PESQUISA

por Jean Garnier – Uma gigantesca e sinistra nave espacial fica encalhada no céu de Joanesburgo, a capital sul-africana, e depois o silêncio, nada acontece, o que deixa a população extremamente curiosa. Tempos depois, uma equipe é enviada para uma investigação e são encontrados milhares de alienígenas frágeis, doentes, famintos e que imploram refúgio no […]

distrito9por Jean Garnier – Uma gigantesca e sinistra nave espacial fica encalhada no céu de Joanesburgo, a capital sul-africana, e depois o silêncio, nada acontece, o que deixa a população extremamente curiosa. Tempos depois, uma equipe é enviada para uma investigação e são encontrados milhares de alienígenas frágeis, doentes, famintos e que imploram refúgio no nosso planeta. Esse é Distrito 9 (estreia hoje) uma ficção científica produzida por Peter Jackson (Senhor dos Anéis), que mostra que é possível fazer filmes interessantes sem estrelas hollywoodianas ou orçamento monstruoso.

Quase 30 anos depois, esses extraterrestres bípedes com aparência de crustáceos são chamados pejorativamente de “camarão” e estão amontoados em um lugar que mais parece um misto de campo de concentração com gueto, tamanha é a precariedade, violência e vigilância a que são submetidos. O Distrito fica totalmente isolado dos humanos e logo de cara deixa uma pergunta: são eles que estão cercados ou somos nós que nos cercamos para se proteger deles?

Só que a presença desses seres por tanto tempo na região (no início é mostrado toda a história desde a chegada até os dias atuais) começa a desagradar aos nativos, principalmente depois de alguns atos de selvageria e distúrbios violentos cometidos por esses estrangeiros.

O governo, apoiado pelas forças armadas, resolve que a área seja removida para bem longe dos centros populacionais. É quando as coisas começam a ficar mais difíceis, principalmente para um funcionário da MNU, a multinacional que irá realizar essa mudança, chamado Wikus Van De Merwe (Sharlto Copley), que foi encarregado de noticiá-los e convencê-los a empreender essa “simples” mudança.

distrito9-2

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mesmo escondendo a sua covardia e forçando uma simpatia, Wikus sempre é recebido com muito destrato e, numa visita em que obriga os alienígenas a assinarem o termo de desocupação, algo sai errado. O agente fica intoxicado por um vírus que muda o seu DNA, e o que era uma tentativa pacífica de conversa explode num terrível caos. Logo, Wikus tem um braço igual ao deles, começa a ser perseguido pela sua própria empresa e por nigerianos que são obcecados em se transformar em extraterrestres.

Neill Blomkamp dirigiu toda essa atividade com um frenético foco de câmera portátil e ritmo que lembra um documentário. Mesmo se passando na África e fazendo uma alusão ao “Distrito 6”, que na década de 1970 expulsou 60 mil moradores na Cidade do Cabo, em momento algum é mencionado a palavra apartheid, e o diretor até negou que esse era o tema da produção. Só que é impossível ver esse cenário e não lembrar da segregação racial durante toda a projeção.

[ veja o trailer ]
[ visite o site oficial do filme ]

Amálgama

Site de atualidade e cultura, com dezenas de colaboradores e foco em política e literatura.