PESQUISA

Por que votarei em Dilma Rousseff

por Celso Barros (16/08/2010)

por Celso Barros Os três principais candidatos nessa eleição presidencial são muito bons. A terceira colocada deve ser Marina Silva, e Marina Silva seria melhor presidente que 90% dos presidentes do mundo. Levando em conta só os competitivos, nos últimos dezesseis anos só Garotinho (que a The Economist traduzia como “Little Kid”) avacalhou nosso currículo, […]

por Celso Barros

-- Dilma Vana Rousseff --

Os três principais candidatos nessa eleição presidencial são muito bons. A terceira colocada deve ser Marina Silva, e Marina Silva seria melhor presidente que 90% dos presidentes do mundo. Levando em conta só os competitivos, nos últimos dezesseis anos só Garotinho (que a The Economist traduzia como “Little Kid”) avacalhou nosso currículo, onde, na minha modesta opinião, devemos ter orgulho de ostentar Lula e FHC.

Mas é preciso escolher, e, no que se segue, argumentarei que a melhor opção para o Brasil no momento é uma ex-guerrilheira nerd.

1.
Um bom governo, na minha opinião, deve (a) ser democrático, (b) não avacalhar a estabilidade econômica, e (c) combater a pobreza e a desigualdade. Por esses critérios, o governo Lula foi indiscutivelmente bom.

O governo Lula, tanto quanto o governo FHC, foi um governo democrático. Quem lê jornal no Brasil não apenas percebe que é permitido falar mal do governo, mas pode mesmo ser desculpado por suspeitar que falar mal do governo é obrigatório por lei. Os partidos de oposição atuam com plena liberdade, os movimentos sociais, idem, e, aliás, eu também. O Olavo de Carvalho se mandou para os Estados Unidos, dizem que com medo de ser perseguido politicamente, mas, se tiver sido por isso, foi só frescura. De qualquer modo, nunca antes nesse país exportamos tantos Olavos de Carvalho.

A economia foi muito bem gerida durante a Era Lula, a despeito do que falam muitos petistas (talvez preocupados com a falta de oposição competente). Companheiros, deixemos de falar besteira: a política econômica foi um sucesso. Mantivemos o bom sistema de metas de inflação implantado por Armínio Fraga no (bom) segundo governo FHC, e acrescentamos a isso: uma preocupação quase obsessiva por acumular reservas internacionais, a excelente ideia de comprar de volta nossa dívida em dólar, e medidas de incentivo fiscal quando foi necessário. A dívida como proporção do PIB caiu consideravelmente, e só voltou a subir quando foi necessário combater a crise. Certamente voltará a cair já agora.

Por essas e outras, fomos os últimos a entrar e os primeiros a sair da maior crise econômica desde 1929. Os tucanos se consideravam uma espécie de Keynes coletivo por terem sobrevivido à crise do México. Com muito menos custo, sobrevivemos à crise dos EUA. E isso se deu porque a economia durante a Era Lula foi muito mais bem administrada do que durante o primeiro governo FHC. No segundo governo FHC, aí sim, a economia foi bem gerida, e Lula fez muito bem em copiar seus métodos de gestão.

E, na área social, o Lula realmente se destaca na história brasileira, e na conjuntura econômica mundial. FHC não merece nada além de parabéns por ter copiado o Bolsa-Escola do governo petista do Distrito Federal (cujo governador havia idealizado o programa ainda na década de 80), e o PT merece críticas por ter atrasado sua adoção insistindo no confuso “Fome Zero” por tempo demais; mas, uma vez re-estabelecida a sanidade, o programa foi implementado com imenso sucesso, e, associado à política de recuperação do salário mínimo, e à boa gestão da economia, geraram resultados que não estavam nas projeções do mais otimista dos petistas em 2002. Para ser honesto, eu sempre votei no Lula, mas nunca achei que fosse dar tão certo.

