PESQUISA

Foi um dos desempenhos mais sofríveis da série de entrevistas do Roda Viva.

O Roda Viva de ontem, com Jair Bolsonaro, começou e terminou sem que soubéssemos qual é o seu projeto de país. Podemos centrar o resumo em duas frases. Sobre o passado, Bolsonaro declarou que “não podemos discutir ditadura militar, temos 14 milhões de desempregados, precisamos pensar sobre os problemas do país”. Sobre os problemas de país, declarou que “não podemos aceitar que um pai encontre o filho de seis anos brincando de boneca”.

Falou-se muito sobre as polêmicas colecionadas pelo candidato ao longo de seus sete mandatos na Câmara dos Deputados. Falou-se pouco sobre a sua plataforma. Também, pudera: exercendo mandatos eletivos desde 1989, o deputado federal pelo Rio de Janeiro não se destacou exatamente pelos projetos aprovados ou apresentados, mas pelas manifestações dentro e fora da tribuna parlamentar.

Como no programa em que foi entrevistado o presidenciável João Amoêdo, o desempenho dos jornalistas não foi dos melhores. Também, pudera: como entrevistar um homem a respeito de sua visão de Brasil, sem que ele tenha uma visão de Brasil apresentada previamente?

Questionaram bastante a Jair Bolsonaro sobre suas posições a respeito da última ditadura militar, que durou de 1964 a 1985. Perguntaram-lhe sobre a tortura, sobre execuções sumárias e corrupção dos governos militares. Para quem estranhou o volume de questões a respeito do passado, cumpre lembrar que Manuela d’Ávila, durante boa parcela de sua participação, também foi questionada a respeito do stalinismo, da defesa enfática de seu partido à Venezuela e à Coreia do Norte, e sobre os crimes do comunismo. Foi questionada a esse respeito, inclusive, pelo coordenador do programa de Bolsonaro para a área rural, Frederico d’Ávila. Nada mais natural que o deputado fluminense fosse perguntado, à mesma maneira da candidata comunista, sobre suas posições extremamente controversas a respeito de um obscuro período de nossa história.

Mas, o programa não centrou-se apenas no período militar. Não centrou-se sequer nas polêmicas em que o candidato se envolveu, que lhe valeram dois processos (por apologia ao estupro e injúria racial). Nem perguntaram apenas sobre a pública e notória homofobia do candidato, anuviada no mote de defesa da família e dos bons costumes. Perguntaram sobre sua política de segurança pública, sobre seus posicionamentos econômicos e sociais, sobre saúde e sobre educação. Jair Bolsonaro teve uma oportunidade singular de apresentar o seu programa que, alegada e supostamente, a mídia esconderia. Se optou por obumbrar ainda mais o tema, foi uma escolha inteiramente sua.

Sobre a ditadura militar

A primeira pergunta da bancada sobre temas relacionados à ditadura militar foi direcionada por Maria Cristina Fernandes, do jornal Valor Econômico. Lembrou a jornalista ao candidato de que durante a última aprovação de impeachment, saudou a memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, notório torturador do regime, que por Bolsonaro foi apodado como “terror de Dilma Rousseff”. Perguntou-lhe se, num eventual governo seu, a tortura como prática por forças militares teria carta branca, em vista da apologia de tão hediondo crime tantas vezes manifestada. Respondeu o candidato declarando a inocência do coronel Brilhante Ustra, porque sua sentença não teria transitado em julgado, e disse que abomina a tortura, mas que o que aconteceu à época era justificável diante do contexto da Guerra Fria (1945-1989). Por fim, disse que a grande maioria dos que alegam ser torturados não o teriam sido; que só uma pequena parte teria sofrido “alguma maldade”, que tudo se trataria de uma fraude “para conseguir indenizações, piedade da população, votos e poder”.

