A “invasão muçulmana” da Europa

A discussão hoje não deve ser mais (apenas) em torno do "multiculturalismo", mas sim sobre os limites da tolerância.

france-sharia-4-france

Antes mesmo da ISIS os ânimos europeus contra muçulmanos estavam exaltados. A isto, junta-se a xenofobia, o ódio ou rechaço à imigrantes como um todo. Por quê?

A resposta é mais complexa do que querem direita e esquerda. Ou, na verdade, ambos os lados estão mais próximos da resposta do que pensam, porque é um misto das reclamações vindas dos dois lados do espectro.

A “invasão” muçulmana/estrangeira apregoada pela extrema-direita é real. Ao menos é real na percepção de muitos, de gente que inclusive sempre se identificou com a esquerda ou com movimentos de trabalhadores, mas votará (ou votou) na Frente Nacional na França. Há lugares na Europa onde se vê mais estrangeiros que nativos, cidades onde não se vê um nativo em certos postos de trabalho e, com a crise, a situação piorou, com imenso desemprego de nativos e, claro, de estrangeiros e naturalizados.

Não se pode desprezar o sentimento de imensa parte da população europeia apenas com bravatas e com pedidos de “inclusão”. Se é verdade que muitos países recebem mal estrangeiros, ou recebiam mal, por outro não faltam aqueles que se recusam a se adaptar e a respeitar as regras do país onde vivem.

Querendo ou não, a Europa tem origem ou ao menos desenvolvimento cristão, logo, é intolerável para muitos o uso de burkas ou mesmo, como acontece em Bruxelas, regiões da cidade serem controladas por grupos muçulmanos que impõem suas regras de conduta. Há alguns anos surgiu até mesmo um grupo militante buscando impor o islamismo na Bélgica!

Para o europeu médio (e na verdade para qualquer pessoa normal), um grupo islâmico pregar a imposição da sharia à população da Bélgica é simplesmente inaceitável. Essa semana um imigrante de Burundi invadiu uma delegacia e, aos gritos de “Allah é grande”, em árabe, atacou um policial com uma faca e foi morto a tiros. O irmão dele já tentou se juntar à ISIS. Angela Merkel chegou a dizer que o multiculturalismo estava morto, não tinha dado certo. E ela tem certa razão na afirmação, pese suas intenções na declaração não serem as melhores. De fato há locais em que o multiculturalismo falhou miseravelmente.

Temos um problema circular, onde guerras impulsionadas pela Europa e EUA no Oriente Médio, por exemplo, criam levas de refugiados que acabam na Europa. Por outro lado, refugiados que encontram sua salvação na Europa acabam por se fanatizar e engrossar fileiras de grupos que serão, então, combatidos pela Europa – ou mesmo grupos dentro de países europeus, o que causa maior animosidade, ódio e medo por parte da população autóctone.

Há uma negativa firme de muitos grupos se integrarem às sociedades hospedeiras, assim como há sem dúvida xenofobia arraigada. Nestes dois extremos, inexiste diálogo. Um lado acha que está tudo bem, que todos são bem vindos e que o medo que muitos sentem dos fanáticos islâmicos é irreal, do outro o grupo que se aproveita deste medo para pregar a xenofobia, para ampliar as guerras que pioram a situação e que, no fim, criam apenas mais medo.

Há um problema do excesso de imigrantes chegando na Europa, que está em crise e é incapaz de receber tamanha quantidade de pessoas. Mesmo na sempre aberta Escandinávia há problemas. Há cidades onde a população local periga tornar-se minoria, com hordas de imigrantes pedindo dinheiro nas ruas ou trabalhando como ambulantes, pois não há emprego para todos e nem Estado de bem estar que aguente. É incompreensível que um francês ou um sueco sinta-se mal por temer se tornar minoria em seus próprios países ou cidades? Somemos a isto também o medo do terrorismo islâmico, que já causou vítimas em atentados cinematográficos dentro da própria Europa.

À esquerda e à direita busca-se atirar mais álcool no fogo. Um lado pede total aceitação, nega problemas; o outro prega o ódio. O lado do ódio tem vencido, porque sabe aproveitar problemas reais e jogar; mas a esquerda perde espaço também por, no poder (fingindo que Socialistas europeus são esquerda), acabar repetindo a direita e não conseguir sustentar seu discurso.

Sou um estrangeiro no País Basco e na Espanha e tenho consciência de minha condição e de que sou eu quem deve realizar os principais (senão todos os) esforços para me integrar. Não sou eu quem deve impor minha visão de mundo, meus costumes ou minha forma de pensar/agir; tenho que me adaptar e, no processo, buscar também ser entendido e respeitado. Infelizmente, não é sempre assim que acontece. O Sharia4Belgium que o diga.