A pobreza caiu algo como 43%. Vou dizer com palavras, para não dizerem que sou cabeça-de-planilha: a pobreza no Brasil caiu quase pela metade. Rodrigo Maia, escreva essa frase no quadro cem vezes. Mais de 30 milhões de pessoas (meia França, não muito menos que uma Argentina inteira) subiram às classes ABC. Cortamos a pobreza extrema pela metade (mas ainda é, claro, vergonhoso que tenhamos pobreza extrema). A desigualdade de renda caiu consideravelmente: a renda dos 10% mais ricos cresceu à taxa de 3 e poucos % na Era Lula, enquanto a renda dos mais pobres cresceu mais ou menos 10% ao ano, as famosas taxas chinesas. E tem uns manés que acham que os pobres votam no Lula porque são ignorantes ou mais tolerantes com a corrupção. Dê essas taxas à nossa elite e o Leblon inteiro tatua a cara do Zé Dirceu.

Não é à toa que o economista Marcelo Neri, um dos mais respeitados estudiosos da pobreza no Brasil, fala no período de 2003-2010 como “A Pequena Grande Década”. Tanto quanto sei, Neri não é petista.

Por outro lado, há algumas semanas, o sociólogo Demétrio Magnoli escreveu um balanço crítico do governo Lula, que considera um desastre. O artigo praticamente não tem nenhum número. I rest my case.

2.
Seria idiota dizer que isso não é, em nenhum grau, motivo para votar na Dilma. Dilma participou ativamente disso tudo, e, no mínimo, apoiou isso tudo. Marina Silva, é verdade, apoiou quase tudo isso. José Serra não o fez, e muitos de seus simpatizantes continuam convictos de que os últimos oito anos, em que a renda dos brasileiros mais pobres cresceu no ritmo da economia chinesa, foi uma era das trevas da qual a nossa elite bem pensante (hehehe) acordará em breve, chorando de felicidade porque era só um pesadelo.

Mas, até aí, eu considero que a Era FHC também foi boa para o país, por outros motivos, e mesmo assim foi bom que Lula fosse eleito em 2002 (como irrefutavelmente provado acima). Por que não seria esse o caso, agora?

Em primeiro lugar, porque não acho que será bom para o Brasil se o governo Lula tiver sido só um intervalo. Se Serra ganhar a eleição, eis o que se tornará a versão oficial sobre esse período: uns caras com diploma governavam muito bem o Brasil por muitas décadas, aí surgiu um paraíba muito carismático que acabou % ganhando a eleição, mas não fez nada demais, por isso eventualmente a turma do diploma retomou o controle da coisa toda. Coloquei um sinal de porcentagem no meio da frase para que ela tivesse pelo menos um erro que não fosse também papo furado.

É importante compreender que os novos atores que compõem o PT vieram para ficar, pois são sócios-fundadores de nossa democracia, e que, de agora em diante, o Brasil é um país com uma esquerda que sabe ser governo. Isso quer dizer que agora a direita, para vencer eleições, precisa apresentar boas candidaturas (de preferência sem roubar nossos sociólogos, ou economistas heterodoxos) e, o mais crucial de tudo, apresentar propostas para os mais pobres, que acabam de descobrir que podem melhorar imensamente suas vidas com o voto. A direita brasileira ainda não fez esse trabalho: continua pensando como se fosse um direito natural seu governar o país, e esperando que algum movimento legitimista re-estabeleça a ordem nesta budega.

Enquanto a justiça eleitoral não fizer o voto do Reinaldo Azevedo ter peso 50 milhões, a estratégia de fingir que o governo Lula não desmoralizou os anteriores, diminuindo a pobreza sem desestabilizar a economia, não vai ganhar eleição. Enquanto não tiver um projeto para o país (o que, diga-se, o Plano Real foi), a oposição não merece voltar ao governo. Como o PT dos anos 90, por exemplo, não merecia ganhar a presidência, pois seu programa era o que, no jargão sociológico, era conhecido como “nhenhenhém”. O PT venceu quando reconheceu que o papo agora era outro, e era preciso partir das conquistas já alcançadas. Não há sinal que consciência semelhante exista na oposição como bloco político, embora, sem dúvida, o candidato Serra o tenha compreendido.