Lembrou-lhe em réplica a jornalista de que o Brasil recentemente foi condenado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos por não investigar a morte de Vladimir Herzog, ocorrida em 1975. Limitou-se Bolsonaro a dizer que “esses órgãos internacionais têm um viés esquerdista” e de que lembram-se de Herzog, mas esquecem-se de outros assassinados por atentados terroristas da esquerda armada, durante o regime. Tudo deveria ficar no passado, não deveria ser discutido, porque tivemos a aprovação da lei da anistia, disse. Por fim, lembrando de cor um editorial d’O Globo de 1984, assinado por Roberto Marinho, em que acertadamente apontava que havia um crescente clima de radicalização política às vésperas do golpe militar, deixou uma ameaça velada: “o clima de agora é muito parecido com o da época; quem nos salvará?”.

Noutro momento, Ricardo Lessa relembrou a morte de Vladimir Herzog – que, aliás, era jornalista da TV Cultura, emissora do programa Roda Viva – perguntando-lhe se foi um crime. Bolsonaro pôs em descrédito o homicídio de Herzog, apontando a versão (muitas vezes desmentida) de que teria sido um suicídio. Disse que sobre esse assunto, nada interessa ao país. Que apenas aconteceu, lamentavelmente, mas é passado.

Adiante, Bolsonaro soltou a primeira mentira do debate. Declarou que o golpe de 1964 “não foi golpe, porque ele (João Goulart) tinha fugido do país, e quem declarou vaga a cadeira do presidente do país foi o parlamento brasileiro”. A manifestação do candidato a respeito da história não é só imprecisa, mas falsa. O presidente João Goulart estava em território nacional, no Rio Grande do Sul, quando foi cassado por supostamente ausentar-se do país. E mais: as Forças Armadas estavam nas ruas prendendo todas as autoridades constituídas contrárias à instalação do novo regime. Se não foi golpe, o que seria golpe?

Disse também que, afinal, não havia ditadura. De que a eleição indireta para presidência seria suficiente para caracterizar uma democracia. Nesses termos, então, seriam os irmãos Castro legítimos representantes democráticos de seus países? Afinal, foram eleitos indiretamente pelo parlamento, à semelhança dos Kim da Coreia do Norte, dos Castro em Cuba, de Stálin na União Soviética, de Idi Amin Dada em Uganda, de Saddam Hussein no Iraque, e da grande maioria dos ditadores sanguinários do século passado. De brinde, ainda negou a existência da censura durante o período. Sapecou, ainda a respeito da ditadura, de que “eu, se fosse militar àquela época, teria feito a mesma coisa”.

Leonencio Nossa, d’O Estado de São Paulo, apontou que entre os últimos ex-presidentes, tivemos um exilado pelo regime militar (Fernando Henrique Cardoso), um preso político (Lula da Silva) e uma terrorista que foi torturada (Dilma Rousseff). Questionou ao candidato, então, se haveria durante o seu regime a possibilidade da abertura dos arquivos do regime militar brasileiro, especialmente os que tratam a respeito da repressão à luta armada e das torturas. Bolsonaro, primeiro, desconversou: falou sobre o Foro de São Paulo; falou do primeiro casamento de Dilma com Cláudio Galeno, que sequestrou um avião e fugiu para Cuba, durante o regime; falou do segundo casamento com Carlos Araújo, cuja lua de mel teria sido passada roubando bancos e assaltando reservas de armamento de quartéis, “para estimular (sexualmente) seu relacionamento”. Fugiu pela tangente, uma vez que a pergunta não se tratava dos arquivos da ditadura cubana, nem da vida afetiva e sexual da ex-presidente. Leonencio, então, perguntou-lhe se não seria interessante abrir os arquivos para sabermos melhor disso. Bolsonaro negou a existência de qualquer arquivo, primeiro, contradizendo-se ao ora apontar que foram destruídos, ora que nunca foram sequer documentados. Depois, afirmou que eram matéria de segurança nacional e que só poderiam ser publicados depois de transcorrido certo período. Mas, publicados como, se supostamente não existiram, ou foram destruídos?

