus leitores para que existem cada vez mais organizações judaicas, quer em Israel quer no exterior a pugnar pela paz reconhecendo a injustiça que se perpetua contra o povo da Palestina, como por exemplo:
    Gush Shalom (O Bloco da Paz): http://zope.gush-shalom.org/home/en;
    Peace Now: http://www.peacenow.org.il/site/en/homepage.asp?pi=25;
    J Street: http://www.jstreet.org/;
    Jewish Voices for Peace (Judeus europeus por uma paz justa, (EJJP), é uma federação de grupos judaicos de diferentes países europeus: http://www.ejjp.org/aboutejjp/our-members.html.

    Há até um grupo de rabis, e de crentes e de não crentes que faz um dia de jejum por Gaza ( ver http://palestinapt.blogspot.com/2009/07/rabinos-jejuam-em-solidariedade-com.html ). O próximo Ta’anit Tzedek o 5.º será a 19 de Novembro (http://www.fastforgaza.net/ ). Podem aderir se quiserem.

  • http://tsavkko.blogspot.com Raphael Tsavkko

    Já que estamos falando de Sionismo, Nazismo e Genocídio que, enfim, são a mesma coisa, vale a pena a leitura:

    Sionismo e Nazismo: A legitimação do Genocídio http://bit.ly/2ghxrU e http://bit.ly/4BtIEF

    O mundo só estará seguro quando Israel for riscada do mapa e os Palestinos tiverem seu estado de direito.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Sim, que com certeza será uma bela de uma repupliqueta islãmica à la Taleban!

  • worm

    “Negar o holocausto é algo hediondo e que não pode ser tolerado entre pessoas civilizadas.”
    Ninguém é obrigado a acreditar em nada [redundância]. Viva a democracia, a liberdade de expressão e a internet, que nos permite o livre acesso a informação.

  • fred.k

    Negar o holocausto é mais ou menos como negar que a terra é redonda.
    De qualquer forma, Ahmadinejad é, no fundo, apenas um fantoche da gerontocracia religiosa que gere o Irã e que criou uma fantasma de democracia naquele País.
    Ainda que tenha entrado em uma espécie de disputa com essa gerontocracia, ele só se manteve no poder devido à benção dessa. Ahmadinejad não é o autocrata que alguns gostam de pintar, pois simplesmente não tem toda essa liberdade de decisão que alguns falam. Muito pelo contrário, ele responde a superiores, assim como todos os outros que presidiram o Irã.
    Sinceramente, esse papo nuclear é só geopolítica. E ainda que consiga, não é o Ahmadinejad que vai ter o dedo no botão. Muito mais medo deveriamos ter de uma Coreia do Norte Nuclear, um país completamente fechado e sobre o qual pouco sabemos sobre tomada de decisões -ou sobre quem as toma. O Irã é uma país autoritário, ams sobre o qual há certa previsibilidade administrativa.
    E só pra finalizar o texto, vale lembrar que os iranianos não são árabes nojentos terroristas suicidas -como pensam alguns-: eles são persas, o que faz toda a diferença.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Sim, isso é verdade, os persas não são árabes, muito pelo contrário, quando estes últimos ainda faziam guerras em desertos poeirentos, os persas já tinham uma civilização de milênios. Pena que hoje seus peixes grandes sejam tão poderosos, a ponto de barrarem a livre espressão do espírito livre que sempre moldou a mentalidade persa; historicamente falando, sempre saiu da Pérsia coisas muito admiráveis, e houve persas muito tolerantes e cultivados. Omar Khayyám, Saadi, Hafiz, Farough Farrokhzad etc.
      verdade também que o Ahmedinejad apenas representa a opinião de figuras mais importantes, que estão por trás da tomada de decisões. Porém, creio que sempre é assim, o governante sempre representa a classe dominante em seu período histórico. António de oliveira Salazar, o infame diotador português, por exemplo, era apenas um fantoche nas mãos de apenas 6 famílias dominantes na economia de Portugal, e hoje, seus presidentes, apesar de presidirem uma democracia, representam também os interesses do grupo dominante dentro da sociedade portuguesa atual Cito Portugal, mas qualquer país seria válido.
      Mas erraste, amigo, ao dizer que Ahmadinejad, por não ser ele quem iria “apertar o botão” seria por isso menos culpado. “Ah, eu estava apenas a cumprir ordens” foi a desculpa mais usada pelos nazistas para se defenderem durante os julgamentos de Nurembergue. Não nos esqueçamos! Aquelas top models que desfilam nas passarelas com peles, estão também apenas a trabalhar, e representam as mulheres que desejam peles de animais, é verdade, mas também é verdade que, não é à toa que estão lá, a desfilar sorridentes, e que se pudessem, seriam as proprietárias daqueles casacos de pele.

  • Gaius Baltar

    worm, é claro que “Ninguém é obrigado a acreditar em nada [redundância]. Viva a democracia, a liberdade de expressão e a internet, que nos permite o livre acesso a informação”.
    Se uma pessoa quer acreditar que a Lua é queijo, acho ótimo que ela seja livre para isso, mas eu também sou livre para considerá-la uma idiota romântica.
    Isso é só uma caricatura, é evidente, mas a questão dos limites à liberdade da expressão de crenças é delicada. Na alemanha, negar o holocausto é crime. No Brasil também é crime propagar ideais racistas.
    A questão é: será que a democracia pode tolerar a livre pregação de sua própria destruição?

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Jamais. Auto-defesa é aquilo que permite que povos, indivíduos, instituições, crenças e tudo mais que gere o empreendimento da vida seja algo que dure.

  • Daniel

    Pedro, obrigado. Pode republicar o post citando a fonte, sem problema :-)

    Abs.

  • Pingback: uberVU - social comments()

  • carlos anselmo-fort-ce

    salve, daniel,

    só pra sua informação e dos comentaristas: o post de jeff nygaard – a ameaça iraniana? onde? – no http://www.counterpunch.org, replicado no viomundo do azenha, esclarece mais ainda o assunto em questão.

    abçs

  • worm

    “Se uma pessoa quer acreditar que a Lua é queijo, acho ótimo que ela seja livre para isso, mas eu também sou livre para considerá-la uma idiota romântica.”
    Exatamente o que penso. [;)]
    “Na alemanha, negar o holocausto é crime” Mas lá, questionar o fato não é proibido.
    “No Brasil também é crime propagar ideais racistas.” Uma coisa é racismo, outra é o questionamento de um fato histórico. Acho o fato de os nazi-sionistas transformarem o “holocausto” num “tabu”, uma tremenda tolice. Quem não deve, não teme.
    Pax.

  • Jehad Ali Shargawi

    Na verdade os Arabes e os Judeus sao praticamente o mesmo povo, sempre tiveram os mesmos costumes e vivenciaram no passado o mesmo cotidiano, de repetente, buum, se odeiam!!! Mas o que houve para que isso acontecesse? Na verdade pouco sabemos da verdade, se Israel queria ter seu Estado de direito nas terras palestinas é porque ali viveram durante milhares de anos, assim como os arabes, meu pai nasceu em Haifa quando era palestina, eles nao se odiavam naquela epoca, ele mesmo ia as sinagogas e vice versa os judeus, o que nao foi bem acertado e foi desvantajoso para o povo palestino foi a forma como foi implantado o Estado de Israel por pessoas que haviam saido da 2a guerra (mesmo sendo descendentes de Judeus) e que nao ” vivenciavam” a realidade da região e ja chegaram dando porrada e jogando as pessoas para fora, ai até voce iria gritar, nao acha? A questao maior ali naquela regiao passa pelo petróleo, só isso, $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

  • Hadassah

    Bom, resumindo: os palestinos foram expulsos da Jordania, onde nao os aceitam mais de volta por la nem em nenhum outro pais muculmano. O unico pais q os aceitou foi Israel, q nem muculmano eh. Mas o Hamas, Al fatah e outros grupos terroristas palestinos nao deixam q os civis sejam cuidados por Israel, por isso abrem guerra contra nos, enviando diariamente foguetes para ca. Entao, Israel contra-ataca, como aconteceu em Jan/09 , e qdo soldados do Hamas se utilizaram de civis como escudos humanos e hospitais e escolas como esconderijos militares, colocando em risco vidas civis. O Hamas sim sao barbaros.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Concordo totalmente. Usar populações civis como escudo humano é que é o verdadeiro crime de guerra, depois, é claro, de atacar outras populações! Sderot, Ashkelon, e outras cidades foram vítimas de terror, stress, medo, sentimento de impotência… Israel tinha mesmo que defender seus cidadões, e acho que se acabou ferindo a população de Gaza, foi mais é por culpa do Hamas que por vontade própria.

  • Hadassah

    Vcs ja leram as news de hj? “AHmadinejad mata 3 pessoas contra as eleicoes”
    Carta aberta ao presidente do Irã.