3.
Mas esse tampouco é o melhor motivo para se votar na Dilma. O melhor motivo para se votar na Dilma é a Dilma.

Dilma tem uma trajetória política muito singular, como, aliás, tinham FHC e Lula. Quem tiver lido seu perfil recente na revista Piauí pode notar que há tantos fatos interessantes na sua vida que o jornalista mal teve espaço para falar dela, como pessoa. Dilma foi guerrilheira, foi torturada, e, durante a democratização, entrou para o PDT. Quando visitou, recentemente, o túmulo de Tancredo, a turma de sempre reclamou que o PT não o havia apoiado no Colégio Eleitoral. Bem, Dilma, como o PDT, apoiou Tancredo. Eventualmente, foi parar no PT, onde cresceu fulminantemente, e foi beneficiada pela decisão da oposição de queimar um por um dos quadros petistas mais famosos, algo pelo que, suspeito, já começam agora a se arrepender. Estariam pior agora se o candidato do Lula fosse, digamos, o Dirceu?

Tem gente que, com temor ou esperança, acha que Dilma mudará o rumo da economia. Eu posso estar errado, mas, baseado no que vi até agora, acho o seguinte: Dilma está singularmente posicionada para fazer com que, sob essa mesma política econômica, e com o mesmo compromisso com a justiça social, o país comece a crescer bem mais rápido do que cresceu nos últimos dezesseis anos.

Eu gosto de dizer o seguinte sobre política econômica: é verdade, o Banco Central desacelera o crescimento quando mantém os juros altos (e segura a inflação). Mas, a essa altura, o crescimento econômico já levou uma surra; antes de chegar no Banco Central, o carro do crescimento já tomou batidas da nossa falta de política de inovação, da baixíssima capacidade de investimento do Estado, da pobreza (que diminuiu, mas, para nossa vergonha, ainda está aí), do nosso abissal nível de qualificação educacional, dos entraves inacreditáveis para se abrir ou fechar um negócio, dos problemas gravíssimos da nossa urbanização. Essa desacelerada que o Banco Central dá é porque, depois de tomar tanta batida, ou nosso carro desacelera ou ele desmonta na pista.

Nossa visão deve ser a seguinte: queremos ter produção tecnológica como a Índia, mas com muito mais preocupação com a justiça social, e queremos ter o crescimento da China, mas com a mais absoluta democracia e com as garantias ambientais necessárias. Se esses limites nos atrasarem um pouco, paciência, somos, em nossos melhores momentos, um país que leva essas coisas a sério. O que não é admissível é que qualquer coisa que não nossos princípios atrase nosso progresso.

Muita gente diz que Lula entregou a candidatura à Dilma de mão-beijada, mas, aproveito para advertir, muita calma nessa hora, meu povo. Lula também lhe entregou uma roubada incrível, que foi também um teste. Quando Dilma foi colocada na direção do PAC, experimentou em primeira mão o quão ineficiente é nosso Estado como indutor do investimento: uma legião de entraves burocráticos, pressões políticas e uma história de más prioridades tornaram nosso Estado incapaz de investir e de oferecer infra-estrutura (tanto física quanto legal quanto humana) para o investimento privado.

A beleza da coisa é que Dilma é uma c.d.f. obcecada por políticas públicas. Quem leu sua entrevista no livro organizado pelo Marco Aurélio Garcia e pelo Emir Sader não pode ter deixado de se divertir com a diferença entre as coisas que os entrevistadores querem perguntar e as coisas que ela quer responder: os caras lá falando do liberalismo, de não sei o que mais, e ela animadona com um jeito de furar poço de petróleo, com um jeito qualquer de administrar hospital. Respeito muito o Marco Aurélio, que foi meu professor, mas a Dilma sai da entrevista muito melhor que ele e o Sader.