Um momento especialmente constrangedor para o candidato ocorreu no último bloco. O ex-ministro José Gregori afirmou que o deputado, na tribuna da câmara, disse que foi um erro do regime militar não ter fuzilado a si e a Fernando Henrique Cardoso, perguntando: “é verdade?”. Bolsonaro disse que no caso de Fernando Henrique, sim, mas de Gregori, não procederia mais o dito, porque um guerrilheiro do biotipo dele não valeria a pena, era um guerrilheiro de garganta. Aproveitou para ensejar que tem imunidade parlamentar e pode falar, desde a tribuna da Câmara, o que ele quiser. Muito corretamente lembrou-lhe Bernardo Mello Franco de que o candidato estava espalhando fake news, posto que José Gregori nunca foi guerrilheiro, tendo atuado durante o regime militar como advogado de direitos humanos, defendendo presos políticos.

Sobre o programa de governo

Sobre o tema de sua plataforma, a primeira questão foi a respeito da economia. Thaís Oyama, da Veja, apontou-lhe que sempre que questionado sobre o tema, o presidenciável diz que não entende de economia, e que quem pode responder a esse respeito é Paulo Guedes, seu provável ministro da Fazenda. Perguntou-lhe então: “se o senhor e Paulo Guedes brigarem, o senhor tem um plano B?”. Bolsonaro disse que era impossível brigarem, que ambos têm grande afinação. E que, para a economia, Paulo Guedes é o “seu posto Ipiranga” – e que tem vários outros “postos Ipiranga”, em referência à famosa propaganda da rede de postos, que diz ao consumidor que, em qualquer dúvida sobre qualquer coisa, “pergunte no posto Ipiranga”.

Thaís, então, apontou que o candidato e seu possível ministro da Fazenda tem perfis muito opostos, sendo Bolsonaro um estatista e Guedes um liberal, muito acertadamente, e que faíscas poderiam acontecer. Aliás, lembrou-lhe que uma infinidade de possibilidades existem, como a do seu ministro morrer ou se afastar por qualquer razão. Teriam os seus apoiadores de rezar pela saúde de Guedes? O deputado, então, limitou-se a dizer que não tinha outra alternativa em mente, e que nem Guedes, nem ele, morreriam. Parabéns ao deputado por revelar um dom, finalmente: o de prever o futuro.

Ainda a respeito de terceirizar suas opiniões sobre economia, foi questionado por Bernardo Mello Franco, que apontou: “o senhor vota o orçamento geral da União, enquanto deputado, há duas décadas. Nunca se preocupou em aprender ou estudar mais sobre economia?”. O candidato fugiu, dizendo que nunca foi membro da Comissão de Orçamento – como se nunca tivesse votado o orçamento, afinal! – e que não ter sido membro de Comissão não significa a impossibilidade de dirigir o país. Mas, a pergunta dirigida não foi essa. Foi sobre a sua preparação para o cargo. Bolsonaro fugiu e não respondeu.

Criticou o candidato do PSL o projeto de reforma da previdência, apresentado pelo então ministro da Fazenda – e hoje candidato – Henrique Meirelles. Afirmou que fará um projeto diferente, menos radical, e que será aprovado em parcelas, paulatinamente, ao longo do governo. Como se não fosse uma questão urgente. Como, aliás, se o rombo previdenciário não fosse imenso e alarmante. A razão? Medo da oposição da esquerda e uma suposta consciência de que não seria aprovado, do modo como está, pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal, como mesmo declarou em resposta à questão de Thaís Oyama.

Perguntado sobre os privilégios previdenciários dos militares, como no caso dos 1.800 coronéis da Polícia Militar de São Paulo que vencem pensões maiores que o salário do governador, limitou-se a por a culpa em Geraldo Alckmin, fugindo da pergunta. E mais: diz que a aposentadoria especial que defende para militares, com tempo de serviço e idade menores que as gerais a serem aplicadas para a população, não seriam privilégios. Privilégio para o candidato, fica muito claro, é aquilo que outras classes recebem: como todo bom sindicalista, o papel que Bolsonaro representa, para a sua classe, os privilégios seriam justiça.

