PESQUISA

O Talibã brasileiro à espreita

por Lucas Baqueiro (23/06/2018)

Católicos, ateus, agnósticos e até mesmo protestantes tradicionais poderão ser vítimas do projeto “Brasil para Cristo”.

O mercado e a sociedade assistem com aflição ao desenrolar da corrida eleitoral. Candidaturas populistas de direita e esquerda vêm ganhando terreno nas pesquisas de opinião. À margem da briga, uma minoria fundamentalista, silenciosa e eficaz, vem executando passo-a-passo seu plano cuidadosamente desenhado de tomar de assalto o Estado. O farão, para perplexidade dos que não percebem o cenário que se desenrola ao largo da corrida presidencial, através das urnas e do conhecido caminho das negociações e negociatas.

O modelo de Estado que propugna esse grupo bem organizado, financiado e com grande capilaridade, passa muito longe da disputa conceitual de visões econômicas entre liberais e socialistas. O Brasil que querem não é a república, não é o Estado plural e sem confissão religiosa, mas o reino de Deus no plano do aqui e agora. Esse projeto de Brasil que foge da dicotomia do modelo Estados Unidos versus Cuba, e se aproxima mais do modelo político do Irã ou de Uganda, é o privilegiado pelos evangélicos radicais.

São muitas as denominações evangélicas no Brasil. Um número significativo de igrejas é de cariz tradicional, com respeito às tradições humanistas e à laicidade do Estado: é o caso de luteranos, anglicanos, presbiterianos, congregacionais, metodistas, batistas regulares e outros, chamadas de “denominações históricas”. Entendem perfeitamente que credo, estilo de vida e opção doutrinária-religiosa são coisas que cumprem a cada cidadão decidir para a sua vida – respeitando, aliás, o preceito do livre-arbítrio da pessoa humana, basilar na Bíblia Sagrada.

A grande maioria dos fiéis protestantes do Brasil, contudo, pertence a igrejas pentecostais e neopentecostais. O pentecostalismo é uma tradição religiosa herdada dos Estados Unidos, onde se acredita na presença do Espírito Santo em cultos – que se manifesta, supostamente, através de línguas estranhas aos ouvidos dos homens e num radical código moral a ser seguido, imposto aos fiéis. As maiores denominações pentecostais no país são Assembleia de Deus, Congregação Cristã no Brasil, Igreja do Evangelho Quadrangular e Igreja Pentecostal Deus É Amor. O neopentecostalismo, derivado deste, adere também à teologia da prosperidade (algo parecido com o conceito de “Jesus é o caminho, nós somos o pedágio”) e à exploração do sobrenatural como testemunho religioso: é o caso da Igreja Universal do Reino de Deus, da Igreja Internacional da Graça e da Igreja Mundial do Poder de Deus – os nomes das denominações precedem à sua fama.

A opção por um método de vida atrelado a uma religião é algo que só deveria dizer respeito ao fiel – e ao deus a quem este dirige a sua devoção. Se um indivíduo acredita na adesão a um rígido comportamento, nas orações intermitentes, na adoção de um vestuário, na obediência a uma doutrina específica, ou mesmo na simonia – o ato de comprar indulgências pelos ditos pecados – como forma de obter a salvação, não cabe ao Estado manifestar-se contra ou a favor. Essa tem sido a tradição brasileira desde a Constituição de 1891, quando o catolicismo romano deixou de ser a confissão oficial do Estado: a liberdade de culto tem sido, desde então, fundamento da carta de direitos brasileira, ainda que com alguma resistência, amainada ao longo das décadas.

Protestantes pentecostais sofreram dura perseguição de autoridades durante a primeira metade do século XX, especialmente no Nordeste do país. Campanhas contra a propagação das denominações, que às vezes envolviam ataques físicos, boicote a comércios, e incêndios de templos, foram registrados na conta, inclusive, de santos populares católicos, como frei Damião de Bozzano (1898-1997), declarado “servo de Deus” pelo papa São João Paulo II.

Contudo, como registrou Talleyrand a respeito dos Bourbon de França, “eles não aprenderam nada e não esqueceram nada”. De vítimas da perseguição, resolveram emergir como carrascos. Atentos aos métodos aplicados contra eles, para melhor repetirem, decidiram abandonar o proselitismo como método de conversão e abraçar o domínio dos aparelhos ideológicos do Estado. Em vez da evangelização como fim, o novo objetivo é construir um projeto de poder político.

Com esse propósito a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB), órgão representativo da maior denominação protestante no país, desenvolveu uma plataforma política chamada de “projeto Cidadania AD Brasil”. A partir das eleições de 2010, a nova preocupação tornou-se a de tomar o poder através do voto, elegendo vereadores, deputados estaduais e deputados federais em todos os municípios e estados da federação. Com qual fim? O de “impedir projetos que não se coadunam com os valores morais e espirituais pregados pela igreja”, como destacou o deputado estadual Adilson Rossi, do PSB de São Paulo, que foi um dos principais fomentadores dessa nova cartilha.