Me anima especialmente que, em vários momentos, tenha visto Dilma puxando o assunto das políticas de inovação. O Brasil não vai dar um salto qualitativo em termos de desenvolvimento enquanto não produzir tecnologia. Tecnologia é o tipo de coisa que depende de bons arranjos entre governo e setor privado, e, a crer nos relatos até agora a respeito de sua passagem pelo ministério de Minas e Energia, Dilma tem uma postura pragmática saudável nessas questões.

Lula deu ao capitalismo brasileiro milhões de novos consumidores, e essa descendência política exigirá de Dilma compromisso forte com a inclusão social. Mas agora é hora de dar ao capitalismo brasileiro a competitividade necessária para que ele gere os empregos de que precisam os novos ex-miseráveis, os formandos do ProUni, ou das novas Universidades Federais, inclusive; é hora de montar um Estado que entregue aos cidadãos as cidades necessárias à boa fruição da vida moderna, e montar um sistema de inovação tecnológica que tire da direita o monopólio do discurso moderno.

Por conhecer melhor do que ninguém o tamanho desse déficit, e pelo que se depreende de sua postura até agora diante desses problemas, Dilma Rousseff é a melhor opção para a presidência do Brasil nos próximos oito anos.

Até porque, contará com um recurso que só o PT tem: uma imprensa tão hostil que o sujeito realmente, realmente tem que prestar atenção para não fazer besteira. Superego é uma coisa útil, senão você trava.

4.
Certo, mas deve ter gente pensando, ah, mas ela é só uma tecnocrata, vai ser engolida pelos políticos (o bom é que essa mesma turma dizia que o Lula, por não ser um tecnocrata, ia ser engolido pelos políticos). Deve ter gente, à direita e à esquerda, com esperança de manipular a Dilma. A Dilma, no caso, é aquela menina que, aos vinte e poucos anos, inspirava respeito até nos caras do Doi-Codi, como se depreende dos documentos da época. Se quiser ir tentar manipular essa dona aí, rapaz, boa sorte, vai lá. Depois você conta pra gente como é que foi.

—–
Outros artigos da série:
– Por que votarei em Plínio Sampaio
Por que votarei em José Serra
Por que votarei em Marina Silva

Celso Barros

Mestre em Sociologia pela Unicamp e doutor por Oxford.



avatar
Raphael Tsavkko
O artigo já começa errado. Temos três bons candidatos? Onde? A Criacionista ou o Espancador de Professores? E FHC? O Grande Genocida, nas palavras do saudoso Fausto Wolff? Ponto relevante logo de início, o governo FHC, assim como TODO governo DemoTucano está longe de aceitar a livre manifestação dos Mov. sociais. Os criminaliza, espanca e sufoca. Lula, se não fez muito por eles – notadamente o MST e MTST e congêneres – ao menos não criminalizou. Quanto à mídia, sem dúvida ou dá ou recebe dinheiro do DemoTucanato. Não há esta ‘liberdade” toda. É preciso ser amigo do rei para… Leia mais »
NPTO

Tsavkko, o FHC era “genocida”? Calma aí, né, galera.

Raphael Tsavkko

Termo do Fausto Wolff, resolva-se com ele!=) MAs, observando a criminalização absurda e assustadora dos movimentos sociais, temos um quadro. Eldorado dos Carajás, aliás, foi sob FHC, nada mais ilustrativo. A venda completa de nosso país foi sob FHC. Sobrou BB e Petrobrás, e não foi por falta de tentativas de vender!

FHC foi um câncer que dilapidou nosso país.

breno
breno

claro claro, resolve-se com o Wolff..
e o fato de vc ter usado não implica responsabilidade alguma pro seu lado..

Mas afinal, Tsavkko, você é imparcial, qual a mídia rancorosa? Adoro os “Muitos acreditam que” mas não saio de casa sem os “Teria dito”.

em tempo, concordo contigo sobre o restante, mas fica feio usar o argumento e fugir da raia

Raphael Tsavkko

Breno, não sei se você reparou, o “resolva-se com ele” foi uma brincadeira.