    Tenho a certeza de que será uma das piores viagens oficiais de sua vida.
    Vai encontrar aqui um país de maioria cristã, coisa que abomina. Vai ter que se encontrar com políticos e empresários que usam gravatas, acessório proibido pelo código de vestimentas (lei no Irã) porque na visão xiita a gravata simboliza uma cruz em torno do pescoço dos homens. E verá mais de 5 cores de ternos, outra coisa também proibida no Irã.
    Espero que passe por nossas praias e não fique olhando para o chão do carro, pois precisa se confrontar com a liberdade ocidental de expor o corpo humano vivo e não os cadáveres. Precisará se controlar para não dar uma olhadinha em nossas beldades desnudas não só nas praias, mas com vestidinhos de Geisy por todos os cantos. Imagine o que é isso para alguém que defende a burka? É o próprio Faya, o Inferno muçulmano.
    Mas seja bem vindo aqui Ahmadinejad. Espero que se encontre com o presidente Lula em seu gabinete, veja a Bíblia sobre a mesa, veja a mezuza na porta ao lado na sala da Clara Ant. E pense muito bem no que fazer: apertar a mão de uma judia comunista de rosto descoberto e tornozelos de fora? Que dilema teológico…
    Mas seja bem vindo Ahmadinejad. Depois de se esquivar da Clara Ant, que como assessora pode até ser posta de lado, mas aí resta o Marco Aurélio Garcia, que deixa a Clara no ponto mais a direita da esquerda com sua mente sovietizada e cubanizada. Ih Ahamdinejad: você acabou com os comunistas no Irã. O que vai dizer aos nossos aqui (alguns deles o defendem hein…), a maioria, muito mais neo-liberal que de esquerda, mas não tem saída: neo-liberalismo também não é sua praia. E depois de se esquivar de um, sempre virá outro: uma grande lista de judeus e esquerdistas de fato no poder. Não são brinquedinhos buchechudos como na Venezuela. Aqui a esquerda é de raiz!
    Mas seja bem vindo Ahmadinejad. Venha ver um país de 190 milhões de pessoas de todas as origens e religiões que não se matam e não disputam o poder para matar as outras, se é que isso faz algum sentido para você. Pergunte como se faz uma eleição sem fraude.
    Tem umas coisas aqui que você precisava conhecer para ampliar seus horizontes mas não vai rolar. Não vai ao Corcovado. Não vai ao Pão de Açúcar, não vai dar uma volta no Saara no Rio ou na 25 de Março em São Paulo. Não vai ter uma almoço fechado no Porcão, até porque você, como muçulmano, come kosher também. Aliás, se quiser levar um salame antes voltar, passe aqui na Bolivar 45. Dá até para parar o carro na baia de descarga e tomar um café: eu pago! Aproveite para ver o que nossos vizinhos cristãos iraquianos pensam de você. Posso até marcar com uns amigos bahais. É! Tem bahais no Brasil também, religião que os xiitas escorraçaram da Pérsia e depois do Irã, tendo que se refugiar em Haifa, ainda no domínio Otomano. Ih, esqueci: tem turco para caramba aqui no Brasil. Tem libanês cristão para todos os lados. Mais libaneses e descendentes de libaneses que no próprio Líbano.
    Aqui é um lugar interessante para você conhecer, pena que vai ficar acossado entre a mídia e a política e não verá nosso povo.
    Pessoalmente não tenho nada contra você. Não fico nem um pouco impressionado com mais um líder muçulmano dizendo que vai varrer Israel do mapa. Pode tentar. Em 1948 quando eram fortes e os judeus fracos, não conseguiram. Depois Nasser tinha o seu discurso. Depois Sadat tinha o seu discurso. Depois Shuqueiri e Arafat tinham o seu discurso. Depois Assad (pai) tinha seu discurso. Depois Saddam, seu inimigo mortal tinha o seu discurso. Você é professor. A história lhe interessa. Olhe para trás e veja onde estão e o que conseguiram. Pelo menos podia ser original em seu discurso.
    Nem seus arroubos de negação do Holcausto a cada vez que o petróleo está baixo me incomodam. Você é o presidente, mas não é o poder. Você não me preocupa e nem sei o quanto dos coisas que faz ou diz são realmente suas ou você é apenas o porta voz da junta teológica que domina os persas.
    Não é aqui no Brasil que alguém vai te lembrar que é dirigente do único país xiita entre outros 53 países sunitas e que maios ou menos 1 bilhão de muçulmanos não vão com a sua cara enquanto só uns 13 milhões de judeus tem algo contra você. Isso não vão te dizer aqui. Não vão dizer que o Irã tem relações diplomáticas com menos países islâmicos que Israel. E ninguém vai chegar até você numa entrevista e perguntar: ‘Presidente, para que essa bobagem de dizer que Israel tem que ser varrido do mapa? Seu obejtivo não é triunfar onde seus antepassados xiitas fracassaram e retomar Meca? Abrir Meca para os persas e varrer o domínio árabe sobre o Islã no Golfo?’ Não é essa a agenda verdadeira iraniana verdadeira? Vcs também seguem Sun Tzu não seguem? Faça o inimigo achar que vc está longe quando está perto…
    Sei que você pode jogar a Bomba sobre Israel pois são apenas judeus, cristãos, bahais e sunitas por lá. Todos infiéis na visão. Mas você acredita que Israel tem 300 Bombas. Um monte de gente acredita. É blefe? É real? Mas a família real saudita não tem nenhuma né? Será que alguém ataca você se a Bomba cair em Ryad e não em Jerusalém? Pessoalmente, acho que não. Mas se eu fosse você ficaria com o pé atrás e mandava investigar a fundo todo mundo que está em seu programa nuclear. Você acreditaria se eu disse que algum dos cientistas paquistaneses pode ser um agente taliban da Al Qaeda, sua inimiga mortal, pronto para fazer um ataque suicida nuclear em suas instalações? Vocês são persas. São inteligentes. Sabem quem são seus reais inimigos. Sabem que sempre foram os árabes, os sunitas e agora os talibans. Depois de 10 anos de guerra com os sunitas iraquianos seus aiatolás quase atacaram o Afeganistão sob domínio taliban por 3 vezes. Só não fizeram porque foram um pouco mais espertos e deixaram os ocidentais se ferrarem por lá, como os soviéticos, sem conseguir resolver nada.
    Mas seja bem vindo. Venha e ouça o que precisa ouvir! Venha e ouça o que precisa ser dito. Vai ser insuportável para você. Assine um contrato para uma área do pré-sal pois seu petróleo está acabando e você sabe disso melhor que ninguém.
    E tenha uma certeza caro presidente: Israel não vai construir o segundo Yad Vashem, o segundo Museu do Holocausto. Mas se o Irã realmente enveredar pelo caminho da chantagem atômica, vocês poderão acabar tendo que construir o seu primeiro museu….
    JR

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Puxa, a primeira pessoa aqui no Brasil que ainda lembra do cheique Shuqeiri! Meus parabéns!

  • http://baudohmourao.wordpress.com Herik Mourão

    Hadassah,

    Posso colocar essa sua carta aberta no meu blog? Gostei demais, é sua mesmo?

  • Fernando César

    Bem, vamos aos fatos: 1948, palavras do secretário da liga árabe:” Esta guerra será uma guerra de aniquilação e da história do abate serão contadas como as campanhas dos mongóis e os cruzados.”
    Palavras do Mufti, Haj Amin al Husseini(tio de Arafat): ” Estou declarando uma guerra santa. Meus irmãos muçulmanos! O abate dos judeus! Mate-os todos!”
    Devemos lembrar que em 1937 foram os árabes e não judeus, que rejeitaram o acordo proposto pela Comissão Peele, que deu aos judeus apenas 17% da Cisjordânia. Em 1947, foram os árabes que rejeitaram a proposta da ONU para a divisão. A expulsão de 650.000 palestinos é a contrapartida de 700.000 judeus expulsos dos países árabes e forçados a emigrar para escaparem da morte, chacinas e massacres.Para a criação do Paquistão, 7 milhões de muçulmanos foram remanejados dentro do território indiano.
    Resumindo. A questão é que os árabes não aceitam um país não-islâmico na região. Ainda mais nos moldes ocidentais.E assim, nada mais prático do que usar dos palestinos para fustigar Israel.
    Com relação a desproporcionalidade da reação israelense: A Rússia usou da “proporcionalidade” quando invadiu a Ossétia do Sul(anexando-a) e a Geórgia(minúsculo país)? Claro que não!
    Não sou o dono da verdade. Mas também não sou hipócrita.

    ps: Antes de receber ofensas…sou descendente de palestinos e libaneses.

  • Daniel

    Ephraim Katzir (1916-2009), terrorista israelense e futuro presidente do país, para Ben-Gurion, sobre as armas biológicas que os sionistas desenvolviam no nascimento de seu Estado, para usar contra os árabes nativos: “Nós a testamos em animais. Nossos pesquisadores estavam com máscaras de gás e vestimentas adequadas. Bons resultados. Os animais não morreram (apenas ficaram cegos). Podemos produzir 20 quilos por dia desse material”.

    O próprio Ben-Gurion (1886-1973), outro notório organizador de ações terroristas, a propósito de um “revide”: “Há agora a necessidade de uma reação forte e brutal. Precisamos ser precisos quanto ao tempo, lugar e quanto àqueles que atingimos. Se acusamos uma família, temos que atingí-la sem piedade, mulheres e crianças incluídas. De outra forma, não será uma reação efetiva. Durante a operação não há necessidade de distinção entre culpados e não-culpados.”

    Dov Weissglas, porta-voz de Arien Sharon, em 2005, sobre os “planos de paz” de Israel: “O significado do plano de retirada [de Gaza] é o congelamento do processo de paz. E quando você congela aquele processo, você evita a criação de um estado palestino, e evita a discussão sobre os refugiados, as fronteiras e Jerusalém. Efetivamente, todo esse pacote chamado estado palestino, com tudo o que ele requer, foi indefinidamente removido de nossa agenda.”

    Mais, aqui: http://www.amalgama.blog.br/12/2008/a-transferencia-compulsoria-palestina/

    E acabou de sair na NY Review of Books um ótimo artigo de David Shulman, “Israel Without Illusions: What Goldstone Got Right” – http://blogs.nybooks.com/post/247398486/israel-without-illusions-what-goldstone-got-right

  • Fernando César

    Só um bobo acredita nas boas intenções do iraniano com relação aos palestinos. Para começar, não temos nada em comum, mesmo na religião, somos sunitas(maioria) e eles, xiitas.Não são semitas. A cultura é diferente(não existe , como muitos pensam, uma cultura muçulmana), a língua é diferente e são menos homogêneos(+ de 40% não são persas) que os palestinos. Ambicioso, quer marcar presença na região, como líder hegemônico do mundo islâmico…rivalizar com a Turquia(único país de população islâmica com governo secular e democrático na região) e provocar Israel..Não passa de um fanfarrão, um demagogo perigoso. Tem ambições no Iraque.Faz a cabeça dos chefes tribais das facções xiitas iraquianos. Os curdos não confiam nele. Nem turcos, sauditas, jordanianos e egipcios. Só os sírios e o seu braço armado no Líbano(Hezbolah). Enquanto isso, a Palestina fica como boi de piranha e o meu querido Líbano servindo de albergue para um bando de alienados a soldo de ditadores e fanáticos religiosos.Infelizmente, ainda tem incautos, que nunca botaram o pé no Oriente Médio, escrevendo sandices, alimentando discórdias e destilando preconceitos. Deveriam emigrar para um dessas teocracias e de lá postar suas bobagens.Tenho certeza que em pouco tempo ficariam manetas, na melhor das hipóteses.
    Quanto a visita do cidadão…será mais um com o seu blá blá blá.

  • Fernando César

    O Mufti(tio de Arafat), quando foi prestar contas do massacre de judeus palestinos e beijar a mão do Fuhrer, mal sabia que os muçulmanos(incluindo ele) já estavam “agendados” como os novos hóspedes dos campos de concentração e provavelmente, combustível dos fornos crematórios. Esqueceu-se de que era semita e que o seu líder, Hitler, não era confiável. Basta lembrar o pacto que fez com Stálin.

  • Daniel

    Argumento chulo, Fernando. Só então quem já “pôs os pés” em locais onde ocorreram ou ocorrem atrocidades é que pode falar a respeito? Imagino que todos aqueles que amaldiçoam o nazismo hoje, não apenas já puseram o pé na Alemanha, como efetivamente entraram na máquina do tempo do senhor H. G. Wells para conferir as sandices in loco. Da mesma forma, só quem esteve na África do Sul do apartheid está apto a criticar o regime. Ou apenas quem viveu o calor dos acontecimentos em Ruanda pode abrir a boca. Bobagem.

    E depois, o que falar daqueles que presenciaram e presenciam a barbárie israelense ao vivo e a cores, e abrem a boca? Robert Fisk, Ilan Pappe, David Grossman, Christopher Hitchens, Uri Avnery, René Backmann, Gideon Levy, Richard Goldstone, David Shulman, Eric Alterman…?

    Já sei, já sei… São todo fãs do tio do Arafat.

  • Fernando César

    Daniel,
    Todos esquerdistas, como vc. Cadê a opinião dos que contestam os argumentos dos senhores citados? Não vale? Já sei, comunista só aceita opinião quando são favoráveis.A crítica é livre. Demonizar alguns e santificar outros é justo? Honesto ?
    Botar os” pés,” meu jovem, é ter vivenciado os fatos e interpretá-los com imparcialidade, não se contagiando pelo politicamente correto.E tem mais, chulo é o seu cinismo. Naquela região ninguem é santo. A barbarie corre solta: Iraque, Irã, Afeganistão, Paquistão e por ai vai em centenas de aldeias. Ou vc acha que degolar oponentes, apedrejar mulheres e outras crueldades não são barbarie? Explodir onibus com crianças não é uma barbarie ? Usar crianças como escudo para impressionar o mundo, não é barbarie? Esmagar a cabeça de uma criança judia, não é barbarie? É muito comodo ficar de longe julgando e condenando aqueles que não nos são simpáticos. Ah, me esqueci que vcs relativizam aquilo que interessa. O que não… tome a objetividade!Concluindo, sendo vc um “importante intelectual”, catedrático em história universal e especialista nas idiosincrasias dos povos do oriente médio,, indico-lhe, humildemente , os seguintes inexpressivos senhores: David Horowtz, Alan Dershowtz, Peter Novick, Daniel Goldhagen, Omer Bartov e Ben Dror Yemini.
    ps: Também presenciei barbaries, de perto. Bem pertinho!
    Passe bem, F.C. K.M.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Só faltou citar Pilar Raholla, da Catalunha, uma das mentes mais lúcidas da actual esquerda européia.

  • Daniel

    Ah, então o problema é o diabo do comunismo. Chulíssimo. Vale a opinião dos que são contrários, sim. Aí a gente compara as duas versões com relatórios de ONGs comunistas, como a Anistia Internacional, e organizações sediadas em países do Segundo Mundo, como a ONU. A gente pega o Relatório Goldstone e vê o que faz com os seus autores de cabeceira. (A propósito, um livro que expõe a farsa dos argumentos do Dershowitz, linha por linha, com requintes de crueldade: Beyond Chutzpah: On the misuse of anti-semitism and the abuse of history.