O “projeto Cidadania” foge da habitual representação de classe, responsável pela formação de quadros parlamentares em todo o Brasil. É, também, o inverso do conceito de mandatos coletivos, que tem se espalhado nas últimas eleições para mandatos proporcionais. Os parlamentares que são eleitos pelo tal projeto submetem-se inteiramente, em suas manifestações e decisões, às ordens do Pastor-Presidente de sua congregação, que determinam como se pronunciarão e votarão nas matérias.

Confessa o dito projeto a sua verdadeira intenção, bem disposta em cartilhas didáticas distribuídas por igrejas em todo o país. É demolir, afinal, o Estado laico, demonizado como “armadilha de Satanás para afrontar a igreja, que deve armar-se e pôr-se de pé”. Coisas como igualdade ou identidade de gênero, novas formas de família, casamento e adoção entre pessoas do mesmo sexo – alguns deles, já incorporados ao ordenamento jurídico do país – são prioridades a serem extintas. Discursos como os de que “o Brasil vai ser um Estado cristão, e a minoria deve se curvar à vontade da maioria”, como aquele pronunciado por Jair Bolsonaro no ano passado, ou o de que “feliz é a nação cujo deus é o Senhor”, citação bíblica diligentemente feita por Dilma com o fim de conquistar votos de radicais, são conceitos que permeiam o documento basilar desse projeto de poder dessa igreja.

A Assembleia de Deus, hoje, é a denominação de mais de vinte milhões de cidadãos brasileiros, segundo o censo de 2017. A grande maioria dos membros desta seita é de eleitores. E eleitores compromissados, salvo raríssimas exceções, a votar conforme o cabresto imposto pelos pastores, por recomendação de sua Convenção Geral, em candidatos escolhidos a dedo.  Esses números e a imposição do voto em candidatos proporcionais é a razão do número de 24 deputados federais apenas vinculados a essa denominação. Ainda se somam a esse número os que foram eleitos por “Assembleias de Deus” paralelas, como a Vitória em Cristo, de Silas Malafaia – que elegeu um pastor de sua igreja, Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ) – ou a Catedral do Avivamento, de Marco Feliciano (PSC-SP): embora componham apenas nominalmente denominações de convenções gerais diferentes, estes partilham dos propósitos deste mesmo projeto.

Um caso concreto do sucesso eleitoral desta agenda política vem de Pernambuco. No estado, o “projeto Cidadania” elegeu, vinculados à seita religiosa pentecostal, vereadores em quase todos os municípios do Estado. Vinculados ao projeto, oficialmente, foram enviados um deputado estadual e um deputado federal – o Pastor Eurico, autor de indecentes agressões a Xuxa Meneghel, durante uma audiência na Câmara dos Deputados. Outros tantos vinculados à igreja, no intuito de diversificar o plantel, correram por fora e foram eleitos, tanto para câmaras municipais, quanto para os parlamentos estadual e federal.

A máquina da igreja em cada cidade e em cada distrito rural, de Recife a Afrânio – extremos geográficos de Pernambuco – foi mobilizada para eleger os candidatos, ainda que ao arrepio da legislação eleitoral. Os inúmeros que foram eleitos, de forma unânime, submetem todas as manifestações parlamentares ao escrutínio e arbítrio de um só homem: Ailton José Alves, pastor-presidente vitalício e hereditário da denominação no estado, que sucedeu ao seu sogro no comando da igreja. Este homem controla mandatos, sozinho, nas três esferas da federação, através do escopo do projeto: não por acaso, os governadores Eduardo Campos (1965-2014) e Paulo Câmara costuraram proveitosos acordos políticos com o líder religioso. Mais um pouco de sucesso no “projeto Cidadania” e o estado da Confederação do Equador, orgulhoso de sua defesa da liberdade, terá um aiatolá para chamar de seu: vocação ao líder da seita que tem mais de um milhão de membros no estado inteiro, não falta. No jornal oficial da sua igreja, encontramos desde condenações ao ilusionismo e à mágica, até mesmo manifestações abertas pelo fim do Estado laico e da lei da palmada.

À parte do projeto de dominação política do Estado brasileiro levado a cabo pela Assembleia Deus, outras denominações e seitas também têm apostado no mesmo tipo de expediente para ampliar a influência política do segmento fundamentalista. É o caso, por exemplo, da Igreja Sara Nossa Terra – responsável pela eleição e reeleição de Eduardo Cunha como deputado federal, antes do início de sua longa temporada na carceragem. A Igreja Universal do Reino de Deus, por sua vez, tem o seu próprio partido político, o PRB, e forma uma imensa bancada no parlamento, além de sempre ser responsável pela nomeação de um ministro de Estado – tradição estabelecida nos governos Lula, Dilma e Temer; governa, inclusive, a segunda maior capital do país, o Rio de Janeiro, e tem grandes planos para ampliar os seus tentáculos na política nacional. A bancada evangélica, hoje, já perfaz um quinto do Congresso Nacional.