Há exageros, claro. O banimento de burkas na França ou o mais recente caso de prefeitos se recusarem a servir carne que não seja de porco a alunos muçulmanos (e judeus) são exercícios de laicismo que têm o objetivo de confrontar os muçulmanos e não de efetivamente defender valores laicos. Por outro lado, o uso da burka em um país laico de histórico cristão é uma ofensa ao modo de vida de quem acolheu esta população.

É lógico que não estamos aqui lidando com a dicotomia europeus bonzinhos versus terríveis imigrantes muçulmanos, mas é impossível lidar com a situação sem antes entender o que pensam e pelo que passam os cidadãos europeus, que não são todos – individual ou coletivamente – responsáveis pelas guerras patrocinadas por seus países. Há clara xenofobia quando o europeu vira a cara para um imigrante africano, seja qual for sua situação, mas é indiscutível que ter imigrantes pedindo dinheiro nas ruas incomoda e, pior, quando você olha em volta e vê mais imigrantes que nativos.

A resposta da direita é incentivar o ódio, a da esquerda light é a de discursar de uma forma, mas agir de outra – criando ódio também – e a da esquerda é a de dizer que está tudo bem, que devemos aceitar e entender sempre e que este entendimento não deve ter limites.
Seria lindo se fosse fácil. O limite parece ter sido alcançado em muitos lugares. Agora, como lidar?

Tive experiências de andar por Bruxelas e só ouvir árabe por algum tempo, nas proximidades do Parlamento Europeu. Em Bilbao, há um bairro perto do meu (e olha que vivo em bairro cheio de imigrantes) dominado por africanos, lotado de prostituição, e muitos me dizem ser o único bairro onde é perigoso andar à noite. A história se repete pela Europa afora.

É óbvio que existe muito racismo envolvido (imigrantes brancos são mais bem recebidos que negros), assim como classismo (um imigrante qualificado é em geral bem recebido), mas é preciso ir além e buscar escutar as reclamações antes de simplesmente descartar como xenofobia ou ódio insensato ou “nazismo”, como chegaram a chamar uma manifestação imensa em Dresden contra a islamização da Alemanha. Certamente muitos ali eram neonazis ou fascistas, muitos eram abertamente xenófobos, mas outros tinham medo, tinham receio, não querem ver seu país se tornar islâmico e vêem que isto pode ocorrer:

Almost two-thirds of Germans, according to a poll for news magazine Spiegel by the TNS institute, believe that Angela Merkel’s government is not doing enough to address concerns about immigration and asylum seekers, and 34% think Germany is enduring a process of “Islamisation”.

Ao invés de diálogo, de entendimento, os críticos chamam a todos de “nazistas” e o problema permanece, com dois lados entrincheirados.

O crescimento do ódio é preocupante, mas nem tudo se resume a ódio. A discussão hoje não deve ser mais (apenas) em torno do “multiculturalismo”, mas sim sobre os limites da tolerância. É preciso buscar entender o que nos levou até esse momento de franco enfrentamento.

Qual o limite para a pregação do radicalismo, para o laicismo e para o não-laicismo? Qual o limite para a entrada de imigrantes em uma sociedade saturada? Qual o limite para as intervenções, guerras e desmandos europeus mundo afora que exacerbam ânimos e forçam imigração?

A esquerda não é capaz de debater os medos da população que, em boa parte, acredita estar sendo “islamizada” e invadida, um sentimento que não é totalmente deslocado. A esquerda também não foi capaz de demonstrar para esta população que em grande parte o crescimento do fundamentalismo e da imigração (i)legal vem das ações de seus próprios Estados contra a África e o Oriente Médio. Ora, recentemente o presidente de Burkina Fasso foi deposto pela população e, ao invés de ser preso e julgado, fugiu do país com ajuda da… França. Ou seja, o antigo colonizador continua a ajudar aqueles líderes que fazem seu trabalho sujo e mantém países em situação de miséria e controle ferrenho.

É impossível que a situação ou o sentimento de invasão na Europa mude enquanto a presença da Europa no mundo não mudar também. Mas descartar como simples preconceito ou “nazismo” o sentimento de amplas camadas populares em relação aos imigrantes é querer fechar os olhos para a realidade e acabar entregando de vez o jogo para a extrema-direita.





Raphael Tsavkko Garcia

Formado em Relações Internacionais (PUC-SP), mestre em Comunicação (Cásper Líbero) e doutorando em Direitos Humanos (Universidad de Deusto).