    Qual o número de mortos de civis que você quer comprarar? Os mortos por Israel e os mortos pelo Hamas durante o massacre de Gaza do início do ano? Durante a Guerra do Líbano de 1982? Durante a “Guerra de Independência” israelense?

    Sobre escudos humanos. Israel acha a prática tão deplorável (que miséria, ser forçado a bombardear civis protegidos por bandeira branca…), que seu Ministério da Defesa recorreu de uma decisão da Suprema Corte proibindo o uso de palestinos como escudo humano pelas suas Forças de Defesa. Não que essa decisão tenha impedido tal exército de usar uma criança como escudo humano ainda este ano. Pra não falar que o lançamento de dardos e bombas de fósforo branco é uma tática bastante eficiente para romper o escudo (humano ou não) do inimigo — e não para aterrorizar civis, como dizem as ONGs comunistas.

    Estejamos bem.

  • Hadassah

    Caso estejam abertos a ouvirem: vou dar um exemplo de como a midia so mostra um lado da historia… eu poderia contar o lado de Israel. Eu poderia por exemplo, contar q Israel nunca atiraria em criancas e mulheres civis palestinas por diversao. Gostaria de contar q na ultima operacao q tivemos (dez/09-jan/09), Israel pediu dezenas de vezes q o Hamas (um dos grupos terroristas palestinos) parasse de atacar Israel (sim, ate hoje Israel recebe foguetes vindos de Gaza DIARIAMENTE – isso nao sai na midia), eles nao pararam. Israel soltou flyers aos milhares em Gaza, avisando aos civis q teria q contra-atacar, ja q o Hamas nao parou. O Hamas se utilizou e ainda se utiliza de escudos humanos em Gaza, como se utilizar de escolas e hospitais como esconderijo militar. E ai, como fica a situacao de Israel? Q ataca civis sem culpa, ne? Estou disposta a contar o q sai na midia do Oriente Medio e o q acontece de verdade aqui dentro.
    E realmente, quem ja esteve com o “pe” num pesadelo, sabe muito bem o q eh isso. Como por exemplo meus 4 avos q passaram e sofreram o Holocausto na Alemanha e Polonia pelo simples motivo de terem nascidos judeus. Um dos meus avos tinha o numero de Auschwitz gravado no braco. Eu ja estive visitando os campos da Polonia… quero q alguem faca esses comentarios criminosos depois q conhecer esse horror de perto (e olha q eu nao possei por isso eu mesma…).
    Enfim, conhecimentos gerais nunca sao demais.
    PAZ.
    PAZ.

  • http://baudohmourao.wordpress.com Herik Mourão

    Para o Daniel,

    Um fato que eu é que em todos os comentarios o Daniel ataca Israel. Eu queria entender o que o motiva?

    Daniel perdeu algum parente para o exército israelense ou Daniel é um amante do povo e cultura árabe-palestina?

    Outra coisa, Daniel, você é um cara interessado no assunto, posso pedir para você escrever aqui nos comentários algumas coisas boas que Israel já fez?

    Daniel, faça um exercício mental e responda pelo menos 3 coisas sérias que você adimira em Israel. E se não for pedir muito, coloque também crimes que foram cometidos por Hamas, Herzbolah e Síria.

  • Daniel

    Herik, imagino você fazendo esse mesmo pedido em posts favoráveis a Israel (“cite pelo menos 20 vezes em que Israel sabotou o processo de paz”).

    Este post foi sobre por que a mídia trata o presidente iraniano como uma ameaça para o universo e tratou com tapete vermelho o presidente israelense, sem mencionar seu papel, por exemplo, de garota de torcida e mentiroso exemplar durante a preparação para a Guerra do Iraque.

    Você quer um post sobre a submissão da mulher no islã? Veja aqui mesmo no Amálgama, com ótimos comentários dos leitores: http://www.amalgama.blog.br/08/2009/atire-a-primeira-pedra-quem-apoia-a-burca/ (Pode ficar tranquilo, que o autor não posa de imparcial, dizendo “Mas o judaísmo também é misógino!” etc. etc.)

    Uma coisa boa de Israel: democracia. Mas democracia não é tudo, democracias também cometem crimes, mentem e posam de vítima, da mesma forma que ditaduras como Cuba. Crimes do Hamas? Há aos montes descritos no Relatório Goldstone. Você já leu? Encontrará muitas páginas destilando antissemitismo, mas essas você pode ir pulando – http://www2.ohchr.org/english/bodies/hrcouncil/specialsession/9/docs/UNFFMGC_Report.pdf

    E fique frio, que eu também nunca fui lá muito fã da cultura tutsi de Ruanda, embora tenha me sensibilizado o bastante com seu genocídio para abrir espaço no Amálgama para o texto de um padre sobre as etnias: http://www.amalgama.blog.br/09/2008/tutsis-e-hutus/ (Desculpem os links de auto-propaganda, estou apenas aproveitando a grande quantidade de novos leitores nesta página para direcioná-los a outros posts do blog. Grato.)

  • fred.k

    Com certeza, Israel deve se arrepender até a morte -literalmente?- por ter fomentado o Hamas na década de 1980 como forma de enfraquecer a secular OLP.
    Bom, também não pode os julgar Israel por não ter previsto que o muro irira cair e que a divisão do mundo em duas ideologias iria ruir, dando lugar a diversas outras formas de sociabilidade, principalmente religiosa.
    Entendo o ponto do Daniel. Ele questiona o porquê de se usar dois pesos e duas medidas para falar das ações de Israel e Palestina.
    Por outro lado, penso que aqueles que tomam partido inconsequente de algum desses dois lados acabam frustrando a única saída para o conflito, que vem da união dos moderados de ambos os lados. E eles existem, inclusive com uma entidade que une israelenses e palestinos.

  • http://baudohmourao.wordpress.com Herik Mourão

    Você não conseguiu responder e isso já dá uma noção de quem é você. Você não é parcial.

    Erros de Israel… Eu tenho certeza que houveram muitos.
    O muro inclusive é um deles, pois muros não servem de bases para a paz, nunca simpatizei muito com o Likud.

    Mas antes de postar o que eu gostaria, eu gostaria de um mundo com paz e para isso acontecer é preciso que TODOS tenhamos uma postura diferente.

    Outra coisa que eu percebi é que você realmente não gosta, nada vai fazer você olhar para Israel que não seja com olhares de raiva. O que deve ser muito ruim para uma pessoa que tem um nome que tem origem do Hebraico.

    Só não coloque sua cabeça no travesseiro achando que está prestando um serviço à humanidade com seus posts “esclarecedores”, pois você e sua raiva são muito mais da guerra do que da paz.

    • Vinicius

      Hm… só pra esclarecer, “você não é parcial” = “você não é imparcial”?
      E só pra constar, não percebi a raiva em posts do Daniel, mas sim nesse seu comentário sobre “cabeça no travesseiro…”. Pena, pq tava vindo bem até aqui.

  • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

    Herik e demais

    Nem você, nem ninguém tampouco, foi capaz de apresentar 1 (um) ato de agressão ou terrorismo partindo do Irã, contra quem quer que seja. Nada foi apresentado, além da retórica demagógica do Sr. Ahmedinejah, que justifique a continuada e sistemática vilificação do Irã, que vem desde 1979 (muito antes do advento de Ahmedinejah, portanto), e muito menos um possível ataque “preventivo”.
    Decerto niguém aqui é fã do tipo de regime do Irã, mas convenhamos que pais nenhum pauta suas relações internacionais por esse tipo de coisa. Ou não mais, pelo menos. E mesmo se fosse esse o caso, então tem uma fila de países e regimes aí, dignos de entrar para um Index, e o Irã não está no início da fila não viu?
    Quanto á Israel, não se tratam de uns errinhos aqui e ali não. Se trata da espoliação continua e sistemática de um povo (palestino) inteiro, através de uma verdadeira campanha de limpeza étnica. Mas essa é outra discussão.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      O Irã ainda não agrediu porque simplesmente ainda não teve chance. A julgar pelas palavras de seus líderes, imagina o que pode vir? saddam também só falava, antes de atirar bombas sobre Haifa e Tel Aviv, que na época tinham já milhões de pessoas. Ele expôes ao perigo de morte a vida de milhões de pessoas, nessas cidades de israel durante a 1ª Guerra do Golfo, MAS ANTES ELE APENAS ESBRAVEJOU, igualzinho faz hoje o Ahmadinejad.

      • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

        Não. Antes disso, ele ATACOU justamente o Irã, parte por interesse próprio, parte a soldo dos EUA. Depois achou que tinha carta branca para invadir o Kwait.
        O Irã não tem histórico de agressão contra ninguém.

        • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

          A não ser, é claro, o caso da AMIA, e, dentro de seu próprio território, contra seu próprio povo, é claro. Expulsão de baháis, tortura de pessoas durante a Revolução Islâmica, exílio de opositores políticos, repressão e assassinato de manifestantes agora em 2009, depois da “vitória” de Ahmadinejad nesta última eleição, assassinato de jornalistas, confiscamento do Prêmio Nobel da Paz da senhora Shirin Ebadi, apedrjamento de homossexuais e de mulheres adúlteras… se isso tudo não conta como agressão, então o que é que conta?

        • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

          Hakine aquele-que-quer-ser-judeu-mas-que-os-judeus-não-topam

          Primeiro, ninguém jamais assumiu a autoria do ataque à AMIA, nem a investigação produziu qualquer resultado. E diferente de você, eu sou a favor do Estado de Direito para todos, não só para os amigos, logo, in dubio pro reu.
          Segundo, ninguém está dizendo que o regime no Irã é a oitava maravilha do mundo, contudo me parece que ele está longe de ser singular nesse aspecto. Você também está propondo bombardear a Arabia Saudita? Porque foram e são eles quem financiaram e financiam o terrorismo islamico a la Al-Qaeda. Dos 19 do 11/09 15 eram sauditas. E do ponto de vista da repressão a minorias e liberdades individuais, os sauditas ainda ganham disparado. Sem falar nos turcos, paquistaneses, etc.
          Terceiro, o que conta como agressão? Atacar, invadir e ocupar ilegalmente território alheio, como Israel é useiro e vezeiro em fazer, ignorando solenemente sucessivas resoluções das Nações Unidas. É como os EUA fazem desde sempre. O que se está apontando são a hipocrisia e os dois pesos e duas medidas, que EUA e Israel aplicam, no caso, ao Irã.
          Além do fato de que já está mais que demonstrado que rufar tambores de guerra e fazer ameaças é absolutamente contraproducente. Supondo-se que o que se quer seja paz e estabilidade na região. Não acho que seja esse o interesse de Israel.

        • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

          “Supondo-se que o que se quer seja paz e estabilidade na região. Não acho que seja esse o interesse de Israel.”
          Se Israel quer ou não, isso não cabe a mim responder. Creio que num país classificado por um de seus principais intelectuais da atualidade (Amós Oz) como “por sobre um voulcão prestes a explodir a todo instante”, onde todos os dias seus cidadãos são ameaçados por todos os lados, principalmente antes da construção de uma cerca-mouro que os isola, obrigando-os a viver como bois num pasto fechado… bem, é no mínimo de se desejar a paz, sim senhor. Caso teus vizinhos te ameaçassem de morte, jogando granadas em teu quintal, penso que o mínimo que ias desejar seria a paz…
          E, que eu saiba, nenhum presidente de Israel até hoje declarou que país X ou país Y deva ser varrido do mapa. A “Declaração de Independência” de Israel, datada de 14 de maio de 1948 propõe um estendimento da mão a todos os povos e nações do Médio Oriente. Algo muito diferente do que faz hoje esse senhor Mahmoud. Mas é claro, ele não passa de um fantochezinho nas mãos de peixes muito maiores que si, que é que decidem realmente as coisas em seu país, como aliás o são, em certa medida, todos os outros chefes de Estado deste planeta. Porém, creio que seja o representante de uma classe de pessoas que no mínimo deseja atenção. Algo como ratinhos chiando no meio dos gatos, muito embora esses ratinhos possam vir a ter poderes de leões. Têm simplesmente inveja do poderio de defesa que atualmente Israel possui, o que é algo perfeitamente compreensível. Depois que o xá Pahlevi (o gato) foi deposto, os ratinhos estão a fazer a festa…

  • Hadassah

    Para quem questiona o Holocausto: tenho 4 avos q passaram por ghettos, campos de concentracao e/ou exterminio. Um dos meus avos possuia o numero de Auschwitz no braco. Fora isso eu estive ja em campos na Polonia e Alemanha, mesmo apos 65 anos eh horrivel entrar nesses lugares (muitos ainda inteiros e inclusive com as camaras de gas e fornos crematorios em funcionamento) e sentir ainda os horrores la cometidos.
    Sobre alguem q perguntou sobre um ataque q o Ira tenha feito, entao vamos la: alem desse homem matar pessoas do proprio povo dentro do proprio pais o tempo inteiro, cito um dos maiores atentados q esse pais genocida cometeu: o atentado ao predio da AMIA, em Buenos Aires, em 1994.
    Mais perguntas? Estou super disposta a responder. Na PAZ.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Muito bem lembrado sobre o prédio da AMIA. Até hoje ONGs e alguns setores da política oficial argentina pedem uma explicação sobre a participação de cidadãos iranianos neste ato onde seres humanos foram mortos cruelmente, e igualmente cruel e fria é a atitude oficial iraniana de nem se lixar para esse crime, como se os judeus não fossem gente!

  • Hadassah

    Sobre a “limpeza etnica” q o “Gato” ai em cima cita. Nunca Israel fez ou faria uma coisa desse tipo. Eu vivo em Israel e aqui pessoas de todas as religioes, credos e cores sao aceitos como cidadaos. Inclusive os muculmanos possuem os mesmos direitos q os judeus, com menos deveres. Quer vida mais “melzinho na chupeta” q essa? Aqui se vive, trabalha e estuda em paz, muculmanos e judeus.
    Quem esta arrasando com o povo palestino sao os grupos terroristas palestinos, como o Hamas em Gaza. La, eles nao deixam Israel se aproximar em paz para ajudar com comida e remedios, coisas q enviam por avioes, de cima. La, o Hamas nao deixas os palestinos se mudarem para Israel, onde eles sao recebidos e quem consegue, passa a viver uma vida digna. Infelizmente quem faz a limpeza sao os proprios grupos palestinos terroristas. Mande mais questoes e perguntas e eu respondo com a realidade daqui – o q nao eh mostrado ai na midia!

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Tenho inveja de ti, por viveres em Israel. Israel, Tel Aviv, são meus chalomot de todos os dias, e continuarão a ser pelo resto da minha vida…

  • Daniel

    Hadassah, Ilan Pappe, quando pesquisou arquivos e escreveu “A limpeza étnica da Palestina”, também estava em Israel. Não sei se no mesmo bairro teu, mas por aí. Ah, mas ok, já disseram que é apenas um esquerdista, então a opinião não vale. Ben-Gurion planejou e levou a cabo a limpeza étnica palestina sim, apenas usou o termo “transferência compulsória” (tsc, tsc).

    A vida dos árabes israelenses é mel na chupeta, sem dúvida, ainda mais porque a maioria dos judeus israelenses concorda com Netanyahu, que eles representam uma “ameaça demográfica” [http://www.haaretz.com/hasen/pages/ShArt.jhtml?itemNo=380223&contrassID=2&subContrassID=1&sbSubContrassID=0&listSrc=Y]

    Aliás, se o tratamento exemplar dos israelenses para com os arábes já começa muito bem em Gaza e na Cisjordânia, como em solo israelense seria diferente, não é verdade?

    Mas deixa eu me aproveitar (uma vezinha só, juro) de sua estadia no Oriente Próximo e sua disposição para responder prontamente questões espinhosas. Vai uma de múltipla escolha, pra facilitar:

    Questão: Por que os soldados Israelenses invadiram no início do ano o zoológico de Gaza e fuzilaram animais? [http://www.youtube.com/watch?v=ZNHejoWT8lI]

    a) Porque os animais na verdade eram terroristas do Hamas disfarçados
    b) Porque havia sob o zoológico uma base terrorista que produzia armas nucleares, e com ligação direta com o Irã
    c) Porque alguns dos animais do zoo eram descendentes diretos do autor dos “Protocolos dos sábios de Sião”
    d) Porque alguns animais poderiam ser usados como animais-bomba, então que país não tem o direito de defender a si mesmo?
    e) Porque o zoo está em Gaza, mas a Bíblia diz que Gaza é de Israel, bem como a “Judéia-Samária”, e nos territórios de Israel os israelenses matam quem e o que lhes der na telha

  • http://baudohmourao.wordpress.com Herik Mourão

    Daniel,

    Você ainda não me respondeu, mas tudo bem.

    Percebi que você é um cara que crê nas suas fontes de informação, mas você tem uma facilidade em acreditar na pureza e bondade dos seus e na maldade e vilania de Israel. Será que você está tão certo e seu ódio não está lhe cegando? Será que não tem nada na sua história de vida pessoal que esteja alterando o seu juízo?

    Eu não duvido que tenham havido erros na conduta de Israel. Seja dos soldados ou seja dos governantes, mas você acha que com um video vai trazer a verdade ao mundo. Você não acha que está contribuindo muito mais para a guerra do que para a Paz?

    Você realmente acha que Israel é o culpado de todas as desgraças dos Palestinos, que hoje teriam um estado que seria uma Suiça no Oriente Médio.

    Desculpas se você(Daniel) ou alguém acredita no plano secreto dos judeus dominarem o mundo, mas isso é a coisa mais absurda para uma pessoa acreditar.

    São essas as verdades absolutas, que você(Daniel) na magnitude da sua existência vai alertar o mundo do perigo dos judeus e de Israel????

    Será que no youtube não existem outros usuários com videos que falem de propostas de paz feitas por Israel ou será que não existem videos de atentados terroristas contra civis? Quem sabe podem existir algum material sobre algum caso de palestinos que forjaram imagens fortes para usar a mídia contra Israel.

  • Pingback: Blog do Atheneu » Blog Archive » Shimon Peres é Shimon Peres. Ahmadinejad é Ahmadinejad()

  • José Faria e Lima

    Esse Hadassah vive aonde? Em Marte? Nem o haaretz é surrealista assim…
    Só pode ser um fake trollando uma discussão séria…

  • Hadassah

    Nao sei o q leva a vcs, brasileiros, crer com tanta forca em alguns fatos (nao confirmados, so inflados pela midia) e em outros, nao.
    Filmes do youtube tb posso enviar aos montes. Mas vcs terao q prometer q vao assistir bonitinho e acreditar.
    Se Israel desejasse a tal da “limpeza etnica”, ja o teria feito ha anos, tendo em vista que o exercito israelense eh muito forte e certeiro. Mas… como o exercito so age em contra-ataques e/ou defensa, essa tal da “limpeza etnica” nao foi (e nem sera) realizada – interessante, nao?
    Anyway, ainda me ofereco a enviar fotos e videos a quem quiser, do dia-a-dia aqui em Israel, onde mostro a convivencia entre muculmanos e judeus. Ja Gaza e Cisjordania, como vc sabe, ja nao sao mais territorios israelenses, entao que os proprios palestinos tomem conta deles mesmos. Enquanto eram territorios israelenses (isto eh, judaicos), seus cidadaos tinham os mesmos direitos de qualquer outro cidadao israelense. A partir do momento q seus moradores nao sao mais parte de Israel… eles nao tem mais os mesmos direitos. MAS, os muculmanos (inclusive os palestinos) q SIM moram dentro do territorio israelense, possuem o conforto q qqr outro israelense possui. Q o Hamas trate seus palestinos de boa forma – DUVIDO!!!
    Com relacao ao zoo… esses filmes palestinos sao FORJADOS e tudo isso ja apareceu inclusiva na TV muculmana em Israel. Mais uma vez… venham pra ca e confiram. Pq acreditar em tudo o q a midia coloca por ai e omite… eh dose! Bom domingo pra vcs!

  • Pingback: Irã, ameaça mundial?()

  • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

    Hadassah

    “Sobre alguem q perguntou sobre um ataque q o Ira tenha feito, entao vamos la: alem desse homem matar pessoas do proprio povo dentro do proprio pais o tempo inteiro, cito um dos maiores atentados q esse pais genocida cometeu: o atentado ao predio da AMIA, em Buenos Aires, em 1994″

    Como você bem sabe, ninguém assumiu a autoria do ataque à AMIA, e as investigações feitas pelas autoridades argentinas não chegaram à qualquer conclusão. A acusação ao Irã é apenas isso, uma acusação, provavelmente motivada pelo desejo de demonizar permanentemente o Irã.
    Mas, mesmo que isso fosse verdade, o track record sunita em materia de terrorismo ainda é bem superior não?
    Quanto a “matar pessoas do próprio povo”, é uma pena que vocês israelenses e seu patrono os EUA, não tenham reparado que o Saddam já fazia isso há muito tempo. Também é chato que nada disso também tenha impedido Israel de desenvolver prósperas relações com o regime do Apartheid sulafricano.
    BTW, se formos olhar as relações internacionais de Israel hoje, certamente não encontraremos nenhum regime que ‘mate as pessoas do próprio povo’, certo?
    E se isso é motivo para bombardear alguém, então, como eu já disse me parece que o Irã tem que entrar na fila….

    “Se Israel desejasse a tal da “limpeza etnica”, ja o teria feito ha anos”

    fez. Ou de onde teriam saído os refugiados palestinos, que antes de 1948 ocupavam 95%, repito: NOVENTA E CINCO POR CENTO, das terras de toda a Palestina, e eram à época 2/3 (dois terços) da população?
    E FAZ, já que todos os dias casas de palestinos são demolidas e seus habitantes despejados, para a construção de novos assentamentos exclusivamente para israelitas.

    “entao que os proprios palestinos tomem conta deles mesmos”

    Eles tentaram fazer isso, mas então vocês, EUA e UE não gostaram da escolha deles. O Hamas foi útil na hora de dividir e desmoralizar a então secular OLP, mas para governar e, especialmente, ser um interlocutor minimamente comprometido com os intereses de seu povo, ah, aí não né?

    “os muculmanos (inclusive os palestinos) q SIM moram dentro do territorio israelense, possuem o conforto q qqr outro israelense possui”

    Hadassah você mente. Ou é extraordinariamente desinformada. Israel não tem Constituição, não existe uma nacionalidade “israelense”, e a Suprema Corte do país tem se recusado persistentemente a reconhecer uma, já que isso poria fim à supremacia Judaica. A Lei do Retorno de 1950 dá a todos os Judeus, e somente aos Judeus, os direitos de nacionais, nomeadamente o direito de entrar no “Eretz Israel” e imediatamente desfrutar de direitos legais e políticos plenos. A ‘”nacionalidade Judaica” pela Lei do Retorno é extraterritorial em contravenção às normas públicas internacionais relativas à nacionalidade. Ela inclui “Judeus” cidadãos de outros países, quer eles próprios queiram ou não fazer parte do coletivo de “nacionais Judeus” e exclui os “não-Judeus” (i.é. Palestinos) dos direitos de nacionalidade em Israel.
    Então, Hadassah, por favor deixe de hipocrisia.

  • Michel Zveibil

    Para vocês que adoram citar fontes a torto e a direito, sugiro o 1º parágrafo da página do Ahmadinejad na Wikipedia.

    Sem mais.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Ahmadinejad

  • Michel Zveibil

    Gato Precambriano is so 2003…

  • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

    UAU! Zveibil é tão, tão….profundo!

