PESQUISA

Ainda a guerra no Leste congolês

por Amálgama (28/10/2008)

por Pe. Osnildo Klann * – Acompanho com tristeza e preocupação os acontecimentos do Leste congolês. Diariamente abro o site da Okapi para ver a evolução dos fatos. No dia 22, o Estado-Maior das Forças Armadas Congolesas (FARDC) fez veemente apelo, um ultimatum, ao Grupo FDLR ( Força Democrática de Libertação de Ruanda) para obedecer […]

por Pe. Osnildo Klann * – Acompanho com tristeza e preocupação os acontecimentos do Leste congolês. Diariamente abro o site da Okapi para ver a evolução dos fatos.

No dia 22, o Estado-Maior das Forças Armadas Congolesas (FARDC) fez veemente apelo, um ultimatum, ao Grupo FDLR ( Força Democrática de Libertação de Ruanda) para obedecer às declarações de Nairobi (Quênia), voltando para casa (Ruanda) ou permanecendo na RD do Congo, mas como exilados e não como guerreiros. (Em Ruanda eles são perseguidos.)

Esse grupo é constituído essencialmente de hutus e de antigos soldados revolucionários de Ruanda e de milicianos interahamwe, que combatem também contra o governo ruandês e provocam a desestabilização do Leste congolês.

O comunicado das Forças Armadas da RD do Congo adverte que, se a FDLR não obedecer ao processo de Nairobi, terão que endurecer para restabelecer a estabilidade e a paz na região dos Grandes Lagos, com a ajuda das forças da Monuc (Missão da ONU no Congo).

O comunicado diz o seguinte: “ Tratando-se de grupos armados ruandeses, a FDLC e outros, o Estado Maior das FARDC da Republica Democrática do Congo, com o precioso apoio logístico da MONUC, já deslocou, nesses dias, para as províncias do Norte Kivu e Sul Kivu, 11 batalhões de nossas Forças Armadas, para restabelecer a autoridade do Estado e pôr em pratica o plano militar contra esses agrupamentos ilegais”.

O Leste congolês é um ninho de grupos guerreiros que disseminam o terror, o medo e a destruição naquela área, derramando muito sangue inocente, como exclamam indignados os bispos congoleses: “Até quando a nossa terra deverá ainda ensopar-se no sangue de seus filhos e filhas?”

Eles denunciam também com coragem o que está por detrás de todas essas lutas: encobrir o roubo dos recursos naturais do país e a exploração ilegal e criminosa de suas riquezas. Não temem os senhores bispos de pôr o dedo na chaga, apontando um plano desestabilizador da região: “balcanizar”o pais congolês pela criação de pequenos Estados, como aconteceu na região dos Balcãs, na Europa. E com veemência, eles reagem: “ A Conferência Episcopal Nacional do Congo lembrará sempre que a integridade territorial, a intangibilidade das fronteiras e a unidade nacional da RD do Congo não podem ser negociadas”.

Em sua declaração do dia 13 de outubro passado, os bispos condenaram energicamente o nefasto e intolerável recrutamento de crianças para a guerra e tocaram num outro ponto fundamental das relações humanas: não pode haver paz sem justiça. “ A impunidade encoraja novas veleidades insurrecionais”. Não há justiça por aqui.

Em todo esse emaranhado de acontecimentos tristes e dolorosos, perpassa a onda nefasta da corrupção. É o que li no noticiário de dias atrás: a assembléia nacional criou uma CPI para verificar os possíveis desvios dos fundos destinados para as tropas que lutam no Norte Kivu e a ajuda humanitária enviada para os refugiados de guerra. Infelizmente, aqui a corrupção já está institucionalizada. Nada se realiza sem ela.

Que a paz habite em nossas fronteiras!

 
* Padre Osnildo Carlos Klann é catarinense, membro da Congregaçâo dos Padres do Sagrado Coraçâo de Jesus, à qual serviu no Brasil e na Itália. Hoje, desenvolve projetos junto à população de Kisangani, na República Democrática do Congo.

Amálgama

Site de atualidade e cultura, com dezenas de colaboradores e foco em política e literatura.