PESQUISA

JOÃO VILLAVERDE - Marina define quem será o próximo presidente do Brasil

-- Marina na coletiva ao final do dia de eleições --

por João Villaverde – Com apenas 1 minuto e meio de televisão e uma campanha estratosfericamente mais barata que dos rivais, Marina Silva (PV) recebeu mais de 19,4 milhões de votos nas eleições realizadas ontem e levou a disputa para o segundo turno.

Ela, no entanto, não estará nele.

A disputa do segundo turno ocorrerá entre Dilma Rousseff (PT), que obteve mais de 46 milhões de votos (46,5% do total), e José Serra (PSDB), que recebeu 32,6 milhões de votos (32,7% do total).

Para onde vai Marina Silva? E o PV?

O PV foi fundado em meados dos anos 1980, sendo o partido da esquerda que se preocupava com o meio ambiente. Na mesma época, Marina Silva já militava no PT, partido que ajudou a fundar, em 1981, em seu Estado, o Acre, com Chico Mendes. Enquanto o PV foi, ao longo dos anos 2000, caminhando para o centro, Marina foi se embrenhando pelo PT, virando senadora chamariz e, depois, ministra do Meio Ambiente do governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), entre janeiro de 2003 e maio de 2008.

Marina deixou o PT em setembro de 2009, depois de ter fundado e militado por 28 anos. Filiou-se ao PV, partido que obteve seu maior êxito recente ao levar Fernando Gabeira, um de seus fundadores, a 49,5% dos votos nas eleições para prefeitura do Rio de Janeiro em 2008.

Detalhe importante: a aliança do PV no Rio, de Gabeira, foi e é costurada com PSDB e DEM.

As perguntas, então, se repetem: o que fará Marina? E o PV?

Tem gente que já saiu defendendo Gabeira como vice de Serra para, assim, engolir a maior parte dos 19 milhões de votos de Marina.

Isso é só o começo.

Fato é que Marina Silva (PV) define quem será o próximo presidente do Brasil.

João Villaverde

Jornalista, autor de Perigosas pedaladas: Os bastidores da crise que abalou o Brasil e levou ao fim o governo Dilma Rousseff. Foi pesquisador visitante na Universidade de Columbia, NY, e atualmente é mestrando em administração pública e governo na FGV-SP.