  • http://tsavkko.blogspot.com Raphael Tsavkko

    É, agora a Wikipeia é extremamente relevante… O caso do Daniel Pádua e seu artigo na mesma demonstra que não é bem assim…

    http://tsavkko.blogspot.com/2009/11/wikipedia-censura-e-irrelevancia.html

    Mas, de qualquer forma, é hilário que se defenda um Estado Genocida como Israel e genocidas reconhecidos como Lieberman e Peres e queiram falar algo do Ahmadinejad… Ele é um canalha mas está longe de ser o perigo que é Israel pra o mundo.

  • Hadassah

    Nao adianta discutir com alguem q se julga dono da verdade. Gatinho querido, vc sempre ira dizer sobre os fatos q nao saber argumentar q SOU MENTIROSA. Hehehe, q defesa triste, hein! Posso argumentar contra TODOS, exatamente TODOS os pontos q vc citou. Inclusive que o Ira esta por tras de todos os ataques de Hamas e Hizbollah, por exemplo, os quais ele fomenta. Mas eh covarde demais pra admitir em publico! Enfim,…. fique vc com sua verdade absoluta e continue sendo essa pessoa preconceituosa e neo-nazista, tenho somente pena de vc. Alias, gosta tanto do Ira, eh um pais tao bom, va morar la! Super democracia! Pq se vc vier pra CA PRA ISRAEL, vc tera q CONFIRMAR q quem vem SOMENTE morar dentro do terriotrio de Israel vira SIM cidadao israelense e a lei do retorno, sabidinho, vale SO pra quem VEM MORAR EM ISRAEL e nao pra todos os judeus espalhados pelo mundo. Independente da lei do retorno, qualquer pessoa de outra religiao q apos um ano veio morar em Israel legalmente, ganha tb essa condicao de CIDADAO ISRAELENSE. Muculmanos e judeus q vivem DENTRO de Israel sao todos CIDADAOS ISRALENSES, bem como bahais, critaos, drusos, etc.
    Parei por aqui. Se quiser ouvir ao inves de atacar gratuitamente e sem argumentacoes baratas, eh so pedir.
    * dizer q Hamas fez bem ao povo palestino eh uma piada! Aqueles coitados dos civis palestinos estao desesperados para esse hamas morrer logo e eles finalmente serem livres, para fazerem o q quiserem, inclusive para sairem de Gaza. O q o Hamas nao deixa – afinal ele precisa de pessoas pra serem usadas como escudos humanos e depois acusar Israel.
    PAZ.

  • Daniel

    Gato, pelamordideus, deixa o Hadassah de mão. Nós todos já pudemos ver como ele lida com a história e com os números. Talvez quando você for em Israel, Gato, poderá ver blá-blá. End of “discussion”. Pff.

  • Michel Zveibil

    E depois de dias de discussão o Daniel diz que quem tem idéias contrárias à dele não é bem-vindo no blog.
    Teria nos poupado tempo se tivesse avisado antes.

    Abraço

  • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

    Além de profundo como um pires úmido, nosso caro Michel Zveibil aparentemente não sabe ler em português, ou, o que é mais provável, na ausência de argumentos recorre à boa e velha vitimização passiva-agressiva. Meninos e meninas, será que vocês não sabem fazer outra coisa?
    Uma vergonha para a nobre tradição intelectual judaica.

  • Michel Zveibil

    Gato,
    Enquanto você prefere gastar latim, eu gosto de usar poucas palavras.
    Um pouco de ironia e já consegui tirar você do sério.
    Não confunda concisão com falta de profundidade.

    Veja:
    Não precisei entrar em detalhes sobre Sharon, Intifada, Yassin, Arafat, etc. Bastou escrever ‘2003’ que você entendeu tudo.

    Estou me sentindo na 8º série, de novo.

    Mas tenho que confessar algo: não tive muito saco de ler seus textos na íntegra. Imagino que podem até haver boas idéias lá. Mas estavam afogadas em tanta profundidade.

    Mas não leve como uma crítica pessoal. Continue exercitando sua retórica.
    Ela ainda está mais próxima de um Hugo Chavez do que de um E=mc2.

    Abraço
    Michel

  • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

    “Tirar do sério”? LOL
    Michel seu trollinho, você ainda tem que comer muuuuuuiiiiiiitto feijão com arroz meu filho.
    “Bastou escrever ‘2003′ que você entendeu tudo.” ROTFLOL
    Não, não entendi nada, e continuo não entendendo, até porque acho que não tem muito o que entender, está claro que é apenas trollagem de troll.
    “está mais próxima de um Hugo Chavez do que de um E=mc2″
    Hugo Chavez? ROTFLOLMAO
    Ó Daniel! Acho que a esta altura menções à Hugo Chaves também valem como manifestações da Lei de Godwin, né não?

  • Hadassah

    Michel, largue eles de mao. O unico argumento deles contra a verdadeira realidade eh “ela eh mentirosa”, “ela mora em marte”, etc.
    Isso nao eh argumento.
    Parto daqui, com a verdade prevalecendo tal qual uma verdadeira vitoria sobre os preconceituosos q odeiam de graca sem nem saberem sair da midia para poder pesquisar mais a fundo os fatos reais.
    A todos vcs q ficam por aqui: PAZ.

  • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

    Had-ass

    “Muculmanos e judeus q vivem DENTRO de Israel sao todos CIDADAOS ISRALENSES, bem como bahais, critaos, drusos, etc.”

    São todos cidadãos mas não tem os mesmos direitos, pois em Israel “cidadania” é diferente de “nacionalidade”. Esta só pode ser, em Israel, judaica, e tem sim mais direitos que aquela. Para começar o direito à terra, e o direito ao retorno, que é garantido aos judeus da Diáspora e negado aos palestinos expulsos na Nakba.
    Você tão boazinha, “porta-voz” dos ‘palestinos oprimidos’ pelo Hamas, quer que os palestinos possam“fazer o que quiserem, inclusive sair de Gaza”, e ir para qualquer lugar, desde que não seja para os seus lares de origem, que ficam onde hoje é Israel.
    Tocante.
    Acho que vou vomitar……

  • Hadassah

    Gato, a sua defesa eh o ataque? Xingamentos? baixo…
    Diz uma coisa, vc eh um palestino tentando a tao sonhada cidadania em Israel? Nao acredito… alias, em qual pais do mundo eh tao facil assim vc conseguir uma cidadania, do tipo, vc chega de mala e cuia e pede um passaporte com sua foto, dizendo q vc agora eh cidadao daquele pais e pronto? Nem no Brasil isso eh facil! Q vc quer? Pra tudo tem dificuldades, menos pros judeus q PROVAM q sao judeus e vao morar em Israel – afinal – relembro – Israel eh o UNICO pais judaico do MUNDO – nos merecemos no minimo ter mais facilidade de VIRAR CIDADAOS. A partir do momento q uma pessoa eh CIDADA ISRAELENSE, seus direitos sao TODOS IGUAIS. So os deveres sao diferentes. Os judeus tem mais deveres. Ah, isso ja falei ne? De resto chega, me cansei de vc. Vc nao vive aqui e nao tem nocao da realidade. Volta pra Jupter.
    PAZ.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Eu gostaria muito de ser judeu.

      • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

        Hakine

        Rapaz, tenha vergonha! Nem a comunidade te aceita filho!

        • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

          Não importa se me aceitam ou não. Sonho é sonho e ponto final. Eu sei dos meus.

        • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

          Hakine

          O negócio é que eles não aceitam maluuuucooo. Com ou sem prepúcio.

        • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

          Alo-ou! Eu queria responder também, posso?

          Essa do prepúcio acho que não vem ao caso. O meu corpo não está dentro da questão, se me permites falar.

  • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

    Hadassah

    Onde o xingamento minha nêga? Ah, você quer ainda mais fatos? Ok.

    Veja, eu não vivo em Júpiter mas sei que lá é inóspito, digamos assim. Da mesma forma sei que de acordo com o (grifos meus) 2004 U.S. State Department Country Reports on Human Rights Practices:

    * “Approximately 93 percent of land in the country was public domain, including that owned by the state and some 12.5 percent owned by the Jewish National Fund (JNF). All public land by law may only be leased, not sold.The JNF’s statutes prohibit the sale or lease of land to non-Jews. In October, civil rights groups petitioned the High Court of Justice claiming that a bid announcement by the Israel Land Administration (ILA) involving JNF land was discriminatory in that it banned Arabs from bidding.”

    * “Israeli-Arab advocacy organizations have challenged the Government’s policy of demolishing illegal buildings in the Arab sector, and claimed that the Government was more restrictive in issuing building permits in Arab communities than in Jewish communities, thereby not accommodating natural growth.”

    * “In June, the Supreme Court ruled that omitting Arab towns from specific government social and economic plans is discriminatory. This judgment builds on previous assessments of disadvantages suffered by Arab Israelis.”

    * “Israeli-Arab organizations have challenged as discriminatory the 1996 “Master Plan for the Northern Areas of Israel,” which listed as priority goals increasing the Galilee’s Jewish population and blocking the territorial contiguity of Arab towns.”

    * “Israeli Arabs were not required to perform mandatory military service and, in practice, only a small percentage of Israeli Arabs served in the military. Those who did not serve in the army had less access than other citizens to social and economic benefits for which military service was a prerequisite or an advantage, such as housing, new-household subsidies, and employment, especially government or security-related industrial employment. The Ivri Committee on National Service has issued official recommendations to the Government that Israel Arabs not be compelled to perform national or “civic” service, but be afforded an opportunity to perform such service”.

    * “According to a 2003 Haifa University study, a tendency existed to impose heavier prison terms to Arab citizens than to Jewish citizens. Human rights advocates claimed that Arab citizens were more likely to be convicted of murder and to have been denied bail.”

    * “The Orr Commission of Inquiry’s report […] stated that the ‘Government handling of the Arab sector has been primarily neglectful and discriminatory,’ that the Government ‘did not show sufficient sensitivity to the needs of the Arab population, and did not take enough action to allocate state resources in an equal manner.’ As a result, ‘serious distress prevailed in the Arab sector in various areas. Evidence of distress included poverty, unemployment, a shortage of land, serious problems in the education system, and substantially defective infrastructure.'”

    Já o The 2007 U.S. State Department Country Reports on Human Rights Practices observa que (nem precisa grifar né):

    * “According to a 2005 study at Hebrew University, three times more money was invested in education of Jewish children as in Arab children.”

    O próprio Relatório Or reconheceu que (grifos meus):

    The Arab citizens of Israel live in a reality in which they experience discrimination as Arabs. This inequality has been documented in a large number of professional surveys and studies, has been confirmed in court judgments and government resolutions, and has also found expression in reports by the state comptroller and in other official documents. Although the Jewish majority’s awareness of this discrimination is often quite low [that’s you babe], it plays a central role in the sensibilities and attitudes of Arab citizens. This discrimination is widely accepted, both within the Arab sector and outside it, and by official assessments, as a chief cause of agitation”

    Volta para a Terra Hadassah. Antes que seja tarde.

  • Reinaldo

    Diferença entre os “pacíficos” defensores dos palestinos e os “genocidas” defensores de Israel:

    Os dos palestinos abertamente pregam o genocídio dos israelenses.

    Os de Israel abertamente dizem que não concordam com tudo que Israel faz, que concordam com um Estado palestino e que são contra o terrorismo.

    Precisa dizer mais alguma coisa?

    • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

      Citações faz favor? Links?

  • Eduardo Casotti

    Observem que ambos os lados são intolerantes, porém apenas um dele insiste em se auto-titular o “rei da razão”. Para mim, o que realmente nos trouxe o direito de apreciar tudo o que temos hoje veio da REVOLUÇÃO FRANCESA, pois se não fosse ela ainda estaríamos vivendo em feudos. Pois bem, lembram dos lemas dessa revolução? igualdade, liberdade, fraternidade… O que julgamos por IGUALDADE quando um seleto grupo de nações podem desenvolver armamentos nucleares e outros não podem? Por que, senhores, franceses, britânicos e estadunidenses podem se armar até os dentes e povos como iranianos e norte-coreianos não? Por que ninguém criticou ou puniu o projeto nuclear de Israel? Por que a ONU não condenou os ataques COVARDES dos sionistas sobre o povo palestino?
    Por que criticam tanto Ahmadinejad quando ele fala que não houve holocausto, quando nunca foi provado a verdadeira intenção dos alemães de manterem judeus prisioneiros para simplesmente executá-los?

