PESQUISA

O Papai Noel dos miseráveis

por Amálgama (18/12/2008)

por Lelês Teles – Num destes conteineres de lixo de Shopping Center, um mendigo encontrou uma fantasia rota de Papai Noel e prontamente trocou-a pelos andrajos que o mal vestia. E saiu assim, esquálido e fétido o nosso Papai Noel miserável. A roupa de um vermelho desbotado e sujo. As lãs sintéticas que lhe adornavam […]

por Lelês Teles – Num destes conteineres de lixo de Shopping Center, um mendigo encontrou uma fantasia rota de Papai Noel e prontamente trocou-a pelos andrajos que o mal vestia. E saiu assim, esquálido e fétido o nosso Papai Noel miserável.

A roupa de um vermelho desbotado e sujo. As lãs sintéticas que lhe adornavam o colarinho, a aba do gorro e os punhos da blusa estavam encardidos e esfarrapados. Um enorme rasgo lhe desnudava a bunda. Nas costas, o saco murcho e furado.

Era 24 de dezembro. Em Brasília, uma tarde quente como as manhãs do inferno. E o nosso Santa Clauss do terceiro mundo, imundo, não tinha peru e nem frango, somente a fantasia em frangalhos e um estômago doendo pra caralho.

De um lado para outro na avenida, entre vendedores de bugigangas, cuspidores de fogo e limpadores de pára-brisas perambulava o nosso famélico personagem saxão.

Balbuciava alguma coisa em sua voz emudecida pela fome, como um dublador de si mesmo, como um ventríloquo esfomeado; ele era a voz-guia e o boneco. Dentro dos carros de luxo, vidros hermeticamente fechados, os insípidos e insensíveis funcionários públicos respiravam o frescor e a frescura do ar-condicionado.

Esse foi o primeiro Papai Noel negro que vi em minha vida (ainda não vi um palhaço negro e isso não tem graça!). Descalço, no encalço do que comer, sofejava para os vidros escurecidos e cerrados dos automóveis:

– Dá uma moedinha de presente, filho de deus! Dá uma moedinha de presente, filho de Deus!

Amálgama

Site de atualidade e cultura, com dezenas de colaboradores e foco em política e literatura.