Incongruentemente, manifestou-se mais de uma vez como liberal, sendo sempre apontado como “estatizante” pelos repórteres. Sem surpresas, fez uma defesa do estatismo no regime militar, citando que foi fundamental para a construção de obras faraônicas, e que a iniciativa privada não seria capaz de construir, por exemplo, a usina binancional de Itaipu, e mais de vinte outras usinas hidrelétricas, além das estradas. Estranhamente, ainda, apontou que devem ser privatizadas apenas as estatais ineficientes. Seu projeto econômico liberal é meramente discursivo.

Sobre a educação, uma vez perguntado por Mozart Neves, do Instituto Ayrton Senna, disse o candidato que investiria pesadamente. Em primeiro lugar, inverteria a base, alocando mais recursos no ensino básico do que no ensino superior. Também não escolheria um ministro da Educação com background político, mas um profissional gabaritado, como também faria para o ministério da Ciência e Tecnologia (apontando mais à frente como possível indigitado para esse ministério, o tenente-coronel Marcos César Pontes, primeiro astronauta brasileiro).

A respeito do importante tema da saúde, limitou-se a apontar a melhoria da economia e da empregabilidade, com redução de impostos, como fator preponderante para melhorar a saúde no Brasil. Falou abobrinha, também, a respeito de causas da mortalidade infantil. Faltaram propostas concretas ou claras sobre o tema.

Quanto à segurança pública, além do excludente de ilicitude – ou licença para matar, a depender da interpretação de quem ouça – limitou-se a apresentar um único projeto durante a entrevista. Trata-se da castração química de estupradores, que protocolou na Câmara dos Deputados há alguns anos, e tem tramitado sem nenhum sucesso. O grande problema é que, não fosse apenas o projeto pífio e insuficiente para resolver o problema da segurança pública no Brasil, que também vai muito mais além dos estupros, assaz preocupando-nos, muito mais, o crime organizado, ele tem outro grave problema: o projeto é inconstitucional. Jamais seria aprovado dada a inconstitucionalidade. Além de insuficiente, é inviável. O jeito, como sempre, vai ser pedir ajuda no posto Ipiranga.

LEIA MAIS  Meu voto é anti-PT

O momento mais positivo da entrevista – o único, arrisco dizer – foi quando falou da importância da revogação do Estatuto do Desarmamento. Desempenhou um bom papel nesse momento, quando lembrou que o Estatuto foi aprovado à revelia da manifesta vontade da população, que votou contra o desarmamento em um referendo em 2005. E falou, com certo controle e propriedade, sobre o direito de autodefesa que cada cidadão deveria ter. Foi, em verdade, a única coisa factível e concreta que apresentou durante sua participação no Roda Viva.

Sobre polêmicas e incoerências

A primeira polêmica protagonizada pelo candidato, fora do eixo das perguntas do regime militar, foi quando declarou que a procuradora-geral da República teria feito um desserviço ao Brasil ao protocolar ação contra o voto impresso, enquanto fugia pela tangente de uma pergunta sobre a lei da anistia. Daniela Lima, então, perguntou-lhe: “o senhor repetiu diversas vezes que eleição sem voto impresso é uma fraude. Por que o senhor estaria se dispondo a participar de uma farsa?”. Bolsonaro disse que mudou de ideia. Posto contra a parede, então, perguntou-lhe a jornalista se reconheceria uma derrota nas urnas. O candidato respondeu-lhe de que “o sentimento que eu tenho nas ruas é de que eu tenho mais votos que Lula”, mas de que “as eleições estarão sob suspeição”. Mudou de ideia novamente o candidato?