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Até onde eu saiba, nem franceses, nem britânicos nem estadunidenses têm presidentes que dizem que um determinado país deveria ser varrido do mapa, como o Senhor Presidente do Irão faz. Coréia do Norte e Irão não são países com sistemas políticos suficientemente amadurecidos. Conceder-lhes o direito de possuir armas nucleares seria o equivalente a dar asas a cobras.
      Claro que França, Reino Unido e Estados Unidos não são democraciasd perfeitas, mas é melhor ser francês, britânico ou estadunidense que iraniano ou norte-coreano. Lá, se um “cidadão” começa a falar abertamente sobre tudo o que lhe vêm na telha, no mínimo vira alvo de vigilância das autoridades. Creio que os que defendem tanto esses sistemas políticos iranianos ou norte coreanos deveriam fazer as malas pra lá o quanto antes…

      • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

        Dãããã Hakine, não olhe agora, mas a Coreia do Norte JÁ tem armas nucleares.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      “Por que criticam tanto Ahmadinejad quando ele fala que não houve holocausto, quando nunca foi provado a verdadeira intenção dos alemães de manterem judeus prisioneiros para simplesmente executá-los?”

      Quanto a este parágrafo, nem há o que comentar. Sugiro que um psiquiatra venha socorrer-te imediatamente. Nem mesmo os ditadores da Líbia ou do Marrocos negam mais a existência do Holocausto, mesmo eles já reconhecem que é fato, indo de acordo com as evidências historiográficas devidamente registradas e documentadas, como quaisquer outras pessoas neste planeta. Onde tu vives? Alô-ou, acorda!

  • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

    Eduardo

    Dããã será que é porque milhares de milhares foram efetivamente excutados? Havendo uma esmagadoramente quantidade de evidências, documentos, testemunhos?
    E o que é que intenção tem a ver com isso. Do ponto de vista dos nazistas, eles tinham as melhores intenções do mundo. As piores coisas já feitas invariavelmente o foram com as melhores das intenções, Inquisição, Cruzadas, etc.

  • Eduardo Casotti

    Ao senhor aí de cima: apenas testemunhos (inclusive alguns contraditórios) provam a existencia do holocausto. Documentos? nada, inclusive até aumentaram o número de vítimas. Evidências? nenhuma. Nada que prove que o III reich protocolou a execução sumária dos judeus. É justamente nisso que Ahmadinejad se apóia. De fato, milhares de judeus morreram, assim como japoneses (né??). Mas enfim, este não é o foco desta discussão. Ainda desejaria muito que os sionistas donos da verdade me dessem uma explicação do porque de outros países não poderem desenvolver armamento nuclear se EUA, França, Inglaterra e Israel podem.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Até onde eu saiba, nem franceses, nem britânicos nem estadunidenses têm presidentes que dizem que um determinado país deveria ser varrido do mapa, como o Senhor Presidente do Irão faz. Coréia do Norte e Irão não são países com sistemas políticos suficientemente amadurecidos. Conceder-lhes o direito de possuir armas nucleares seria o equivalente a dar asas a cobras.
      Claro que França, Reino Unido e Estados Unidos não são democraciasd perfeitas, mas é melhor ser francês, britânico ou estadunidense que iraniano ou norte-coreano. Lá, se um “cidadão” começa a falar abertamente sobre tudo o que lhe vêm na telha, no mínimo vira alvo de vigilância das autoridades. Creio que os que defendem tanto esses sistemas políticos iranianos ou norte coreanos deveriam fazer as malas pra lá o quanto antes…

    • Hadassah

      Documentos: Auschwitz é um documento, por exemplo. O número que as pessoas possuem queimados nos braços, por exemplo.
      As testemunhas vivas que ainda existem. Todos os campos remanescentes: Dachau, Flossenburg, Majdanek e a própria posição da Alemanha em reconhecer o Holocausto por ela orquestrada.
      O Reich mandou apagar todas as evidências possíveis porque sabia que o que fazia daria um ótimo Julgamento. A grande parte de documentos foi destruída pelos proprios nazistas ao perceberem o fim e chegada dos soviéticos que já se sabia seriam implacáveis. por isso tantos campos foram destruídos, pelo menos a metade.
      Quanto ao armamento nuclear: Israel ameaça algum país como o Ira faz? A França, os EUA, a Inglaterra alguém viu esse países ameaçarem algum país “inimigo”?
      Desenvolver armamento nuclear não traz benefícios à Humanidade, mas possuir tal armamneto e ameaçar a existencia de um páis reconehcido e independente não é de forma alguma permitido.

  • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

    Ô Dudu

    “Mas enfim, este não é o foco desta discussão”
    Não, não é, mas foi você quem levantou essa bola resolvendo bancar o simétrico em relação aos sionistas. Certamente uma provocação trollesca.
    Agora só para matar, ops, quer dizer, saciar a curiosidade, o quê mais você nega? A Evolução? O aquecimento global? Você é cético quanto ao geocentrismo? Vai, abre o teu coração criança…Fala que eu te escuto!

  • http://SobreoHolocausto... Hadassah

    Com relacao a Holocausto e suas “provas”: nunca vcs foram a nenhum Museu do Holocausto em nenhum lugar do mundo, nao eh verdade? Tambem nunca chegaram perto da Polonia ou Alemanha e seus campos intocados de concentracao e exterminio, nao eh? Ah, provavelmente nao chegaram nem perto de entrar no campo de Majdanek (um “mero” exemplo), onde os fornos crematorios, salas de gas ainda estao intactos e funcionando? Nao, nao devem ter chegado… e tambem nao possuem 4 avos q passaram por Holocausto e passaram por esses horrores todos, nao eh mesmo? Avos com numeros de Auschwitz e Birkenau queimados nos ante-bracos. Nao, nao devem ter. Para vcs, essa “historia” esta muito longe.
    Desafio aos incautos a fazerem um “pequeno” passeio por alguns desses lugares e depois voltem aqui.
    A proposito, eu mesma tenho provas do Holocausto, inclusive com assinaturas autenticas de Goebbles (vcs sabem quem foi? Nao, acho q nao…).
    Passem bem.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Puxa, ainda hoje funcionam? Deve de ser incrível… Muito forte essa esperiência, certamente que faz a pessoa crescer como ser humano.
      Uma coisinha que ninguém que nega o Holocausto respondeu até agora: pra onde foram os milhões de judeus que havia na Europa em 1939? na Polónia, na Roménia… aldeias antes habitadas desapareceram do mapa, (assim como Ahmadinejad quer que Israel hoje desapareça). Milhões de pessoas desaparecem assim, como? A terra os comeu? E, nunca pe pouco lembrar, onde estão os ciganos, os gays e todos os outros que estavam na Europa antes de hitler, e que am 1945 não foram encontrados em lugar nenhum? Será que a terra se abriu para engolir os judeus e ETs levaram embora os gays e os ciganos?

      • Hadassah

        Todos vocês acreditam ser espertos em política internacional, quando falam de Israel, mas na realidade não sabem nada. Vocês se atreveríam a falar do conflito de Ruanda, da Cachemira, de Chechenia?. Não. Seu terreno não é a geopolítica. Mas com Israel vocês se atrevem. Todo o mundo se atreve. Por que? Porque Israel está sob a permanente lupa mediática, e sua imagem distorcida, contamina os cérebros do mundo. E, porque forma parte do politicamente correto, porque parece solidário, porqué é grátis falar contra Israel. E assim, pessoas cultas, quando leem sobre Israel estão dispostas a acreditar que os judeus tem seis braços, como na Idade Média acreditavam em todo o tipo de barbaridades. Sobre os judeus de antigamente e os israelenses de hoje, vale tudo.
        A primeira pergunta, pois, é porque tanta gente inteligente, quando fala sobre Israel, se torna idiota. O problema que temos, os que não demonizamos Israel, é que não existe o debate sobre o conflito, existem os letreiros; não nos cruzamos com idéias, nos deparamos com consignas; não gozamos de informações sérias, sofremos de periodismo de hamburguer, fast food, cheio de preconceitos, propaganda e simplismo. O pensamento intelectual e o periodismo internacional, demitiu-se em Israel. Não existe. É por isso que quando se tenta ir além do pensamento único, passa-se a ser suspeito, não solidário e reacionário, e é imediatamente segregado. Por que?
        Há anos que tento responder a esta pergunta: por que? Por que de todos os conflitos do mundo, só interessa este? Por que se criminaliza um pequeno país, que luta por sua sobrevivência? Por que triunfa a mentira e a manipulação informativa, com tanta facilidade? Por que tudo, é reduzido a uma simples massa de imperialistas assassinos? Por que as razões de Israel nunca existem? Por que nunca existem culpas palestinas? Por que Arafat é um herói, e Sharon um monstro? E por fim, por que, sendo o único país do mundo ameaçado de destruição, é o único que ninguém considera vítima?

        • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

          Hadassah

          Continuas sofismando e mentindo descaradamente. Porque não para com essa vitimização passiva agressiva e responde com argumentos.
          É mentira que o periodismo internacional demitiu-se em Israel. Israel sempre contou e conta com irrestrito apoio na midia.
          “Porque se criminaliza um pequeno país, que luta por sua sobrevivência?”
          Primeiro porque dimensões territoriais não isentam Israel dos crime que comete: ocupação ilegal, e anexação de territórios por meio de guerra, em flagrante violação da Carta das Nações Unidas, sem contar outros crimes de guerra, e violações de direitos humanos já fartamente documentados.
          Quanto à sobrevivencia de Israel, nem na independência em 1948 isto esteve realmente em questão. Então Israel já contava com o 2º maior contingente armado da região, atrás apenas da Jordânia, que nunca ameaçou Israel pois um acordo com o Rei já tinha sido negociado. Hoje, segundo o GlobalFirepower.com, sem contar as nukes, Israel é a 11ª potência militar do PLANETA, imediatamente atrás da Turquia e à frente de: Coreia do S., Italia, Indonesia, Paquistão, Taiwan, Egito, Irã etc. Então esse papo de “unico país do mundo ameaçado de destruição” é de chorar de rir.

  • Daniel

    Acho que o Hakime apenas procurou um lugar pra limpar a consciência. Vem aí ano novo, novos crimes de guerra de Israel, e é sempre bom a roupa da vitimização e da autodefesa estar lavada.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Exame de consciência eu já fiz, e foi em março, pra vossa informação.

      PS.: Mas, já que apagam as minhas respostas, nem sei se vale a pena me defender aqui. Não é democrático apagar quando alguém comenta o que outrém disse sobre ele mesmo. Eu já respondi e apagaram. Muito de mal gosto isso, sinceramente. Não há imparcialidade neste site, pelo que vejo nesta atitude de vós.

