PESQUISA

O que você entende por “cultura popular”?

por Amálgama (08/09/2008)

por Rosane Martins * – Museus, centros de tradições ou centros culturais. Esses são alguns dos espaços que a sociedade instituiu com o objetivo de preservar a cultura de um povo, baseados no princípio de que ao guardar objetos antigos, documentos ou promover a apresentação de manifestações culturais estavam contribuindo para manter vivo o seu […]

Manifestação popular em Itaúnas-ES [foto: Larissa Ventorim]por Rosane Martins * – Museus, centros de tradições ou centros culturais. Esses são alguns dos espaços que a sociedade instituiu com o objetivo de preservar a cultura de um povo, baseados no princípio de que ao guardar objetos antigos, documentos ou promover a apresentação de manifestações culturais estavam contribuindo para manter vivo o seu passado. Para algumas pessoas, não importa se o Museu não é visitado ou o centro de tradições não reúne público considerável – o fato de terem um museu já lhes dá a falsa idéia de estar preservando o passado.

Antes de abordar a temática “cultura popular”, gostaria de falar sobre um museu em especial – cuja história, em minha opinião, exemplifica a inadequação desses espaços para preservação da cultura, quando a população não demonstra interesse e nem se reconhece nesses ambientes. Quando estive realizando as pesquisas para o livro Por trás das cortinas: A trajetória do humorista João Cláudio Moreno, fui a Piripiri, cidade interiorana onde nasceu o artista piauiense. Na ocasião, visitei o Museu de Perypery – inaugurado em 4 de julho de 1987 –, cujo protagonista do livro havia sido um dos idealizadores.

Na época da fundação, a população participou de forma ativa, inclusive doando peças para a instituição. Com o intuito de também preservar o patrimônio arquitetônico da cidade, o Museu foi instalado em um dos prédios mais antigos do município e que pertencia à União Caixeiral. Durante a visita, realizada em junho de 2006, pude perceber que o Museu estava praticamente abandonado. Os buracos no teto, o assoalho deteriorado, as paredes perdendo parte do revestimento, a escada de madeira quase inutilizada e os objetos empoeirados e com teias de aranha demonstravam a pouca visitabilidade ao local.

No Museu podem ser encontrados fotografias, discos, paramentos dos primeiros padres alemães – que foram enviados ao município, chinelos de couro, armas e até mesmo acessórios e peças de roupas da mais famosa prostituta da cidade (segundo os moradores), conhecida como Brigela. Provavelmente, quando o Museu foi instituído, seus idealizadores entendiam a cultura como tudo que tinha origem no passado, sem ter necessariamente ligações ou utilidades no presente. Ao ver a cultura popular presa a objetos ou simulacros que perderam sua utilização e estão descontextualizados, comete-se um equívoco, pois não se percebe que elementos culturais tendem a ser preservados no presente e que qualquer elemento só se conserva enquanto tiver sentido para as pessoas.

A partir dos pressupostos citados, evidencia-se que os moradores daquele pequeno município deixaram de preservar o edifício e seus objetos, porque não se reconheceram mais nos mesmos, não distinguindo neles a sua cultura.

 
Em busca de uma definição para “cultura popular”
A delimitação das categorias “popular” e “cultura popular” tem, historicamente, várias nuances. Segundo Antonio Torres (História oral e memória, Contexto, 1994), “cada época recupera e atribui ao popular um sentido, que, em princípio, resulta das disputas ou das relações no interior dos discursos, na medida em que estes discursos se propõem estabelecer determinados imaginários”. Sob esse ponto de vista, para buscar estabelecer um conceito para cultura popular faz-se necessário definir, inicialmente, o que é cultura e, especialmente o que é popular.

No decorrer dos anos, inúmeros foram os conceitos de cultura propostos por estudiosos. Mas, nenhum deles se mostrou completo. Segundo Marina Marconi e Zélia Presotto (Antropologia: uma introdução, Atlas, 1989), Edward Tylor foi o primeiro a formular um conceito de cultura. Tylor definia cultura como um todo complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outros hábitos e aptidões adquiridos pelo homem como membro da sociedade.

Quanto ao termo popular, para uma abordagem mais objetiva, basta ver o conceito utilizado no Aurélio: “próprio do povo, ou feito por ele”. Daí, se juntarmos as definições dos termos “cultura” e “popular”, poderíamos chegar a uma prévia definição do conceito de “cultura popular”. Entretanto, encontrar uma significação não é tão simples, porque definir um conceito é como engessar um processo, visto que exclui “objetos” que deveriam fazer parte.

No entanto, se realmente se faz necessário estabelecer uma definição – para tê-la como parâmetro – posso estabelecer que, para mim, cultura popular são manifestações populares que persistem no tempo e mantêm-se vivas na sociedade, sejam essas manifestações materiais, sejam imateriais. E, é importante salientar, para ser classificada como popular uma manifestação tem que ter circulação em diversas classes sociais, e não apenas na chamada classe popular em oposição à classe dominante.

O conceito de cultura popular – como produto do povo – só chegou ao Brasil no final do século XIX, com o movimento Contra-Romântico, conhecido popularmente como Realismo. A partir dos anos 60 do século XX, tornou-se difícil a utilização do termo, pela dificuldade de definir o que era popular. Cabe destacar que um dos grandes problemas da historiografia é o uso de conceitos globalizantes, pois eles tendem a manifestar uma identidade homogênea. E o conceito que homogeniza empobrece a análise.

O problema em se definir cultura popular está também ar no fato de querer segregá-la de outras manifestações, como a “cultura erudita”. Um grave equívoco, pois cultura é por definição mistura, não existe cultura original. Adicionado a isso, a partir do momento que as distâncias diminuíram entre cada uma das comunidades geograficamente isoladas, não se pode mais falar em cultura pura, não afetada por fatores externos. Toda cultura é híbrida e multifacetada. A globalização fez diminuir as distâncias de espaço-tempo e acelerou essa verdadeira mescla cultural.

 
* Rosane Martins formou-se em Jornalismo pela Universidade Federal do Piauí em 2006. Especialista em História Cultural, adora ler, escrever e fotografar. É co-autora do livro Por trás das cortinas: a trajetória do humorista João Cláudio Moreno. Atualmente, realiza pesquisas na área de Mídia e Práticas Sócio-Culturais.

Amálgama

Site de atualidade e cultura, com dezenas de colaboradores e foco em política e literatura.