MAIS RECENTES


  • Rebeca

    Alguns imigrantes que chegam na Europa quando estao no fundo do poço e querem que a sociedade se adapte a eles ao invés de eles se adaptarem ao País que os acolheu

    • Ha casos assim – eu mesmo conheço alguns – como há casos em que são recebidos com pura xenofobia. Há de tudo e o problema é absolutamente integrado.

  • gabriel

    “É incompreensível que um francês ou um sueco sinta-se mal por temer se tornar minoria em seus próprios países ou cidades?”

    “é indiscutível que ter imigrantes pedindo dinheiro nas ruas incomoda e, pior, quando você olha em volta e vê mais imigrantes que nativos.”

    Cara, eu entendo o seu ponto, de faltar diálogo e novos modelos para se lidar com um problema real, mas o seu discurso parece muito uma xenofobia light de um esquerdista em crise de consciência.

    E olha que eu concordo com suas críticas à incompetência e negligência da esquerda em relação ao problema da imigração, mas o tom do texto tem muitos ares de xenofobia, na boa.

    “Pessoas pedindo dinheiro na rua incomodam”, sério? Melhor deixar eles passando fome nos países de origem, né, afinal o que os olhos europeus não veem, o coração não sente.

    “Parta da população não tem culpa pelas guerras e histórico de exploração de seus governos”, sério? Preciso mesmo dizer a um esquerdista como funciona a lógica de exploração do capitalismo que faz com que o paraíso europeu só seja possível graças a exploração no terceiro mundo. E olha que eu nem tô falando das agressões diretas, como os séculos de colonização e as guerras, como você mesmo citou. Na lógica do privilégio ninguém é isento de tirar proveito do oprimido. Achei que não tivesse que explicar esse tipo de coisa para alguém de esquerda.

    Enfim, não nego a importância de rever o debate sobre a imigração, pois há grandes a problemas a se lidar, mas enxergar tudo isso sob o olhar “do inocente europeu que está virando minoria” me parece etnocentrismo gritante demais para não chamar atenção, em um texto que possui bons pontos.

    • O “incômodo” a que me refiro não é o “visual”, e sim o incômodo da crise, o incômodo do medo do crescimento da violência que vem com a falta de perspectivas e o desespero. E essas pessoas muitas vezes passam fome na Europa, como passariam em seus países, a questão aqui é outra, como proponho mais ao fim do texto, discutir o que leva (ou traz, já que vivo na Europa) essas pessoas à vir para a Europa para se tornarem pedintes, para viverem na pobreza.

      E quando falo de parte da população não ter ~culpa~ é lógico que se trata de uma abstração, de ação direta, já que, novamente, me refiro à intervenções da Europa em países do Oriente Médio (por exemplo). Ademais, eu estou longe de defender punição coletiva.

      Não trat o o europeu como “coitado”, mas tampouco como um monstro responsável por todas as mazelas do mundo. Há uma imensa quantidade de europeus, inclusive, que se dedicam a defender os direitos desses imigrantes e de populações fora da Europa, a questão é que é preciso dar um passo além e atacar as causas da imigração descontrolada, baseada em busca por melhores condições de vida em países que, muitas vezes, a Europa explora.

      Por fim, não é etnocentrismo algum apontar que o europeu teme – com razão em muitos casos – se tornar minoria em seus países. Oras, pergunte a um indígena brasileiro ou a um membro de qualquer etnia mundo afora o que eles vão achar de se tornarem minoria em sua própria terra devido à imigração massiva.

      Imigração/migração é um fato da vida, intercâmbio, miscigenação e etc são algo que acontece e DEVE acontecer, mas uma coisa é um processo natural, outra é um processo incentivado por guerras, conflitos e desespero que causam, sim, pânico em quem se sente invadido. E eu não tenho como discordar desse sentimento quando você vê movimentos como o Sharia4Belgium e outros que efetivamente pregam contra a cultura e o modo de vida dos europeus.

    • Nicolau

      Fora com os invasores Neoimperialistas da Europa, que se f… na sua miserável África de analfabetos, incompetentes, subdesenvolvidos e macacóides fodidos! Não esquece que primeiro foram os imperialistas africanos que invadiram a Europa e dominaram, mataram e exploraram Espanha e Portugal de 711 até 1492!

  • tattiana salles

    Ótima análise. Acho que nem direita, nem esquerda, nem centro, nem ninguém sabe realmente o que fazer sobre a questão da imigração que é muito complexa. Existe questões culturais, étnicas e principalmente religiosas nesse caldo.

