PESQUISA

Amantes, de James Gray

por Amálgama (28/08/2009)

por Jean Garnier — “João amava Teresa, que amava Raimundo, que amava Maria, que amava Joaquim (Phoenix)”… esse pequeno trecho do poema “Quadrilha”, de Carlos Drummond de Andrade, poderia ser um ótimo resumo do que mais ou menos acontece no filme Amantes (dir. James Gray, estreia hoje), um filme sincero sobre frustrações no campo do amor, […]

por Jean Garnier — “João amava Teresa, que amava Raimundo, que amava Maria, que amava Joaquim (Phoenix)”… esse pequeno trecho do poema “Quadrilha”, de Carlos Drummond de Andrade, poderia ser um ótimo resumo do que mais ou menos acontece no filme Amantes (dir. James Gray, estreia hoje), um filme sincero sobre frustrações no campo do amor, no qual várias pessoas abandonam a razão para focar na emoção.

A história é centrada em Leonard Kraditor (Joaquim Phoenix), um judeu bipolar depressivo e potencialmente suicida, com pouco mais de 30 anos e que mora em Nova Iorque. Enquanto atravessa um período de desilusão após o fim de um relacionamento, duas mulheres vivem ao seu redor simultaneamente, sendo que uma nem imagina a existência da outra. Seus pais querem que ele se case com uma delas, filha de um amigo, a atraente e simpática Sandra (Vinessa Shaw). Só que nem tudo é tão fácil assim e quando Leonard está se aproximando da garota, surge a misteriosa loira Michelle (Gwyneth Paltrow), uma vizinha mais velha do que ele, viciada e apaixonada por Ronald Blatt (Elias Koteas), um bem sucedido advogado, casado e que banca suas despesas.

O filme é equilibrado e as indecisões viram parte do conflito entre os personagens. O protagonista teme em dar um passo no desconhecido, se vê dividido entre a mulher apaixonada e a mulher confusa. Mesmo cuidando para não magoá-las, resolve se previnir, com medo de ter novas grandes frustrações. Ao mesmo tempo em que Leonard é seco e evasivo com Sandra, ele é totalmente solicito com Michelle. Há ainda sua mãe, Ruth Kraditor (Isabella Rossellini), a figura protetora preocupada com o filho. A direção e o roteiro de James Gray (Os donos da noite) conduziram de forma intensa e envolvente esse melancólico e sombrio filme, oferecendo a sua visão de uma solidão amarga e um amor promissor.

Phoenix, em outubro do ano passado, afirmou que iria abandonar a carreira de ator para ser cantor de hip hop –- a entrevista que deu ao apresentador David Letterman até hoje é motivo de chacota, tanto por sua figura caricata, quanto pelas respostas monossilábicas enquanto mascava chiclete. Mas, se realmente Amantes se confirmar como o seu último ato, terá sido uma grande despedida.

Amálgama

Site de atualidade e cultura, com dezenas de colaboradores e foco em política e literatura.