PESQUISA

Da arte de moderar comentários

por Amálgama (23/05/2009)

Aqui acolá o Amálgama recebe um link na home do Yahoo! Brasil. Tudo muito bom, são milhares de visitantes, gente assinando o feed, cadastrando os e-mails, deixando comentários valiosos, entrando em contato para saber se pode colaborar com textos… Mas como nem tudo são flores, a cada vez que o blog recebe um fluxo maior […]

Aqui acolá o Amálgama recebe um link na home do Yahoo! Brasil. Tudo muito bom, são milhares de visitantes, gente assinando o feed, cadastrando os e-mails, deixando comentários valiosos, entrando em contato para saber se pode colaborar com textos…

Mas como nem tudo são flores, a cada vez que o blog recebe um fluxo maior de leitores me vejo forçado a aumentar a lista de palavras negras do sistema de comentários, de modo que comentários que contenham alguma delas caiam na pasta de moderação.

Até o início da semana passada a lista praticamente incluía apenas os nomes das genitálias masculina e feminina e algumas de suas mais célebres variantes. Nos últimos dias, no entanto, me vi incluindo na lista palavras tão simplórias quando “pinto”, que para mim, rapaz de cidade pequena, não poderia ser outra coisa além daquilo que sai do ovo (aliás, incluí “ovo” também). Aprendi que, dependendo do grau de mau humor do comentarista, “pinto” pode adquirir conotações mais, digamos, peludas.

Ontem, tive que incluir até “Jesus/Senhor” na lista negra. Quem diria…

É que passamos a receber comentários de alguém que assina assim, no post “Mais sobre os evangélicos e a homofobia“. Por meio de orações, ele convocava os demais internautas a se redimirem de posturas que reputa inapropriadas para um exemplar da espécie.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

De primeiro, fiquei emocionado, pensando estar recebendo a visita do próprio Messias. Mas logo me desiludi. O Jesus comentarista informava hora um e-mail UOL, hora um Yahoo (mas o mesmo IP o entregou como Uno), quando todos esperamos do filho de Deus, no mínimo, que possua um serviço próprio de e-mail. Ademais, em suas últimas tentativas de se fazer ler no Amálgama, Jesus comentarista, não obstante sobrar em conjugações verbais ao estilo barroco, mostrava clara deficiência em acentuação básica e uso da vírgula — quando todos acreditamos que a Onisciência do Jesus verdadeiro deva incluir proficiência em todos os aspectos da língua portuguesa e, by the way, de todas as línguas inventadas e ainda por inventar.
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

De qualquer forma, o que quero dizer é que moderar comentários é uma arte. Pura interpretação de texto. “Porra” é liberado quando em “Porra, que texto bacana!” ou em “Porra, você não está dizendo coisa com coisa!”, mas quando refere-se a algo mais escorregadiço, deve ir para a lixeira. Até para ver logo o comentário no ar, sugerimos aos leitores bem intencionados usar “Pô”.

Aproveito a oportunidade para esclarecer uma dúvida de muita gente: “Por que comentários tão simples e educados como os meus estão sempre indo para a moderação?” É que o sistema da lista negra é bem rigoroso. Assim, se o seu comentário contém palavras como “culpado” ou “paulada”, ele irá para a moderação por causa, respectivamente, das sílabas cu cul e pau. Mas não se preocupe: se o seu caso for deste tipo, sua opinião irá ao ar após pouco tempo de espera.

Daniel Lopes

Amálgama

Site de atualidade e cultura, com dezenas de colaboradores e foco em política e literatura.