    Os gupos políticos fazem populismo barato, mas nenhum deles sabe de fato o que fazer, porque o momento é péssimo. A “Primavera Árabe”, grande responsável por essa imensa leva recente de imigrantes da África e do Oriente Médio para a Europa, veio junto da crise econômica que se abate sobre a zona do euro. Com a taxa de desemprego na casa dos dois digitos, medidas de austeridade que cortam serviços públicos e economia ruim, ninguém quer saber de imigrantes.

    Quanto a xenefobia e o rascismo esses de fato existem. Mas não são uniformes em todos os países. A França por exemplo, apesar da Frente Nacional, me parece mais aberta que a Alemanha.

    A Alemanha é um paradoxo. Em Berlim imigrantes turcos muçulmanos, por exemplo, são bem vistos. Já na Baviera todos os que não são germânicos são “seltsam” e tem “cheiro de alho”…

    • Eu não diria que a Primavera Árabe foi responsável, mas sim seu desdobramento. Governos posteriores ou guerras que se seguiram. Mas já era algo que estava para estourar cedo ou tarde. Mesmo a imigração “tradicional” já vinha incomodando e a crise foi realmente o estopim.

      Juntou dois eventos lamentáveis em um dado momento e a coisa estourou, mas o enfado já era visível antes com a quantidade de imigrantes. É possível ver na rua o desagrado, há áreas onde há mais imigrantes que locais (isso numa cidade pequena onde eu vivo, em grandes cidades como Paris ou Bruxelas é ainda “pior”), e o uso do véu é visto com desagrado ou quase como ofensa por muitos.

      Já cheguei a ouvir que mulheres “ocidentais” se vão a países muçulmanos são forçadas a usar véu, então porque quando as muçulmanas vem elas não tiram o véu e respeitam a cultura local? É uma reclamação recorrente. E vejo o enfado mesmo em gente progressista que sente que já deu, que algo precisa ser feito. Só não sabem o que. Xenofobia não é e nem nunca foi solução, mas há quem, por exemplo, peça por incentivos para que os imigrantes retornem às suas terras.

      Que recebam ajuda do governo para estudar, se especializar e que então retornem. É uma saída? Talvez. Será vista como xenofobia? Talvez. O grande dilema hoje é encontrar uma solução. O que eu sei, no entanto, é que o que importa é a percepção e não a frieza dos números. Não importa que 2% da população da Espanha seja muçulmana ou 6% da França (sem contar outros imigrantes), o que importa é que o que parece ser uma maioria enxerga como 30-40%. É preciso lidar com a percepção. Dizer que estão errados não adianta, isto está claro.

      • tattiana salles

        No caso da Primavera Árabe é complicado fazer com que todos voltem, pois muitos países estão sem Presidente, sem um regime político, viraram um caos controlado por milícias islâmicas violentas e fundamentalistas.
        Esses podem inclusive alegar que são refugiados políticos. É o caso da Líbia, da Síria, da Tunísia, do Mali, etc.

        • Sem dúvida. O que cheguei a ouvir eram franceses e espanhóis comentando que argelinos e marroquinos, uma parte considerável dos imigrantes muçulmanos nesses países, poderiam retornar e contribuir com seus países. Mas é aquilo, como fazer acontecer e, será o melhor método?

      • Зарастроика

        Você está certo, mas a intenção deles é colonizar religiosamente, não é estudar, profissionalizar, crescimento pessoal como a maioria da humanidade pensa, incluindo os brasileiros·

  • Impressionante, onde há muçulmanos, há ódio, há perseguição, há torturas, há violência, há mortes. Mas o autor do texto acima, Raphael Tsavkko Gracia ainda defende esses muçulmanos, que devem sair mesmo da Europa, lugar de muçulmano é em país muçulmano. A islamização da Europa, e conversão da Europa Ocidental, incluindo Rússia e Canadá ao Islamismo, será uma dos maiores retrocessos históricos e culturais da História da humanidade. Quando o muçulmanos se tornarem maioria nesses países, vão derrubar todas as igrejas, matar todos os cristãos, e instalar a Jihad e a Sharia, deflagrando uma terceira guerra mundial contra os Estados Unidos. Quero muçulmanos longe do Brasil.

    • Зарастроика

      A Rússia é muito fiel à sua cultura e religião, se for possível a islamização na Rússia, será muito difícil e com muito sangue·

      • Rodrigo Cézar Limeira

        A Rússia está perdendo 700 mil cristãos por ano, isso devido principalmente a baixa taxa de natalidade dos cristãos russos, O Islamismo será dentro de pouco tempo, a maior religião do país.

