PESQUISA

Preciosa: Uma história de esperança

por Amálgama (12/02/2010)

por Jean Garnier – O filme Preciosa: Uma História de Esperança (estreia hoje) é mais do que um comovente relato dos passos dados por uma abandonada que até conseguir sorrir. Ele vai além, e com supreendentes atuações mostra o renascimento de uma vida que começa a se ver importante em meio à sociedade. No bairro […]

por Jean Garnier – O filme Preciosa: Uma História de Esperança (estreia hoje) é mais do que um comovente relato dos passos dados por uma abandonada que até conseguir sorrir. Ele vai além, e com supreendentes atuações mostra o renascimento de uma vida que começa a se ver importante em meio à sociedade. No bairro novaiorquino do Harlem vive a pouco expansiva, ignorante, obesa e deprimida garota de dezesseis anos, Claireece “Precious” Jones (Gabourey Sidibe). Ela pouco fala, dificilmente está alegre e foge da realidade com alguns pensamentos, como nas fantasias que tem com o professor ou como quando se vê como uma estrela hollywoodiana.

A jovem divide o sempre nebuloso apartamento simples (que fica mais escuro ainda devido ao cafona papel de parede) com sua mãe Mary (Mo´Nique). A progenitora, um poço de ódio e amargura, que poderia ser sua salvação, na verdade é o seu grande tormento e passa os dias entre o cigarro e a televisão. Ela odeia a maneira da filha ter esperenças de melhoria e a trata como uma empregada doméstica, sempre a acusando de ter lhe tirado o marido, que num ato de violência, abusou sexualmente da agora grávida Precious. Mary bem que poderia fazer a janta, mas prefere que a protagonista o faça, para depois ter motivos de sobra para massacrá-la com qualquer tipo de ataque verbal.

As coisas começam a mudar depois que o diretor inscreve Precious em uma escola alternativa para alunos que merecem atenção especial. Essa oportunidade de salvar uma alma perdida em meio aos mortos faz com que ela saia do inferno e passe a ter uma vida real. O contato dela com o amor e carinho dado pela radiante professora Rain (Paula Patton) e pela atenciosa assistente social Weiss (Mariah Carey) faz com que ela aos poucos recupere a dignidade.

O diretor Lee Daniels conseguiu retratar os horrores de um drama urbano através de um realismo cru. Ele que no começo da década retratou Hale Berry numa sociedade preconceituosa em A Última Ceia, agora expõem o estudo de uma adolescente traumatizada, tudo de maneira simples e reforçado por um elenco convicente — isso inclui os cantores Mariah Carey e Lenny Kravitz, este numa curta participação como enfermeiro John. O Oscar de atriz coadjuvante para Mo´Nique é dado como quase certo.

[ veja o trailer ]

Amálgama

Site de atualidade e cultura, com dezenas de colaboradores e foco em política e literatura.