A seguir, perguntou Bernardo Mello Franco se o candidato, que se proclama outsider, poderia realmente sê-lo. Afinal, ao longo de seus sete mandatos consecutivos, participou de partidos comandados por Paulo Maluf e Roberto Jefferson, condenados por corrupção, e era visto com frequência ao lado de Eduardo Cunha, hóspede da carceragem da Polícia Federal. Jair Bolsonaro declarou que gostaria de ter estado mais vezes ao lado de Eduardo Cunha, e que lhe é agradecido pela aprovação do projeto do voto impresso. Aproveitando o ensejo, mentiu mais uma vez: disse que foi o único candidato a deputado dentre um rol de 1400 postulantes a não aceitar uma doação da JBS/Friboi. Nesse ponto, foi desmentido pelo entrevistador, que lembrou a Jair Bolsonaro que ele limpou a origem, devolvendo ao PP o montante, que foi depositado de volta pelo partido através do fundo partidário.

Essa postura, de fugir quando perguntado a respeito de suas companhias (como Maluf ou Cunha), foi uma constante durante o programa. Limitou-se a repetir uma frase que supostamente o ministro Joaquim Barbosa teria dito sobre sua conduta, durante o processo do Mensalão: de que foi o único membro da base aliada de Lula a não ser comprado pelo PT.

Foi questionado por Frei David dos Santos, da Ordem dos Frades Menores, que dirige uma organização não-governamental chamada Educafro – e é notório defensor dos governos do PT – a respeito das cotas raciais. É um assunto que o candidato tem uma postura claríssima, defendida radicalmente ao longo de seus últimos mandatos, e que conta com a concordância de parcela significativa da população brasileira. Aliás, muito arrazoadamente, diante do universo de seus eleitores e simpatizantes, porque muitos discordam de que exista uma dívida histórica a ser paga, ou de que cotas raciais seriam o melhor caminho.

Seria esperado do candidato, diante da pergunta sobre as cotas, um bom desempenho a respeito de um tema que domina bem. Infelizmente para o deputado e seus eleitores, o candidato disse que não tem um projeto a respeito das cotas raciais, apesar de ser contra, e demonstrou que não sabe o que fazer, enquanto presidente. Limitou-se, no mais, a falar de seu sogro, cujo nome social seria Paulo Negão, e de sua filha, que tem direito às cotas, apesar de ser filha de um deputado rico. Não seria mais fácil apresentar um caminho para extinguir, mitigar ou substituir, de acordo com sua visão política, as ditas cotas? Aparentemente, o candidato prefere a conversa fiada como método de gestão. Ou, nem sequer acredite em sua candidatura, a ponto de recusar a ter um programa de governo centrado nas posições por ele defendidas.

Disse que não é homofóbico, que sua questão é a respeito meramente do material escolar, que chamou algumas vezes, durante sua participação, de “kit gay”. E, mais: disse que ninguém sabia se era Jair Bolsonaro homossexual ou não. A respeito das dúvidas possíveis que ele tenha sobre sua sexualidade, isso só lhe diz respeito. Contudo, sua atitude homofóbica, agora negada, é pública. Em mais de uma ocasião manifestou-se, ao longo de seu mandato, dizendo que bateria em dois homossexuais se os vissem se beijando na rua. Se isso não é homofobia, qual nome dar-se-ia a tal comportamento?

Foi também perguntado o deputado a respeito de privilégios dos políticos, como o auxílio-moradia. Como um suposto outsider que representaria os anseios do povo brasileiro, era uma excelente oportunidade para o deputado manifestar-se enfaticamente contra as tantas benesses de sua classe, mostrando-se alguém diferente. Ainda mais, um excelente ensejo para desviar-se do papel ridículo prestado outrora, quando justificou o recebimento de auxílio-moradia, apesar de ser proprietário de um apartamento em Brasília, no Edifício Rio Madeira, como necessário para “comer gente” – numa alusão ao fato de que o contribuinte sustentou seus programas sexuais. Infelizmente, desperdiçou o momento ideal: defendeu os privilégios do parlamento, limitando-se a alegar que gastou metade do que o PSOL do Rio de Janeiro inteiro (que tem dois deputados) – ou seja, gastou a mesma coisa.