FHC criminalizou os Movimentos Sociais como nenhum outro, foi responsável direto ou indireto por atentados sérios contra os movimentos. A situação era tão séria que Fausto Wolff o chamava de genocida. Foi isto que eu quis dizer.

jose roberto batista

Vender o que é nosso, é a única coisa que o psdb sabe fazer.
Venderam o Banespa depois de sanado, e ainda entregaram as estradas para as concessionárias da Industria do pedágio. Mario Covas, Geraldo Alckmin, Serra, e Sergio Guerra, deveriam mudar para o Haiti……. quem sabe eles colocariam aquele país nos trilhos, assim como dizem que colocaram o Brasil.
Então eu Sou Napoleão Bonaparte e ainda não sei, esqueceram de me avisar.

Matheus Polli
Estou sem palavras para tamanha falta de conhecimento político e histórico desse autor. Primeiramente devo me apresentar como libertário e dizer que, para mim, a social democracia é uma grande furada. Assim, todos os candidatos para a próxima eleição são péssimos. Mas, dizer que o Lula manteve a democracia é brincadeira. Ele passou por cima de várias leis, inclusive agora que proibiu a mídia de fazer caricaturas dos candidatos! Sem falar que proibiram publicar o dossiê militar em que a Dilma participa do assassinado do Mario Kosel Filho em 68 no QG do II Exército em SP. Outra coisa que… Leia mais »
Amâncio Siqueira

Se os fascistas (apenas os fascistas, pois a população comum é até bem esclarecida) do sul maravilha se dessem ao trabalho de analisar os números da arrecadação dos estados e da distribuição de recursos, tais mitos de um estado que sustenta a federação cairiam por terra.
Mas, como pra ser fascista tem-se que ser burro ou desonesto, ou eles não analisariam os dados, ou os distorceriam por meio de factóides.

Matheus Polli
Matheus Polli

Retórica: sempre que subi no mapa em minha viagens só aumentei a minha percepção de regresso de desenvolvimento.

Raphael Tsavkko

Pra um libertário você usa o termo ‘vermelho” com um rancor impressionante… Opa, serás um daqueles libertários de extrema-direita? Daqueles que se aliam com os Integralistas?

Eneraldo Carneiro

É libertario no sentido estadunidense do termo. Uma espécie de anarquismo de direita. Nos soa estranho porque estamos acostumados a associar anarquismo à (extrema)esquerda, anarquista=libertário, daí…

Tiago Silva
Tiago Silva
Matheus Polli, Privatização é acabar com cabides de empregos? Melhorar a eficiência das empresas? Da maneira como foi conduzida pela gestão FHC, o melhor termo é entreguismo, ou, como prefiro, subserviência, quer você queira ou não. Você seria capaz de vender algo e ainda emprestar o dinheiro para quem o comprasse? Vender o insumo (minério de ferro, bauxita) a preços baixos e importar os manufaturados (trilhos de trem… produto com intensa modificação tecnológica) por um valor 4 ou 5 vezes maior? Ah, e sem esquecer. Sou do Sudeste. De São Paulo. Na verdade, de Praia Grande, Baixada Santista. Filho de… Leia mais »
Matheus Polli
Matheus Polli
Vc já foi na serra de Carajás? Uma vez lá, em uma visita eu perguntei para o gerente de compras que me acompanhava, sobre o que se tratavam uns dois prédios imensos que existiam numa determinada área abandonada do complexo. Ele me explicou que eram da era da economia mista da empresa, de antes da privatização. Que havia sido feito um empowerment e que as funções redundantes (cabides de emprego) tinham sido eliminadas. Assim, a empresa cresceu em produção e hoje é a segunda maior do mundo, e arrecada três vezes mais em impostos ao governo anualmente do que dava… Leia mais »
Amâncio Siqueira

Concordo que FHC botou o Brasil nos trilhos nas crises que enfrentou. Ainda bem que não foi um presidente do PSDB que enfrentou a última crise, ou teria passado com o trem por cima.

