PESQUISA

O que é arte, afinal?

por Amálgama (27/08/2008)

por Tais Luso – Gostar de arte é algo subjetivo, depende de uma porção de coisas. Tenho o meu conceito, mas não quer dizer que seja o certo. É o certo para mim. Alguém pode não gostar da fase do Barroco, Romantismo, Cubismo, Realismo, Surrealismo ou Pop Arte… Mas penso em arte quando ela é […]

Quadro de Angela Menezespor Tais Luso – Gostar de arte é algo subjetivo, depende de uma porção de coisas. Tenho o meu conceito, mas não quer dizer que seja o certo. É o certo para mim. Alguém pode não gostar da fase do Barroco, Romantismo, Cubismo, Realismo, Surrealismo ou Pop Arte… Mas penso em arte quando ela é pura e verdadeira – não empulhação. Penso no artista quando ele é dotado de dom, de excelente técnica, de bom gosto e de espírito crítico.

Partindo deste princípio, algo de bom estará a caminho. Jamais virá, deste artista, um horror. Por certo ele terá algumas de suas obras mais apreciadas do que outras. Normal.

Horror, pra mim, é o que vejo em certas Bienais:

Vejo uma porção de tijolos empilhados: é arte.

Vejo tocos de madeira cercados de arame farpado: é arte.

Vejo um maluco que resolveu fazer, de um assento de vaso sanitário, uma moldura para espelho: é arte.

Vejo uma montanha de pneus acompanhados de uma placa qualquer: é arte.

Vejo paralelepípedos em seqüência: é arte.

Vejo uma porção de palitos de fósforo colados numa tela de Eucatex: é arte.

Vejo um copo sobre uma mesa: é arte.

Será que tenho de achar tudo isso magnífico e inovador? Chego à conclusão que estou fora do contexto. Não consigo entender de arte. E olha que tentei… Fiz uma força incrível para achar tudo isso uma maravilha. Mas deu errado; algo não funcionou em minha percepção.

Leio e vejo arte em vários museus, galerias, residências, oficinas e igrejas. Vejo obras de Rembrandt, Michelangelo, Da Vinci, Renoir, Cézanne, Salvador Dali, Juarez Machado, Di Cavalcante, Manoel Santiago, H. Perea, Portinari, Manabu Mabe e por aí afora… E depois dou de cara com essas monstruosidades e minha sensibilidade tem de se amoldar rapidamente? Não dá. Sou meio vagarosa. Lerda.

Gosto da Pop Art, embora tenha começado nesta fase a mistura de objetos. Surgiram artistas como Andy Warhol – representante máximo desta arte popular nos Estados Unidos, com sua conhecida Marilyn, entre outras pinturas. Não posso achar ruim Allen Jones, Richard Hanilton, Roy Lichtenstein ou Wesselmann, grandes artistas. Muitos de seus trabalhos são populares e alegres: bonitos e técnicos.

Há artistas espetaculares em todas as fases e em todas as épocas. São muitos. Eu só não gosto de ser enganada. Não quero ninguém tentando me convencer que uma tripa de ferro velho é um avião, e que as asas ficam para minha imaginação… Não quero imaginar.

Arte, para mim, é quando ela tem a capacidade de me emocionar, de me fazer sonhar, quando me dá prazer em olhar e descobrir detalhes, técnica, perfeição e beleza. Enfim, ver uma obra inteligente. E isso existe na pintura clássica, moderna, em todas as escolas e períodos. Arte é o contrário do grotesco, do repetitivo. É imaginação e delicadeza, pois vai ao encontro de nossos sentimentos.

Mas fico a pensar o quanto não seria emocionante ter vários palitos colados em Eucatex e um troço desses dependurado na parede de minha sala… Substituiria qualquer ‘Aldo Locatelli’.

Além de sonhar com essa palitada toda, ainda chamaria essa obra de ‘Palitos em Profusão!’

Amálgama

Site de atualidade e cultura, com dezenas de colaboradores e foco em política e literatura.