Thaís Oyama prestou um excelente serviço à sociedade durante uma pergunta, a respeito das inconstâncias do deputado. Primeiro, lembrou-lhe uma afirmação que o deputado teria dito durante seu segundo mandato, de que “deveriam ter fuzilado pelo menos umas 30.000 pessoas” durante o regime militar, e de que, se presidente, fecharia o Congresso. O deputado disse que mudou, se tornou um democrata, e não pensa mais assim. Depois, foi perguntado a respeito de outras mudanças, relembrando que Jair Bolsonaro declarava apoio a Hugo Chávez no passado, de que votou em Lula em 2002, de que supostamente quis ser parceiro de chapa de Aécio Neves em 2014. (E, aliás, bem poderia ter perguntado sobre o apoio dado por Bolsonaro a Ciro Gomes em 1998; ou sobre a declaração de apoio à nomeação de Aldo Rebelo, do PCdoB, ou José Genoíno, do PT, para o Ministério da Defesa). Bolsonaro limitou-se a dizer que os outros são quem mudaram de ideia, não ele.

Bolsonaro foi questionado por Leonencio Nossa a respeito de seu entendimento sobre “ordem”. Apontou que o candidato participou de greves e motins, no Exército, e sempre apoiou greves nas polícias militares dos Estados. Bolsonaro mentiu descaradamente ou esqueceu-se convenientemente, negando que tenha participado de qualquer movimento militar. O deputado admitiu que participou de atos de indisciplina e deslealdade dentro do Exército ao Superior Tribunal Militar, foi acusado de planejar atentados a bomba, e esteve envolvido num motim que culminou com um militar – o hoje tenente-coronel da reserva Luiz Fernando Walther de Almeida – rendendo o prefeito da cidade de Apucarana, no Paraná. Ambos terminaram sendo presos. Bolsonaro, aliás, só escapou de ser expulso dos quadros do Exército porque pediu licença do cargo e candidatou-se a vereador do município do Rio de Janeiro, vencendo a eleição: daí em diante, nunca mais retornou ao posto militar.

Questionado a respeito sobre uma afirmação que teria feito numa palestra para pessoas atuantes no mercado financeiro – de que metralharia a Rocinha, justificou-a, dizendo que tratava-se de dar meios de defesa à polícia. Contudo, defendeu a ampliação do excludente de ilicitudes para agentes de segurança pública, com o intuito de dar claramente guaridapara execuções sumárias – afinal, reagir a bandidos e matá-los eventualmente, em legítima defesa, é muito diferente de atirar à queima-roupa para fins de homicídio; para a reação, o excludente de ilicitude já existe e funciona bem. E fez uma piada, quando perguntado se era, afinal, uma espécie de carta-branca para matar o que Bolsonaro pretendia dar aos policiais: “não, o policial tem de dar uma florzinha para o bandido que está atirando”.

Quando perguntado sobre sua atuação parlamentar e a pouca efetividade, Jair Bolsonaro foi pego na mentira mais uma vez, apresentando números falsos. Disse que, ao longo de seus mandatos, apresentou mais de 500 projetos de lei. Foi desmentido por Bernardo Mello Franco, que deu o número de 176 como o verdadeiro. Bolsonaro disse “que seja”, confirmando. Não seria uma diferença monstruosa entre 500 e 176? Ainda a esse respeito, perguntou o que o deputado fez pelo estado que o elegeu, o Rio de Janeiro. Bolsonaro limitou-se a responder, tergiversando, que nunca foi secretário de Estado, nunca esteve ao lado de Sérgio Cabral, e que por isso nunca fez nada pelo Rio de Janeiro. Além de colocar a culpa dos outros – um modus operandi parapetista, aliás – limitou-se a dizer que Ciro Gomes, seu concorrente, apresentou muitos menos projetos que ele.