  • Hadassah

    Hakime, infelizmente eh uma experiencia unica e muito triste visitar todos essas campos na Polonia. E ver, com os PROPRIOS OLHOS q essa barbaridade existiu e q o um dia o ser-humano foi capaz de pensar em elaborar algo assim. Ser-humano? Nao, animal.
    Triste, muito triste…
    Vcs q adoram atacar Israel, nao me venham falar de Palestina coitadinhos, pois sabem por exemplo QUANTOS FOLHETOS ISRAEL DISTRIBUIU EM GAZA (atraves de avioes) PEDINDO PARA QUE PARASSEM OS ATAQUES Q ISRAEL SERIA OBRIGADA A CONTRA-ATACAR? PARA OS CIVIS SE PROTEGEREM??? QUAL “INIMIGO” AVISA Q IRA ATACAR OU PEDE PARA OS CIVIS “INIMIGOS” SE PROTEGEREM??? Querem um desses folhetos? Facil de conseguir…

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Hadassah, eu visitarei a Polónia em 2011, se Deus quiser. Gostaria muito de passar por Oswiecin, ver o campo de Auschwitz. E, se um dia eu tiver filhos, farei com que eles visitem também. Acho que saber o que foi o passado ajuda a construir o presente de modo mais consciente, e assim o futuro.
      Se o Irã destruir Israel, aí será tarde pra mídia parar de atacar aquele país. Por que essa tendência de ser favorávelm a uma nação que nada tem a ver com a liberdade pregada pelas democracias ocidentais, com o espírito livre do Ocidente? Israel está muito mais próximo do Brasil que o Irã jamais esteve nesse sentido. essa moda de brasileiros tenderem para o Irã é um total nonsense. Mais ainda se conciderando que em nossa história já houve, como no Irã de agora, um governo ditatorial. Israel não é uma ditadura, mesmo que sua democracia não seja ainda perfeita. Até países europeus têm lá seus erros, e ninguém os demoniza. A Espanha, por exemplo, construiu um muro em Ceuta e Melila, para separar-se do Marrocos, e quem é que contesta esse seu direito aqui entre nós, brasileiros? Ah sim, mas se Israel faz um muro para separar-se da palestina e afastar ameaças de homens-bomba, é um grande pecado… Devíamos ter um pouquinho mais de consciência e pensamento crítico. Nossos valores nunca poderão ser como os valores iranianos. Somos um país livre e democrático, aqui pelo menos em tese todos os cidadãos podem compartilhar suas opiniões. Não é isso que se vê no Irã.

  • Hadassah

    Que tal essa machete fresquissima:
    – Autoridades do Hamas pedem aos egípcios que não construam o muro de 10 km de comprimento com 25 metros de altura, destinado a impedir o contrabando do Egito para Gaza.
    Vamos la, “atirem pedras” no Egito tb!!! Ou no Hamas, faz mais sentido.
    Nao, ne, o objetivo eh atingir Israel CEGAMENTE…

  • Eduardo Casotti

    Que isso cara! Claro que eu acredito no Holocausto. Mas admita que deram uma forçadinha, vai. Não foi esse monstro todo que saem falando por ae (inclusive a Guerra do Paraguai foi muito mais violenta que tudo aquilo). Nos julgamentos apenas escutaram testemunhas, nenhum documento ou fato mais relevante foi mostrado. Até o veneno usado para o ”extermínio” que falavam foi provado cientificamente que ele não poderia ser usado da forma que foi descrita sem que os soldados nazi fossem contaminados. É muito estranho.

    Resumindo, não sou tão céptico assim, apenas defendo o revisionismo de tais fatos. Estão tentando condenar qualquer teoria revisionista, impedindo qualquer investigação a respeito do assunto. Ora, se é tão absurdo assim investigar os fatos do holocausto, é necessário prender e torturar esses loucos??

    E ainda não responderam a minha inocente pergunta? Por que outros países não podem ter projetos nucleares, mas Israel pode ter?

    • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

      Eduardo

      Não confunda nem misture as coisas. Pelo fato de que desde então os sionistas tem explorado o Holocausto ad nauseaum para seus fins políticos, não decorre, ou não deve decorrer que, por ou para se criticar aquelas politicas e aqueles fins se deva negar a História. Pois dessa forma se incorre numa falácia.
      As ações e políticas de Israel podem ser legitimamente criticadas no seu mérito, nas suas consequencias.

    • Hadassah

      Mais uma vez, desafio aos “revisionistas” de araque a darem uma chegadinha nos campos ainda existentes na Polonia e Alemanha. EU DUVIDO Q AO VER ISSO COM OS PROPRIOS OLHOS, continuarao falando besteiras absurdas “a guerra do Paraguai foi pior” – Oh! O q foi feita na segunda guerra, a parte chamada de Holocausto foi tao somente uma industria da morte, uma oficina mosturia construida especialmente para assassinar pessoas aos milhares ao mesmo tempo, uma economia de tempo e espaco. Nao como a guerra do paraguai, onde ha uma guerra – ha dois lados onde ataca-se e se defende e nesse interim pessoas vao morrendo. No holocausto nao houve chance para a defesa.
      Quanto ao armamento nuclear: Israel ameaça algum país como o Ira faz? A França, os EUA, a Inglaterra alguém viu esse países ameaçarem algum país “inimigo”?
      Desenvolver armamento nuclear não traz benefícios à Humanidade, mas possuir tal armamento e ameaçar a existencia de um pais reconhehcido e independente não é de forma alguma permitido.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      Engraçado que há revisionistas para o Holocausto, mas quem é que nega os genocídios que houveram no Curdistão, em Ruanda, no Darfour, no Cambodja etc? Por que apenas quando se fala no Holocausto é que fica-se a desrespeitar a memória das vítimas?

  • Herik Mourão

    Quero responder uma inocente pergunta com outras perguntas também.
    Por que outros países não podem ter projetos nucleares, mas Israel pode ter?

    Parece inteligente deixar um país que não respeita direitos civis e humanos possuir um programa nuclear?

    Quem acredita que o Irã (sob o governo atual) é um pais pacifíco?

    Além de muita instabilidade, o que o mundo ganharia com um programa nuclear iraniano?

    Israel merece uma bomba atômica na cabeça de um governo como o do Irã?

    E a Coreia do Norte, também poderia ter um programa nuclear, alguém é contra?

    São tantas perguntas. Alguém quer que eu continue?

    E é patético acreditarem que o holocausto foi uma grade armação da maior teoria da conspiração do mundo. Podem falar o que for, mas Israel já é uma realidade com mais de 60 anos e é um país livre, democrático e desenvolvido. Diferente de todos os seus vizinhos.

    Não consigo ver nenhuma motivação nobre na negação do holocausto, são sempre ladainhas que desrespeitam as vítimas. Ainda mais por pessoas que não sabem direito nem o que falam.

    E se o revisionismo é uma tática contra Israel, mostra que os inimigos de Israel são realmente fracos de estratégias.

  • http://gatoprecambriano.wordpress.com Gato Precambriano

    Que evidencia concreta, material você tem, além da retórica do Ahmadinejad, de que o Irã não é um país pacífico?
    Quando foi que o Irã atacou algum outro país?
    Quando foi que o Irã invadiu algum outro pais?
    Quando foi que o Irã ocupou algum outro país?
    “Parece inteligente deixar um país que não respeita direitos civis e humanos possuir um programa nuclear?”
    Ninguém aparentemente teve nenhum problema que o Paquistão tivesse a bomba. E ao que eu saiba o Paquistão não é exatamente um pais pacífico, estável e cioso das liberdades democraticas.
    Quando o Irã era governado com mão de ferro pelo Sha Pahlevi, tampouco a questão dos direitos humanos no Irã causava grandes preocupações.

  • Eduardo Casotti

    Ninguém aqui apóia regimes totalitários e que violam direitos humanos, como Irã e Coréia do Norte. É puro sensacionalismo (chega até ser hipocrisia) dizer que “ué, já que vocês admiram e defendem tanto estes países, vão viver lá”. Aposto que, se eu dizer a estes sábios para que vão morar em Israel (vulgo Terra Santa, Terra Prometida ou até mesmo Terra da Liberdade), ninguém daqui vai querer ir pra lá.

    Sendo assim, continuo não concordando com as políticas sociais do Irã e da Coréia, porém defendo o direito deles de possuirem armas nucleares. Alegam por ae que tais governos não estão aptos para tais projetos. E o que seria esta tal aptidão? Até hoje, o único Estado que usou de meios nucleares em intenção bélica foram os estadunidenses, no Japão. Ou seja, o único ”insano” seriam eles próprios.

    “Não concordo com o que dizeis, mas defenderei até a morte o teu direito de dizer”.

    • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

      “Aposto que, se eu dizer a estes sábios para que vão morar em Israel (vulgo Terra Santa, Terra Prometida ou até mesmo Terra da Liberdade), ninguém daqui vai querer ir pra lá.”
      Dados estatísticos ajudam?
      Em Israel, fora as pessoas que lá estão e que são judias, há inúmeras comunidades de imigrantes. São centenas de milhares de russos, romenos, moldavos, americanos, filipinos, chineses, tailandeses… Há até muçulmanos vindos da Turquia, Nigéria, Cisjordãnia… pessoas que vão ali atraídas não apenas pela possibilidade de viver com seus parentes ou por razões econômicas, como também por terem o desejo de viver num país que é sim democrático, livre e desenvolvido. O único país do Médio Oriente onde um gay pode ter paz. (Ser gay na palestina pode te fazer ser perseguido, torturado e privado de qualquer direito à cidadania e à segurança. Em Israel, não. Gays deGaza e Cisjordãnia sonham com Tel Aviv .
      No Irã há imigrantes? Sim, apenas refugiados afegãos que ainda não retornaram a seu país, que é muito mais pobre, e ainda instável. E na Coréia do Norte? Os únicos estrangeiros ali são japoneses, todos eles já idosos, que após a Guerra da Coréia foram pra lá junto com seus cônjuges coreanos que conheceram no Japão. Não têm contato com a família no Japão e pouco se sabe sobre eles fora da Coréia do Norte. Somam hoje cerca de 1.600 pessoas.

  • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

    “Quando o Irã era governado com mão de ferro pelo Sha Pahlevi, tampouco a questão dos direitos humanos no Irã causava grandes preocupações.”
    Causava sim senhor. Baháis perseguidos desde antes do xá Reza Pahlevi causavam sim, especialmente nos países da Europa, grande comoção. Hoje é que se esquecem deles.

  • Eduardo Casotti

    Israel é o pedacinho de céu estadunidense no meio da guerra, opressão e desordem. É como se fosse um condomínio no meio da favela. Certeza de que Israel é tão aberto assim para receber outros povos? Se essa política ”acolhedora” realmente existe, qual a necessidade de construir aquelas barreiras em Gaza?

    • Hadassah

      Desculpe te decepcionar, mas Israel eh aberto sim a recepcao de pessoas dos mais diversos lugares, inclusive de cidades Palestinas (qdo um civil palestino consegue fugir aos olhos do Hamas) – eu tenho um conhecido aqui onde trabalho q nasceu em Gaza. Hoje em dia vive em Tel Aviv, pois conseguiu fugir de Gaza com a familia assim q Gaza passou das maos de Israel para o Hamas – ele diz q eh loucura morar hj em dia em Gaza, pois os terroristas palestinos tratam o povo como animais e eh uma pena q GAza nao eh mais de Israel, qdo eles viviam la com dignidade. Ele diz q ele continua a viver com dignidade hj em dia, mas em Israel. Vc quer uma entrevista gravada com ele em hebraico ou arabe? Ele fala fluente os dois idiomas!

  • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

    A mesma que os estados unidos têm para construir uma ao longo da fronteira com o vizinho México. Evita-se que crimes sejam cometidos por cidadãos daquele país, visto que imigrar ilegalmente é crime em qualquer lugar, e junta-se a isso, no caso de Israel, a ameaça constante de terrorismo.
    O governo laico do Egito também está a construir uma barreira ao longo dos 10 kilômetros da fronteira com Gaza, evitando com isso o terrorismo e o contrabando de produtos egípcios para aquele território.

    “Condomínio no meio da favela”? Pode até ser. Esta é também a mesma situação de inúmeros outros países: da Espanha, que fechou as fronteiras com o Marrocos, da Austrália, que agora está cada vez mais vigilante ao longo do estreito mar que a separa da populosa e miserável Indonésia… Vários são os exemplos de países onde há um desenvolvimento humano alto, e onde há vizinhos pobres. Mas não há mal nenhum em uma nação buscar o caminho do desenvolvimento. Taiwan e Coréia do Sul, hoje, são países conciderados desenvolvidos, Israel também, e o Chile, aqui na nossa conturbada América Latina, está prestes a tornar-se primeiro mundo. Por que os países de primeiro mundo são 1º Mundo e os outros não? Uma coisa que ajuda é investir em educação. Nesse quesito, Israel é o único país do Médio Oriente onde há uma boa infra-estrutura de ensino.

