PESQUISA

O petismo é um frigorífico com carne estragada

por Daniel Lopes (17/03/2017)

O submundo que antes vagava com o slogan “O Pré-Sal é do Brasil” faltou foi adotar nesta sexta-feira a hashtag #aCarnePodreÉnossa.

Se para você ainda não estava claro, agora deveria estar.

Toda aquela tonelada de críticas à Lava Jato vinda do complexo midiático-intelectual petista continha uma boa dose de insanidade – ao mesmo tempo causa e consequência da defesa insaciável de políticos e de um projeto criminoso de poder.

O panegírico a um José Dirceu, é verdade, usualmente tinha o desespero racional de acadêmicos e jornalistas que ao longo da vida apostaram todas as fichas em um partido político, e não saberiam viver se tivessem que fazer outra coisa. Mas a dose de insanidade sempre esteve ali, cada vez mais evidente à medida que Mensalão se transformava em Petrolão, e agora absurdamente às claras com o, digamos, Churrascão.

Não interessa que os partidos inicialmente atingidos pela ação de hoje da Polícia Federal tenham sido os “golpistas” PMDB e PP. A verborragia anti-justiça do petismo se tornou ato reflexo.

O costume de acusar a PF, o Ministério Público e, no geral, as forças da lei como inimigas do povo brasileiro não morreria fácil. E o submundo que antes vagava com o slogan “O Pré-Sal é do Brasil” faltou foi adotar nesta sexta-feira a hashtag #aCarnePodreÉnossa.

LEIA MAIS  Os brucutus ideomaníacos da intelectualidade brasileira

Os cientistas dos anos 1980 só puderam ficar impressionados com as alterações mentais da Vaca Louca porque ainda não era possível conhecer o Petista Louco.

Renato Rovai na revista Fórum: “Depois de entregar Pré-Sal, esquema PF e MP pode quebrar frigoríficos nacionais”. Luis Nassif em seu site: “A República do Paraná prepara-se para destruir outro setor econômico”.

Sim, todos os jargões estão aí. Quem não lembra do “esquema” PF e MP desempregando milhares de trabalhadores da construção civil? Como esquecer a “República de Curitiba” destruindo o orgulho representado por nossas empreiteiras multinacionais?

Se politicamente o petismo se reduziu a uma vertente criminosa do nacional-desenvolvimentismo, intelectualmente ele já não passa de uma versão mentalmente empobrecida do mesmo.

E não estamos falando apenas dos Rovais e Nassifs, que correspondem, na imprensa, à linguiça com carne de cabeça de porco. André Singer defendendo na Folha a candidatura de Luiz Inácio em 2018 é, talvez, apenas um pouco melhor que carne misturada com papelão.

  • 1K
    shares

Daniel Lopes

Editor da Amálgama.