Matheus Polli
Matheus Polli

É, nessa dou o braço a torcer, mas somente por que o Lula deu uma baita sorte com a papagaiada da “marolinha” dele. Acertou em cheio tentando ser populista. Pontos pra ele.

Abraços

Carlos Gilberto Gusmão
Carlos Gilberto Gusmão
Matheus Polli. O PT vai continuar no poder por muitos anos, para o bem do Pais. Quanto a visão que pessõas da sua espécie tem da região nordestina, é devido a ignorância e pouca educação escolar. Saiba que dos nove estados da região, cinco são produtores de petroleo. A Bahia tem o quinto ou sexto pib brasileiro, Pernambuco e Ceara vem logo em seguida. A região seria menos pobre se fosse desmembrada do resto do pais. Seríamos exportadores de petróleo. Temos fábricas de automóveis, siderurgicas,refinarias de petróleo, fábricas de navios,etc,etc. Visite a região, bandido, para ter o que falar da… Leia mais »
Matheus Polli
Matheus Polli

Desculpe Carlos, o que falei da região nordeste foi como resposta a outro comentário, para comparar as minhas origens. Concordo contigo sobre o desmembramento – seria melhor para todos: não acredito na social-democracia.

zurconil
zurconil
Matheus Polli, as sua crenças o deixam cego e sem conhecimento da realidade. A lei que proíbe as caricaturas e outras atividades tipicamente humoristas é da safra do deu ídolo FHC. Essa lei fez parte do pacote da reeleição do FHC e foi criada para evitar que o seu ídolo fosse criticado por querer colocar o PSDB por vinte anos no poder. Não esquecer que à essa época, logo depois de aprovada a reeleição, foi proposta uma emenda que permetia a rereeleição. Sim, proposta de terceiro mandato, que não vingou por que da péssima imagem do FHC junto ao povo.… Leia mais »
Matheus Polli
Matheus Polli

Muito boa sua resposta. Isso só prova que TODOS os candidatos são a mesma m_. Confesso que minha visão ideal é a minarquia (para o Brasil) e só vou votar em Serra pq eu realmente acho a Dilma extremamente despreparada para o cargo e não consigo entender como podem apoiá-la. Gostaria de um candidato libertário, mas essa visão é distorcida por aqui, confundida com uma extrema direita diabólica.

Daniel
Olá. Olha, acho que libertarianismo no Brasil, se um dia aparecer, vai ser aí pelo final do século, quando o país enfim tiver se transformado em um país de classe média, e classe média forte. Os EUA pré-29 eram uma nação com uma desigualdade de renda desgraçada. Dos anos 30 ao final dos 60 a defesa do welfare state foi feita tanto por democratas e republicanos; só depois que uns juvenis quiseram se rebelar contra alguma coisa é que começou a guerra aos sindicatos e aos benefícios sociais. Aqui no Brasli ainda temos muita poeira pra comer. A defesa das… Leia mais »
Matheus Polli
Matheus Polli

Puxa vida, Daniel, finalmente uma resposta que me fizesse refletir. Gostei do seu ponto de vista, mas ainda acredito no libertarianismo e, ao menos que como utopia, votarei no candidato que der um passo nessa direção e Dilma está na contramão desse pensamento.

jose roberto batista

O Nordeste também é Brasil, e Matheus Polli, nem imposto paga a não ser o que vem embutido no preço da mercadoria. deixa de ser besta cara, não está contente. Muda para a Argentina, Uruguai, já que você é do Sul, olha aí que bom pra você.

Giovani Coelho
Giovani Coelho
Sempre votei no PT. Há um tempo atrás julguei que não existia outra via para os meus votos. Ando pensando muito no que talvez o “inchaço petista” tenha sido muito prejudicial a ele mesmo e que as coligações atuais sejam perigosas para o nosso País. Mas tenho que reconhecer o destravamento do Brasil. Nosso atual presidente ao contrários de que certas pessoas temiam, não come criancinhas nem invade nosso quarto. Soube abrir mercados, escancarou a corrupção, nunca tivemos tanta liberdade de expressão, talvez o único mérito de Fernando Henrique, as ofertas de empregos melhoraram sem dúvida e Lula demonstrou uma… Leia mais »
Salvem a professorinha!
Salvem a professorinha!

