PESQUISA

O futuro com o Twitter

por Amálgama (18/06/2009)

por Murilo Andrade * – A internet é cheia de casos de sucesso. O Google, o WordPress, a Wikipedia, o Blogger, o YouTube e o The Pirate Bay são só alguns deles. O mais recente é o Twitter. O site já coleciona milhões de usuários, alguns deles declarados completamente viciados na ferramenta. Grandes meios de […]

por Murilo Andrade * – A internet é cheia de casos de sucesso. O Google, o WordPress, a Wikipedia, o Blogger, o YouTube e o The Pirate Bay são só alguns deles. O mais recente é o Twitter. O site já coleciona milhões de usuários, alguns deles declarados completamente viciados na ferramenta. Grandes meios de comunicação, como Globo e Veja, criaram uma conta na página. Com tanto reconhecimento fica uma dúvida: o Twitter veio para ficar ou não passa de uma moda passageira? Para responder a isso é preciso compreender as mudanças que ocorreram na internet e que permitiram sua popularização.

Primeiramente, o Twitter nunca seria levado a sério se não houvesse uma mudança na visão que as pessoas tinham dos blogs. Quando estes surgiram, eram vistos com péssimos olhos pelo senso comum. Um blog não possuía poder algum, visto que era tido ou como um diário despretensioso ou um lugar onde se difundiam boatos. Depois de um tempo, determinados blogs conquistaram uma audiência enorme, atraindo assim a atenção de diversas empresas, desejosas de veicularem suas propagandas pela internet. Com o dinheiro que começaram a ganhar da publicidade, os blogueiros perceberam que valia a pena abandonar seus empregos para se dedicar completamente às suas páginas, ganhando assim cada vez mais leitores com essa mudança. Graças ao sucesso crescente, tornou-se possível que qualquer cidadão competisse com meios de comunicação tradicionais, como os jornais, por exemplo.

Essa ideia foi elevada à enésima potência com o Twitter. Em qualquer hora, em qualquer lugar, qualquer pessoa pode escrever sobre algum fato do qual foi testemunha e que acabou de acontecer, dando assim furos em todos os jornais, sites e canais de televisão. O único problema é que dificilmente se poderá dar créditos aos tweets sem antes terem sido confirmados pela mídia tradicional, já que a informação pode ser mero boato criado por algum engraçadinho – para resolver isso, a empresa responsável pelo Twitter teria que criar um mecanismo que identificasse quais são os perfis mais confiáveis, o que levaria muito tempo e seria provavelmente impraticável.

Segundo, o sucesso do Twitter só foi possível graças à popularização da internet banda larga. Você acha que alguém escreveria um tweet por minuto se usasse internet discada? Aliado a isso há a divulgação gratuita feita pelos blogueiros e famosos que ingressaram no site, permitindo que o serviço de microblogging se tornasse o que é hoje, um fenômeno que ameaça roubar a audiência dos sites de notícia.

Já citados os dois fatores, pode-se concluir que o Twitter ficará cada vez mais popular, na medida que for difundido pelos usuários e principalmente ganhar traduções para outras línguas. E então será considerado uma das formas mais eficientes de se manter informado. Minuto a minuto, lendo os fatos pelas palavras de quem viu, a notícia se transmitiria a todos, retweet por retweet. Mas, evidentemente, o Twitter será usado para outras funções. Existirá aqueles usuários que o usarão para ficar por dentro da vida dos seus ídolos, debater idéias, divulgar alguma atividade, conversar, mandar mensagens aos famosos e políticos. Seu chefe também terá um Twitter, onde divulgará notícias e metas da organização, seu professor agendará aulas via mensagem direta, etc… Eventualmente, também terá pedofilia, e brigas de torcidas rivais serão marcadas por ele. Ocorrerão calúnias, difamações e outras coisas que também acontecem no Orkut. Cumpre-nos cuidar para que ele não se torne um lugar de propagação de crimes.

* Murilo Andrade, Aracaju-SE, estuda Biblioteconomia na Universidade Federal de Sergipe. Blog: tvediversao.blogspot.com.

Amálgama

Site de atualidade e cultura, com dezenas de colaboradores e foco em política e literatura.