Em sua última pergunta relevante, foi questionado a respeito dos refugiados, e sua postura anti-imigração no Brasil – algo que copiou, aliás, dos populistas na Europa e nos Estados Unidos, e que não nos é absolutamente natural. Falou negativamente da situação dos venezuelanos em Roraima, como se não fosse nossa obrigação recebê-los – principalmente depois de termos apoiado, através dos governos do PT, o regime que causou esse imenso fluxo de refugiados vindos daquele país. E criticou a lei de imigração, que permite a entrada no território nacional de quase todo imigrante que quiser.

Não poderia terminar senão fazendo uma menção elogiosa a Carlos Alberto Brilhante Ustra, que dominou parte de sua participação no Roda Viva. Ustra seria o autor do seu livro de cabeceira, A verdade sufocada – onde nega a existência de torturas e execuções, salvo em excepcionais passagens. Bem ao gosto de Jair Bolsonaro e seu desempenho no programa.

Desempenho geral

É claro que, para os eleitores de Jair Bolsonaro, o desempenho foi maravilhoso e deslumbrante. Bolsonaro, aliás, em suas cabeças, já está eleito presidente no primeiro turno. O candidato falou para convertidos, dizendo absolutamente tudo o que seu público queria ouvir. Nesse sentido, perde pouco ou quase nada, em termos de intenções de votos já firmadas a respeito de seu nome.

Faltou combinar, todavia, com o resto da população brasileira e com a audiência do programa. Existem pessoas inclinadas a votar em Jair Bolsonaro, na base do “é o menos pior”, “é a nova solução”, ou seja, em votar nele como um outsider que vai revolucionar as bases da política no Brasil. Essas pessoas não têm grande predisposição em apoiar tópicos como a ditadura militar, cujo integral apoio manifestou o candidato em diversos momentos durante sua participação no Roda Viva. Também foi muito infeliz para o candidato sua vacilação em posturas, a falta de clareza nos projetos econômicos e sociais, a falta de capacidade em apresentar ideias para a educação e a saúde, por exemplo. Entre os indecisos que assistiram o programa, o candidato perde muito.

Na nossa avaliação, isto é, de quem acompanhou e escreveu sobre quase todos os presidenciáveis que participaram do Roda Viva – com exceção de Marina Silva e Geraldo Alckmin, deixados para outra oportunidade – foi o segundo pior desempenho de um candidato nessa rodada eleitoral. (Perde, é claro, para a entrevista com João Amoedo, excepcionalmente ruim, com uma bancada muito fraca também.) Era a participação de Jair Bolsonaro, nesse programa de ontem, a grande oportunidade de surpreender, apresentando um programa eleitoral claro e conciso, e abandonando a oportunidade de polemizar com temas que, embora tenham lhe rendido sucesso até aqui, o fazem hoje chegar no teto máximo de suas intenções de votos.

Para o público eleitor de Bolsonaro, é óbvio, a Amálgama é esquerdista por publicar esse texto. O editor e o autor devem estar recebendo dinheiro do Foro de São Paulo, dos irmãos Koch, de George Soros, do PT, de Ciro Gomes, de Henrique Meirelles, da JBS/Friboi, de alguma entidade comunista secreta. Deveríamos todos ir para Cuba. Mas, para os eleitores brasileiros, especialmente os indecisos e os que assistiram ao programa sem maiores pretensões, ficou nítido: ou Jair Bolsonaro amacia o discurso e passa a ter um projeto sério de país, à semelhança de todos os outros presidentes desde Fernando Collor de Mello (que, apesar de corrupto e impichado, abriu os mercados e transformou a economia brasileira positivamente), ou não será eleito presidente da República em outubro. Afinal, o efeito Trump só deu certo porque Trump tinha um projeto claro, coisa que sua versão genérica e tabajara não tem.

Lucas Baqueiro

Liderança do Livres no sertão de Pernambuco.