avatar
Suelen de Andrade Viana
Pois é! Pois é! Vai entender. Há artes e artes. Gosto do tema e acho legal qdo vc define arte para vc mesma e diz que “é quando ela tem a capacidade de me emocionar, de me fazer sonhar, quando me dá prazer em olhar e descobrir detalhes, técnica, perfeição e beleza.”. Acho q deve ser assim para a maioria das pessoas. O embarasso está na subjetividade de nossas emoções. Por isso que um copo sobre uma mesa pode ser uma obra de arte para quem o criou e não para vc ou para mim. Mas nem tudo pode ser… Leia mais »
Renato Medeiros
Na semana que passou realizei um trabalho nas ruas de Maceió perguntando a várias pessoas o que era arte. Perguntei a artistas, intelectuais, jornalistas, estudantes, funcionários públicos, vendedores de DVD, donas de casa… Cada um tinha uma resposta diferente. Você acaba de dar mais uma resposta distinta. Sinceramente, eu não consigo dizer o que é arte e nem o que não é. Nem para mim e nem para os outros. Eu prefiro passar essa pergunta. Mas acho sincera a sua resposta. Que bom que você já consegue chegar a alguma resposta. =) Sobre essas artes contemporâneas, é como dizem por… Leia mais »
João Grando
Isso é que nem perguntar “o que é amor?”, a resposta é um caleidoscópio. Mas é preciso respeitar a arte contemporânea e pós-moderna, ela é como um poema feito de objetos, de ações etc: é um pequeno quebra-cabeça que guarda como resultado uma idéia, um sentimento, ou mesmo uma pergunta. Eu sempre digo que ela é que nem uísque: os que gostam e já se habituaram a “consumir” obtêm um paladar apurado e sensível a nuances e diferenças minuciosas. Para os que não estão acostumados é do tipo “como alguém pode gostar disso aqui!?”. Os artistas que tu citaste certamente… Leia mais »
priscila
priscila

e legal a arte do romatismo,nos nao somos nada sem a arte.a arte estar em tudo…bjos..

Leonardo Augusto
Leonardo Augusto
Concordo com o rapaz acima. A arte contemporânea pode agradar a outras pessoas assim como a arte clássica. A minha forma de arte favorita é a música. O que eu posso dizer é que as composições de Beethoven, Bach e afins sempre vão ser grandes obras de arte da humanidade, assim como os artistas que você citou (Michelangelo, Da Vinci, Renoir…). Porém, um dos estilos musicais que eu aprecio muito atualmente é o trip-rock, que mistura elementos de música eletrônica e soft rock criando atmosferas hipnóticas e melancólicas como nenhum outro estilo consegue fazer (quem tiver curiosidade, ouça os álbuns… Leia mais »
priscila
priscila

gostei do seu comentário e de suas espressões mexe com a gente….

Marcos Araujo
Marcos Araujo

Só tenho mesmo que fazer um agradecimento emocionado para a Tais Luso, que conseguiu me traduzir tudo, mas realmente tudo o que eu sempre senti a respeito da arte, mas que por não ter sido privilegiado por ele, “Deus”, com o dom da arte “arte”, tanpouco da fala ou da escrita donde se ausenta sempre a arte ou o dom, em não se tratando do mesmo ser intangível, da elaboração de idéias objetivas e claras, jamais conseguí, eu mesmo, definir.

Muito obrigado minha admirada expoente, se expoente já não é, por sí só, admirada.

Artista Li
Artista Li

Até entendo que tenha dificuldade em compreender como um copo sobre a mesa pode ser considerado ‘arte’… Mas sempre foi assim: arte é o que as pessoas responsáveis pelo campo artístico dizem que é arte. Ponto. Se essas pessoas estão vesgas, talvez a sociedade (que permitiu serem estas pessoas as julgadoras do que é arte) também esteja vesga.
E as coisas são assim: quando os primeiros trabalhos Imprecionistas apareceram foram chamados de “borrão grotesco” e repudiadas como sendo um “horror”…

Eduardo Fiel

Não sou crítico de arte, marchand ou curador.
Sou pintor. Realista. Por experiência, conheço as necessidades de expressão do artista e os imperativos do mercado de arte.
Se à primeira vista, algo for apresentado como “arte” e parecer um engodo é porque o é.
O primeiro sinal de engodo é quando diante da “técnica do objeto” você pensa: Um macaco faria (melhor).
O segundo sinal é quando diante do “conceito do objeto” você compara: Se isto é arte, o que é arte?
Engodo é a arte dos oportunistas.

Josué Luiz
Josué Luiz

Depende de como ele conseguiu a peça se no ferro velho ,é arte se no lixo é solidário com os catadores e colecionador de quiquinlharias

Leudo

A arte é exatamente isso. É essa possibilidade de abrir instâncias que fogem do óbvio. Há muito de peças decorativas que chamamos de arte. Não deixa de ser. Pois, a mão de alguém se ocupou de moldar nalgum material e, criando um movimento, ocupando o espaço vazio. Não há relatividade na arte. Há admiração, ou, indignação,mas, nunca o desprezo. Afinal, nem toda beleza deve está esculpida em carrara. Ou na estampa esguia da Gisele Bütchen.

Gaby Vicari
Gaby Vicari
Oi! Primeiramente, concordo que arte é uma questão de gosto, como você disse gostar da Pop Art e Andy Warhol, por exmplo, tem gente que não gosta, que olha para as cores simplesmente em cima das fotos e diz “qualquer um faria isso”, mas o importante não é olhar para a tela e buscar apenas a sua emoção, observar um objeto artistico, seja ele pintura, escultura é também se colocar na posição do artista, da sua época, compreender esse sentimento ajuda. A maioria das pessoas que conheço não entende o sucesso de Picasso, por que não entendem a intenção da… Leia mais »
wpDiscuz