    • Daniel

      A diferença é que os EUA e outros países constroem muros dentro de suas fronteiras, e não anexando áreas de países alheios, postura típica de Estados bandidos desde sempre.

      • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

        Então a Espanha também é um Estado bandido, pois não é, até hoje, reconhecida unanimemente a sua posse legítima sobre os territórios de Ceuta e Melila. Qual a diferença entre Israel e espanha nesse quesito? Simples: a opinião pública internacional têm gosto especial é por atacar a Israel, sempre este pequeno país. Muitas vezes, fecha-se os olhos para os outros, é o que se nota.

        • Daniel

          Mas jovem, você demorou tanto tempo pesquisando e me aparece apenas com um exemplo desses? Pf…

          Mas vamos lá, vou fazer de conta que foi um argumento.

          Você sabe quantos países, entre os membros da ONU, consideram Ceuta parte de outro Estado que não a Espanha? Você sabe quantos países, entre os membros da ONU, consideram a Cisjordânia parte de um Estado que não Israel? (Vou te dar um dica: é país pra caramba!)

          Você poderia nos informar qual foi a última vez que colonos espanhóis em Ceuta agrediram cidadãos Marroquinos, e em quais dessas oportunidades a Espanha enviou seu exército para matar civis de Ceuta em “legítima defesa”?

          Você poderia nos informar em que pé anda a construção do muro de anexação espanhol em Ceuta (ou em Melilla?).

          Ceuta é uma “comunidade autônoma” espanhola. Melilla também. Você sabe quantos líderes mundiais concordam que a Cisjordânia é uma “comunidade autônoma” israelense?

          PS: Você adora soltar um “ninguém fala disso” e coisas do tipo. Tadinho, posando de vítima… estou quase comovido. É que, se você não notou, este foi um post sobre Irã e Israel, mais especificamente sobre o criminoso de guerra Shimon Peres. Se você quer críticas ao Kwait e à Itália, por exemplo, é só googlar. Vai ver que “falam disso” sim. Dãaa…

  • Eduardo Casotti

    Acho desnecessário esta forma de preconceito vindo desses países de desenvolvimento humano alto, como vocês disseram. No passado, o Brasil acolheu japoneses, europeus, e inclusive americanos (vide interior de SP), e ainda hoje temos exemplo de legalização de angolanos e bolivianos que aqui viviam ilegalmente. Mas nem por isso estamos deixando de lado nosso desenvolvimento.
    Já em Israel, povos oriundos de outras partes da Europa e Asia são submetidos a exames de DNA para comprovar suas origens judaicas. Cometem o mesmo erro que seus perseguidores cometiam, mas ninguém faz nada perante este indulto.
    Apesar de Israel ser uma democracia, é um estado judeu, diferente do Brasil, que é um estado sem preferencia religiosa. Sou leigo no assunto, mas será que por lá não rola um certo desdém para com pessoas de outras opções também?

    Como dizia o velho ditado, “macaco senta no rabo pra olhar o dos outros”

    • Hadassah

      Eduardo, vc VIAJA!!! Nunca Israel fez exame de DNA pra comprovar origem judaica pois origem judaica eh impossivel de ser comprovada por DNA!!! Meu querido, vc precisa ainda de muita leitura!!! E tem lido muita historia pra boi dormir!!! Quero q vc me COMPROVE q isso existe aqui! Eu te passo contatos de dezenas de pessoas q vivem AQUI EM ISRAEL das mais diversas etnias, religioes e paises para comprovar Q NINGUEM PASSOU POR ISSO, nem mesmo euzinha, q vim do Brasil – saiba vc q quem entra com passaporte brasileiro em paises como TAILANDIA, deve passar por inspecao de SAUDE no aeroporto, coisa q nem acontece em Israel!!! Ser brasileiro no exterior eh ser rotulado como “doente do terceiro mundo”… mas nao aqui em Israel, e nem de lugar nenhum!!!
      Q loucura…

  • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

    Ah, sim, om certeza, senhor Casotti, é um ditado muito acertado.
    Essa postura de Israel parece absurda, mas explica-se por uma razão muito simples: lá, por motivos de censo, cada pessoa leva sua etnia nos documentos, como aqui as certidões de nascimento a dizer se o bebê é branco, amarelo, pardo, preto ou indígena. Lá, não se é obrigatório isso, é uma questão de censo, pois há sim inúmeras pessoas da Europa e Ásia que lá vivem, e todos os cidadãos são respeitados. A questão da religião é sensível sim, pois por 2 mil anos os judeus não tiveram um Estado, e no começo era muito pior, mas hoje, aos poucos, vão surgindo legislações laicas, que garantesm respeito a todaos os credos. Cabe lembrar que na Argentina, até pouco tempo, era preciso ser de confissão católica para se poder ser eleito presidente, e até hoje é igual no Paquistão, só que lá é o islã, e não o catolicismo que é requerido. Quanto ao Brasil ser laico, é realmente algo admirável. Nem Portugal o é, de fato, pois há uma concordata assinada entre o estado português e o Vaticano. Diversos países do Médio Oriente são laicos na letra, mas o que se vê, por detrás da máscara do laicismo, é a religião a se infiltrar por todos os cantos na sociedade, muitas vezes ajudada pelos governos a fazer vista grossa. É o caso do Egito, da Jordãnia, do Líbano… Em Israel, nunca houve coerção religiosa, seja vindade qualquer grupo religioso, judeus, muçulmanos, cristãos, baháis, druzos… todos convivem harmoniosamente ali, ao menos dentro da Linha Verde. dela pra fora, não sei como funcionam as coisas, mas, de qualquer forma, apenas 4% dos cidadãos israelenses escolheram viver da Linha Verde pra lá. E há inúmeros israelenses que desaprovam a atitude do Estado em querer anexar partes da Cisjordãnia, inclusive entre as celebridades e intelectuais. Generalizar as coisas é sempre um erro grave.

    • Hadassah

      Inclusive as leis aqui em Israel sao baseadas nas leis do Imperio Britanico antes da independencia e nao sao baseadas no Tanach (biblia judaica), como muitos como vc poderiam pensar!

    • Hadassah

      *No caso esses “vc” acima eh direcionado ao Cassotti e nao ao Hakime.

      • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

        Obrigado, Hadassah, pela tua franqueza. Parece que as pessoas que comentam aqui perderam totalmente a polidez necessária à um diálogo harmonioso. Todá rabá!

  • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

    No Kwait, ninguém entra sem antes fazer exame de HIV. A Aids lá é classificada como “doença estrangeira”, e ninguém lembra isso. Na França, também já se sugeriu que cidadãos que dessem moradia a ilegais fossem presos, e Berlusconi quer cassar os ilegais pela itália, só não o faz porque teme a reação dos italianos liberais, sempre a chamá-lo de novo Mussolini. Ninguém fala disso…

    • Hadassah

      So q do contrario de todos esses exemplos, em Israel nao se faz exame de DNA. Onde ja se viu exame de DNA determinar religiao??? Aqui nao existe isso. Eu sou imigrante aqui e nem eu e nem centenas de outros imigrantes q conheco, das mais diversas regioes do mundo nao tiveram q fazer isso pelos 61 anos de existencia de Israel. PONTO.

  • Herik Mourão

    Daniel, Casoti e outros,

    Poderia responder cada argumento ou meias verdades escritas por cada um de vocês. Por ex: Quando a intenção do Casoti é falar dos exames de DNA é porque existe uma Lei em Israel chamada Lei do Retorno, que não tem nenhuma relação com raça ariana, mas querem construir uma imagem de Israel como um país bandido, usando meias verdades, que não passam de grandes mentiras.

    Quando digo que vocês(Daniel, Casoti e outros) falam meias verdades é exatamente por causa desse tipo de desinformação que querem fazer.

    Casoti pretendeu colocar Israel como um estado racista, mas existe um monte de gente querendo imigrar para Israel(Democracia de 1o mundo), apesar do que dizem (Daniel, Casoti e outros), pois lá os judeus tem ajuda do governo, inclusive com grana e moradia(Alguém conhece outro país assim?).
    Qualquer judeu pode chegar em Israel sem um centavo no bolso, que ele será amparado e é por isso que muitos sem perspectiva tentam se passar por judeus e conseguir morar num país livre, diferente de TODOS os seus vizinhos.

    Isso quando Israel não vai buscar os judeus na Etiópia ou na Rússia.

    E deve ser por isso que Israel controla a entrada de quem quer morar lá.

    Casoti,
    Se você sabia desses fatos e mesmo assim, escreveu o que escreveu é porque você não tem caráter e com certeza é uma pessoa do mal. Espero que você seja apenas mais um ignorante pretendendo dar uma de inteligente.

    • Hadassah

      Herik querido, qual pais nao controla a entrada de imigrantes no seu pais??? Ate o Brasil (tenta) fazer isso, oras! E quer mais controle q os EUA??? E qual o problema de Israel realmente facilitar a entrada de judeus no UNICO pais judaico no mundo, onde pessoas como eu possam se sentir seguras de pessoas como VOCE: anti-semitas, anti-israel, cheias de odio gratuito e q poderiam fazer mal a inocentes por conta de mentiras espalhadas por ai, como essas q vc espalha. Qual o problema de judeus quererem se sentir seguros em um pedacinho de terra menor q Sergipe? E mesmo assim Israel nao impede a entrada de pessoas de outras religioes e crencas, como qdo absorveu algumas dezenas de pessoas de Ghana para se livrarem da guerra civil de seu pais. Nao, essas pessoas de Ghana nao sao judeus e vivem muito dignamente aqui. Ah, os coitados civis palestinos q conseguem fugir de Gaza tb vivem dignamente aqui (ah, isso ja comentei em outro post) e por ai vai.

      • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

        Pois eu digo uma coisa, Hadassah:o anti-semitismo é uma coisa muito feia, e não há quem não reconheça isso hoje em dia, depois das cruzadas, inquisições, pogroms, holocaustos e tudo o mais que já aconteceu. Pra se disfarçar, o anti-semita hoje usa a máscara do anti-israelismo, que é a nova face do anti-semitismo, e que é aceita, por parecer a simples representação da desaprovação das ações de um estado moderno. Mas não é, pois não há críticas construtivas, e tão somente paixões exacerbadas e mal escondidas. O mundo é grande. Todos os povos têm o direito a viver em paz, não importa religião, raça, idioma, origem… tudo isso, no fundo, é irrelevante. O que importa é o caráter individual de um homem, seus valores e sonhos.

  • http://aflordosul.blogspot.com Hakime

    Pois eu faço das palavras de Henrik Mourão as minhas palavras.
    Só pra finalizar sobre Ceuta e Melila, as cercas lá barram a entrada de pessoas vindas de Marrocos, que às vezes até morrem a tentar entrar em solo europeu, o mesmo se dando nas Ilhas Canárias, no caso das gentes do Senegal. E, se flei do Kwait e da Itália, é apenas para dar exemplos de que Israel não é nenhuma exeção naquilo que faz, seja de bom ou de mal. É um Estado como qualquer outro, como o Brasil, como qualquer outra democracia ocidental. Israel participa todos os anos do Eurovision. O Líbano já foi convidado uma vez, mas retiraram-no do concurso por ele recusar-se a transmitir as emissãoes de todas as nações participantes, pois ia cortar a apresentação israelense, o que foi visto ( e de fato é) como uma medida anti-democrática. E, quem representou Isarel no Eurovision deste ano? Uma árabe! Mira Awad, nascida em Ar-Rama, na Galiléia…

    • Daniel

      “Pra finalizar sobre Ceuta e Melila”? OK, finalizado…

----- Consulte os arquivos do Amálgama ||| Publique ||| Contato ||| Para reproduzir nossos textos -----