PESQUISA

A arte de driblar a perseguição

por Daniel Lopes (08/09/2015)

Leo Strauss estuda tipos de repressão ao pensamento situados entre o extremo de brutalidade da Inquisição e o extremo do “mero” ostracismo social

"Perseguição e a Arte de Escrever - e outros ensaios de filosofia política", de Leo Strauss (É Realizações, 2015, 208 páginas)

“Perseguição e a Arte de Escrever – e outros ensaios de filosofia política”, de Leo Strauss (É Realizações, 2015, 208 páginas)

Este livro é uma excelente introdução à elegante escrita do filósofo Leo Strauss (1899-1973) e a seus (polêmicos) poderes de exegese. O núcleo são três longos ensaios sobre Yehuda Halevi (1075-1141), Maimônides (1138-1204) e Espinosa (1632-1677), que centram em obras específicas suas para tentar demonstrar como a literatura dos três é “esotérica”, repleta de aparentes contradições que visaram, na verdade, livrar seus autores da perseguição de sociedades adeptas da censura.

Halevi, Maimônides e Espinosa, defende Strauss, são exemplos de autores que, ao longo da história, demandam um tipo de leitor especial, capaz de ler as entrelinhas de seus escritos e tirar o significado essencial. Isso, claro, torna a leitura dos três pensadores assaz demandante. Mas é assim que o jogo deve ser jogado, diz Strauss.

Strauss que, igualmente, também não é um autor fácil de ser lido. O que ele diz de certos clássicos – “As obras dos grandes autores do passado são belas mesmo quando vistas de fora. Não obstante, sua beleza visível não passa de feiura se comparada à beleza daqueles tesouros ocultos que só se revelam após um trabalho assaz demorado e nunca fácil, mas sempre prazeroso” – serve em grande parte para a leitura dos próprios ensaios de Perseguição.

A “literatura exotérica”, escreve Strauss no ensaio “Perseguição e a arte de escrever” pressupõe uma sociedade não liberal. A literatura esotérica, outra face da moeda, também. O autor toma “liberal” em sentido amplo – uma sociedade liberal é aquela que, no mínimo, permite a livre expressão de ideias contrárias às ideias consagradas pelas autoridades –, e é por isso que pode falar da sociedade de Halevi, por exemplo, como não liberal, numa época em que a democracia liberal sequer estava no horizonte.

Nas sociedades não liberais, a perseguição a ideias fora do mainstream leva a uma “lógica equina”, segundo a qual “uma declaração repetida constantemente e jamais contradita deve ser verdadeira”, e “a declaração de alguém responsável e respeitável, e portanto de alguém que ocupa uma posição de alta responsabilidade ou prestígio, é moralmente certa”.

Mas a perseguição “é incapaz de impedir o pensamento independente”, porque em toda sociedade, por mais repressora que seja, existem indivíduos que não seguem a lógica equina. E não a seguem por superioridade intelectual. É para esses poucos, de acordo com a análise straussiana, que gigantes como Espinosa realmente se endereçavam, utilizando da técnica da escrita nas entrelinhas.

O atalho para se descobrir o que está nas entrelinhas é bastante complexo, e envolve um pensamento quase matemático, esmiuçado por Strauss principalmente no ensaio sobre o Guia dos perplexos de Mainônides (ver especialmente a página 79). Por outro lado, critérios especiais para quando não se deve ler uma obra nas entrelinhas são elencados anda no primeiro ensaio (páginas 40-42).

O fato dos três autores analisados por Strauss serem judeus não é acidental. Segundo ele, a relação filosofia-teologia na tradição judaica (assim como na islâmica) é fundamentalmente diferente da encontrada na tradição cristã.

Para o cristão, a doutrina sagrada é a doutrina revelada; para o judeu e o muçulmano, trata-se, ao menos primeiramente, da interpretação legal da Lei Divina. (…) é por essa razão que o prestígio da filosofia era muito mais precário no judaísmo e no islamismo do que no cristianismo: neste, ela tornou-se parte integrante da formação oficialmente reconhecida – e até mesmo exigida – do estudioso da sagrada doutrina. Essa diferença explica, em parte, o derradeiro colapso da investigação filosófica no mundo islâmico e judeu, um colapso que não encontra paralelo no mundo cristão ocidental.

Para Halevi e Maimônides, ou se era judeu, ou se era filósofo. Para Espinosa, os judeus desprezavam a filosofia. Se os escolásticos cristãos beberam na fonte de Aristóteles, Cícero e do Direito Romano, os filósofos judeus e muçulmanos beberam em Platão. Estes últimos defendiam os interesses da filosofia contra o interesse religioso. A perseguição intelectual das autoridades religiosas, portanto, levou Halevi, Mainônides, Espinosa e tantos outros a adotarem a escrita nas entrelinhas.

Perseguição e arte de escrever, portanto, estuda tipos de repressão ao pensamento situados entre o extremo de brutalidade da Inquisição e o extremo do “mero” ostracismo social – os tipos, segundo Strauss, “mais importantes do ponto de vista da história literária ou intelectual”.

Publicada inicialmente em 1952, a obra tem traços fundamentais do pensamento straussiano, como a inseparabilidade de filosofia e política e um elitismo que, muitos anos depois, alguns estudiosos do pensamento americano colocariam como de grande influência no advento do movimento neoconservador.

Daniel Lopes

Editor da Amálgama.

Avatar
Colabore com um Pix para:
editor.amalgama@gmail.com