Nas eleições vindouras de outubro, das quais se projeta grande abstenção e imensa pulverização dos votos, dada a dinâmica da polarização política, a chance de sucesso de projetos fundamentalistas como o “Cidadania AD Brasil” atingir maior êxito se amplia. Enquanto candidatos lutam para obter colocação razoável na lista estabelecida pelo quociente eleitoral, os representantes de denominações pentecostais e neopentecostais na política recebem votação em bloco, por ordem de pastores, presbíteros e diáconos das respectivas igrejas. E a votação não se concentra em um ou dois partidos, mas em quase todos, desde o PT ao PSDB.

Tendo êxito nas suas projeções eleitorais, que contam com a grande ilusão de que a única campanha que importa é a presidencial, se amplia o poder de imposição de agenda religiosa na política. E a agenda, frise-se bem, não se resume àquela história de que “as famílias de bem não serão afrontadas pelo gayzismo e ideologia de gênero”, termos que já fugiram do controle de fóruns conservadores privados, e caíram na boca de pastores de denominações do Brasil inteiro, de Petrolina a Pindamonhangaba. Vai muito além desse motivo que, às vezes, faz um reacionário desavisado e desconectado da realidade, apoiar candidaturas dessa natureza.

Um exemplo muito vivo da postura que se espera de um estado conforme a imagem e semelhança da Assembleia de Deus é a censura aos espetáculos. O comediante Arnaldo Dias Taveira, que mantém uma personagem de humor no YouTube e no Facebook – “bispo Arnaldo”, da autodenominada “Igreja Evangélica Pica das Galáxias”, com mais de 500.00 seguidores, ou fiéis – vem sendo impedido de apresentar seus shows em teatros municipais de todo o Brasil. Sempre que anuncia seu espetáculo numa cidade, um vereador da bancada evangélica – e via de regra conectado ao projeto Cidadania – move moção exigindo do prefeito municipal que cancele o espetáculo, que supostamente afrontaria a elevada moral da “igreja”. Motivo? Arnaldo Taveira, que é cristão, parodia o radicalismo e a picaretagem excessiva de alguns pastores, que se aproveitam da fé do rebanho para enriquecer indevidamente ou fazer lavagens cerebrais.

O projeto de Brasil que essa gente defende – uma espécie de Afeganistão atlântico sob a égide do Talibã pentecostal – é sintetizado pela proposta de governo apresentada pela Pastora Dolores Oliveira de Souza, que foi eleita para o executivo no município de Ibirité, Minas Gerais, em 2012. A líder de seita e ex-vice-prefeita do município não entendeu como prioridades a melhoria dos índices de saúde, educação e desenvolvimento humano daquela cidade do entorno de Belo Horizonte. O que era realmente prioritário, para ela, era proibir e demolir imagens de santos na cidade, para impedir a “idolatria católica”; proibir a presença de padres no velório municipal e nos eventos do governo; criar uma “semana evangélica” obrigatória para funcionários públicos e estudantes; proibir procissões na cidade; expropriar terrenos de igrejas católicas e doá-los para denominações evangélicas; contratar prioritariamente funcionários evangélicos para escolas, com o fim de “evangelizar” as crianças; usar do dinheiro público para construir igrejas evangélicas que estivessem apoiando sua candidatura; acabar com feriados municipais católicos, porque “é pecado”, nas suas palavras; e, claro, fazer de Ibirité um município 100% evangélico em quatro anos. Importante, também, ao lermos seu plano de governo previamente comunicado aos pastores, é perceber a nota de rodapé: “exija o voto do seu rebanho”. Não teve, por sorte, grande sucesso além da sua própria eleição.

As preocupações aparentes com pautas como a proteção à infância, a preservação da família, e outras firulas aparentemente tão caras à bancada evangélica, são mero lume cenográfico. A intenção, verdadeira, é fazer do Brasil uma versão gigantesca e multirracial de Uganda – um país que introduziu penas como morte e prisão perpétua para “delitos” como homossexualidade, por influência de igrejas pentecostais americanas. Ou um Irã gigantesco e tropical, onde, além das mesmas penas de morte – comuns a quase todos os países que obedecem a Sharia ou os fatwas – existirão aiatolás com poder suficiente de impor ao brasileiro como deve viver.

Isso não diz respeito apenas às minorias. Católicos, ateus, agnósticos e até mesmo protestantes tradicionais poderão ser vítimas do “Brasil para Cristo” – que Cristo não sei, já que muito dista do Jesus dos Evangelhos – que os projetos anticidadania das seitas pentecostais e neopentecostais preparam.

Ou abrimos os olhos, ou só poderemos contar com a misericórdia de Deus.

Lucas Baqueiro

Liderança do Livres no sertão de Pernambuco.