Só por você se referir ao Mais Preparado como espancador de professores eu já te amo. Nunca na história deste país os professores foram tão massacrados, e eu tenho a convicção de que ele implataria o terror aos funcionários públicos. Esse senhor precisa de muita, muita terapia, é muito ódio no coração.

trackback

Um (bom) texto de apoio à Dilma sem gritaria e choro http://migre.me/15256 [devia ter outros assim]

aiaiai
aiaiai

Celso,

Parabéns novamente…agora para de escrever texto bom e longo porque, porra, eu tenho que trabalhar kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

brincadeirinha….

vou enviar esse link para todo mundo que eu conheço, ok?

obrigada novamente

NPTO

Valeu, aiaiai!

romério rômulo

também voto na dilma, celso.
romério

NPTO

Acho que a gente leva essa, Romério.

marcos nunes

É claro que a opinião é sua, mas Efeagagá, me desculpe, não merece nenhum respeito. O que ele fez contra o Estado e contra o Povo Brasileiro é inominável. Seus 8 anos de governo foram os piores anos econômicos da minha vida (com destaque para os 3 últimos), e tudo que tentávamos fazer na época era sobreviver ao grande desmonte. Olha, não tenho nenhum, zero, respeito pela figura. É claro que a opinião é sua, mas… repense isso. Detalhe: não sou petista, não considero o governo Lula nenhuma maravilha, e tendo a votar em Dilma com enorme desconfiança.

francisco pereira neto
francisco pereira neto

Marcos
Fique frio.
Não tenha desconfiança não da Dilma.
Vá por mim.
Você começou bem, “tendo a votar em Dilma”
Lembra-se?
A esperança venceu o medo.

NPTO

Marcos, não que o governo FHC não tenha tido problemas, especialmente o primeiro, mas também teve pontos positivos: o controle da inflação, a LRF, enfim, várias medidas de política econômica que o Lula manteve, e fez bem em manter. O que foi horroroso foi o populismo cambial do primeiro mandato, que, esse sim, quase nos quebrou de vez.

Carlo
Carlo
Argumentos inconsistentes. O PT “descobriu a roda”, como você está querendo que as pessoas pensem. O grande responsável pela Política Econômica do governo Lula foi o Presidente do Banco Central, que já o era antes de Lula assumir. Lula Só fez dar continuidade ao que o FHC havia começado. Este foi o maior mérito dele. Ou seja, o PT está forçando a barra com uma tese de que a responsabilidade pelo ciclo virtuoso da economia brasileira é principalmente deles. Não é, e você sabe disso. Vocês querem ser aplaudidos simplesmente por não terem jogado jogado para cima todo o trabalho… Leia mais »
Jotavê
Jotavê
Um dos grandes méritos do governo Lula foi não ter mexido nos fundamentos da economia legados por FHC. Por outro lado, é falso dizer que houve continuidade nas políticas sociais. Não se tratou apenas de dar um novo nome e uma coisa antiga, ou de reunir programas que estavam dispersos. Tratou-se de dar maior centralidade e uma nova dimensão a esses programas. Serra está certíssimo quando diz que, se eleito, dará continuidade a eles. É assim mesmo que se faz. O problema será explicar ao eleitorado por que, até o começo deste ano, o discurso do PSDB continuava insistindo na… Leia mais »
Carlo
Carlo
Essa estratégia de criticar os programas do governo, sejam eles quais forem, é tática de toda e qualquer oposição. É claro que iriam criticar os programas sociais. Lula também os criticava quando era oposição, não sei se você se lembra. Também é claro que Serra está tratando de defendê-los agora, porque em época de campanha, político fala o que o povo quer ouvir e isso não é exclusividade do PSDB. Os fatos são que havia programas sociais no governo FHC, que foram ampliados no governo Lula, porque a situação passou a ser mais favorável, e vão ser mantidos por qualquer… Leia mais »
Amâncio Siqueira