    • Alex Regis

      Eu diria que onde há ignorância há produção de preconceitos, intolerância e ódio. Quer dizer que onde não existe muçulmano não tem ódio, perseguição, violência ou tortura? Em que mundo vc vive? Demonizar os muçulmanos só potencializa o ódio.

      • Rodrigo Cézar Limeira

        Acho melhor amigo você procurar se informar melhor sobre o Islamismo. Já estudou os 20 mandamentos do Islamismo, acho que não, sabia que os muçulmanos matam cerca de 100 mil cristãos por ano no mundo, também acho que você não sabe, sabia também que há atualmente 150 milhões de cristãos perseguidos atualmente no mundo, também acho que você não sabe. Ou seja, não fica conversando ou opinando sobre o que não sabe. Com todo respeito, mas boca fechada não entra mosquito.

        • Alex Regis

          Que tal olhar ao seu redor, seu país. Nós matamos 52 mil pessoas apenas no Brasil ano passado. Vc já leu tudo o que está escrito na bíblia cristã, em seu antigo testamento? Nós todos seguimos, acreditamos e praticamos acriticamente tudo o que está escrito? Acaso os escritos dos cristãos não produziram nenhuma mal na terra? Nenhuma caça as bruxas? Nenhuma cruzada? Não quero justificar nada, mas não podemos ser unilaterais em nossos argumentos. E minha pergunta continar pertinente e vc não respondeu: Quer dizer que onde não existe muçulmano não tem ódio, perseguição, violência ou tortura?

  • O problema de tantos imigrantes estarem invadindo a Europa, é que o Alcorão diz que todo muçulmano deve ter muitos filhos, para que o islamismo domine o mundo e se torne a única religião. Como os países muçulmanos têm pessoas demais, as invasões aos países desenvolvidos da Europa tornam-se inevitáveis. É o Islamismo espalhando sua miséria pelo mundo, mortes, violência, intolerância e muitas coisas ruins.

    • Alex Regis

      Sério cara? Mas nessa lógica não era a China que era pra dominar o mundo?

      • Rodrigo Cézar Limeira

        A taxa de natalidade da China é de apenas 1,3% ao ano, enquanto nos países Islâmicos, essa taxa é de 8% ao ano, daí porque o Islamismo será em breve a maior religião do mundo.

        • Alex Regis

          Disso eu não tenho dúvidas, mas que “dominará” o mundo, que tentará estabelecer uma única religião mundial e que vai espalhar tudo o que não presta pelo mundo, ai é outra coisa. Os ocidentais acaso são o oposto de tudo isso? A questão é o que essa natureza de comentário sugere e incita. O que vc sugere no seu comentário? Tenho certeza que não busca relatizar nada, nem fazer autocrítica do ocidente, nem tentar mostrar a diversidade muçulmana, como se todos de maneira homogênea e dogmática fossem reproduzir tudo o os piores entre os seus pensam e fazem. Será que todos são iguais e representam tudo isso?

        • “Países islâmicos”… Amigo, qual? Te garanto que não é o caso da maioria dos países muçulmanos. Arábia Saudita tem taxa de 2 filhos, Irã não chega a 2, Jordânia 3, Síria 3, Iraque 4, Indonésia 2.3, Paquistão 3.26 e por aí vai. A média do Oriente Médio é de 2.73. Seus dados não fazem o menor sentido.

  • Cicero Ghizoni

    Parabéns pelo texto.
    Antigamente havia um ditado que parece estar esquecido: “quando estiver em Roma, seja um romano”, ou seja, se alguém entra na sua casa, deve respeitar seus costumes.
    Também foi muito bem colocado quando a Europa não é inocente, pois ela interfere ou interferiu em vários países.
    Na realidade por toda a história da humanidade um invadiu e ou interferiu em outros povos.
    Estamos nos encaminhando a um equilíbrio nas relações mundiais com várias pedras no caminho ou a um desastre?

  • Lyz Zyl

    O cavalo de troia cheio de EI esta dentro da Europa. Baba Vanga já havia previsto o fim da sociedade Ocidental. O retorno a pedra lascada sob a batura da Boçalandia Muçulmana…Há quem perca o que é seu por roubos e há quem jogue suas pérolas aos porcos os europes são estes.

  • Ivani Medina

    O islã é um perigoso desconhecido travestido de religião para nós. Nessa crença absurda não há separação entre religião e política porque só existe o poder religioso. Seus milhares de atentados são tramados em mesquitas e não em ermos por grupos de marginais que se dizem religiosos. Aliás, como a imprensa tenta iludir a opinião pública. O Líder do Estado Islâmico é um religioso erudito em islã e filosofia.
    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/o-perigo-do-isl-no-brasil