Talvez você deva refletir sobre a política salarial dos dois governos, desde o salário mínimo até o dos servidores. A política fiscal. Balança comercial, pagamento da dívida externa, privatizações. Comparar a produção de automóveis dos dois governos já dá uma pista da diferença de gestões econômicas. Dizer que uma administração que assumiu o governo com desemprego em 13% e diminuiu para 7,3% é uma continuação de outra que assumiu com 7,8% e deixou em 13% é meio exagerado, concorda?
PIB brasileiro com FHC: da oitava economia do mundo à décima quinta.
Com Lula: da 15ª à sexta.

Carlos Stein
Carlos Stein

Meu caro Carlo,há um erra em suas palavras, o Meireles se tornou presidente do BC depois de convidado por Lula e mais ainda, ele é do PSDB, Um prova cabal de que Lula não governava só para o PT, mas para todo o brasil in dependente de partido.,

NPTO

Carlo, você está errado sobre o Meirelles, ele foi indicado pelo Lula. Quanto à gestão da economia, você está falando besteira. Como é claramente reconhecido no texto, o Lula manteve o sistema de metas de inflação, o que foi ótimo, mas também acumulou reservas como os tucanos nunca haviam feito (lembra do Setembro Negro?), e liquidou nossa dívida em dólar, o que foi bastante conveniente na crise internacional. Se me lembro bem, quando a gente saiu do FMI, o Gustavo Franco criticou.

Carlo
Carlo
Você esta certo sobre Meirelles. Mas, de qualquer forma, ele é (ou pelo menos era até início de 2003) filiado ao PSDB. E, de certa forma, não há como comparar as duas gestões da economia, porque do início da década de 90 para cá estávamos saindo de um momento de grande instabilidade econômica. Essa recuperação não acontece de uma hora para outra. O que era prioridade em 94 já não era mais em 2002. O que era possível fazer em 2002, ainda não o era em 94. Só vai ser possível comparar governos em pé de igualdade depois de um… Leia mais »
Jonas
Jonas
Carlo, diz ae então o que foi 1998? A âncora cambial já não era suficiente para aguentar a pressão dos “investidores” externos, mas o FHC não soltou a corda e segurou de maneira artificial o real valorizado. Resultado? Bem, você deve saber qual foi o resultado. A classe média feliz votou na continuidade visando as suas viagens de férias para a disney e, desse modo, FHC se reelegeu. Claro, FHC sabia que esse câmbio era insustentável e logo após a reeleição tratou de implantar a “livre” flutuação do câmbio. A implantação do sistema de metas de inflação diz bem o… Leia mais »
trackback

Por que votarei em Dilma Rousseff http://t.co/GApbwMM via @amalgamablog

trackback

RT @NPTO: Por que votarei em Dilma Rousseff: http://migre.me/1541e

Alexandra Pericão
Alexandra Pericão
Concordo plenamente. Nunca fui petista de carteirinha, mas tenho de admitir que o Brasil andou muito bem no governo Lula, com Dilma como braço direito. Realmente, os nossos ” diplomados” , que sempre estiveram no comando deste país, com o apoio da velha aristocracia e grande mídia, só fizeram manter à margem a grande maioria do nosso povo. Agora, querem nos convencer de que o Brasil era uma maravilha antes deles e que voltará a ser assim que retornarem… Como se em 8 anos o Brasil tivesse mergulhado nas trevas… Ai, que preguiça! Ps: Devemos, porém, continuar na luta contra… Leia mais »
NPTO

Alexandra, concordo, a luta contra a corrupção não pode parar de jeito nenhum, inclusive quando envolver petistas.

Rafael
Rafael

HAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHAHAHHAHA obrigado celso!

NPTO

De nada, Rafael : )

wpDiscuz